Publicidade

Publicidade

Pan Produtos Alimentícios, do cigarro de chocolate, pede falência à Justiça

Empresa estava em recuperação judicial desde 2021 e agora reconheceu incapacidade de honrar dívidas

Foto do author Luis Filipe Santos
Por Luis Filipe Santos
Atualização:

A Pan Produtos Alimentícios, conhecida por seus produtos de chocolate em formato de cigarro e moeda, entrou com pedido de autofalência junto à Justiça, na 1ª RAJ (Região Administrativa Judiciária) do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo). Com o pedido, a empresa reconhece incapacidade de honrar as dívidas e continuar operando. A Pan (cujo nome é um acrônimo para ‘produtos alimentícios nacionais’) estava em recuperação judicial desde março de 2021, mas não obteve sucesso na retomada.

A Pan tem dívidas na casa de R$ 260 milhões e atualmente conta com 52 funcionários. A empresa havia solicitado uma extensão de 90 dias no prazo de recuperação judicial, que se encerrava há duas semanas. O juiz pediu manifestações do administrador judicial Fabio Rodrigues Garcia e do Ministério Público (MP); Garcia foi contrário e o MP ainda não se manifestou - mas já pediu a falência da companhia anteriormente três vezes.

Pan produzia chocolates em formato de moeda, cigarro e outros Foto: Reprodução / Instagram / @oficial_chocolatepan

PUBLICIDADE

Assim, restou à Pan pedir a autofalência. A companhia pede ainda que, depois da falência, a Justiça conceda a ela um prazo de seis meses para “liquidar todos os débitos dos trabalhadores ativos e débitos pós-recuperação judicial”. A Pan se notabilizou por produtos como os cigarros de chocolate, além de outros em formato de quadrado, moeda e peixe e o primeiro chocolate diet ao leite no Brasil. Também produzia as balas Paulistinha, inspirada na Revolução Constitucionalista de 1932.

O Estadão procurou a Pan por telefone e e-mail para comentar a autofalência, mas não houve resposta até a publicação desta matéria.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.