Funcionários dos Correios de três sindicatos desistem de greve na véspera da Black Friday

Sindicatos de Bauru e dos Estados do Rio de Janeiro e Maranhão aprovaram proposta apresentada pelos Correios; sindicato da cidade de São Paulo ainda irá realizar assembleia, mas a indicação é para aceitar a proposta

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Os sindicatos dos Correios da cidade de Bauru e dos Estados do Rio de Janeiro e Maranhão, representados pela Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect), aprovaram na quarta-feira, 22, a proposta apresentada pela empresa, desistindo de entrar em greve nesta quinta-feira, 23, véspera da Black Friday.

PUBLICIDADE

O sindicato da cidade de São Paulo ainda irá realizar sua assembleia nesta quinta, mas, segundo a Findect, a indicação é para aceitar a proposta dos Correios e não entrar em greve. A Federação também afirma que o sindicato do Tocantins, que havia aprovado a greve na última terça-feira, 21, está em assembleia permanente e, por orientação da entidade, irá parar o movimento.

Procurado por e-mail, os Correios afirmaram não haver “qualquer previsão de greve”. “Há um acordo coletivo em vigor e a empresa o cumpre integralmente. O acordo é um dos melhores negociados nos últimos anos, tendo recuperado mais de 40 cláusulas que haviam sido extintas pelo governo anterior”, declarou a empresa. Em nota divulgada na quarta, 22, a estatal informou que preparava uma série de medidas para garantir a normalidade dos serviços caso a greve fosse aprovada. O presidente dos Correios, Fabiano Silva, já havia descartado a possibilidade de greve, falando à Coluna do Estadão que apresentaria uma proposta “positiva” aos trabalhadores.

Funcionários aprovaram proposta dos Correios e desistiram de greve antes da Black Friday.  Foto: Hélvio Romero/Estadão

Os funcionários consideravam a greve de tempo indeterminado para reivindicar a resolução de 26 questões do acordo coletivo com a estatal, incluindo a incorporação de R$ 250 ao salário base e a questão da iminente tributação sobre a bonificação de R$ 1.500 em janeiro, considerada pela Findect “um sério risco de redução substancial desses valores, agravando os prejuízos para os trabalhadores já sujeitos a descontos abusivos” - a proposta dos Correios apresentou uma correção para várias das demandas dos trabalhadores, incluindo a concessão do reajuste de R$ 250 a partir de 2024 para empregados que recebem até R$ 7 mil e a garantia dos R$ 1.500 extras como vale alimentação.

A Black Friday é uma das maiores datas do varejo mundial, na qual os Correios atuam como um dos maiores parceiros logísticos no Brasil. Na semana passada, a estatal anunciou uma campanha para a data, com descontos de até 30% nos envios de encomendas nacionais e internacionais.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.