Com a economia em frangalhos, Grã-Bretanha reduz os impostos antes das eleições

Principal funcionário financeiro do Reino Unido, Jeremy Hunt, delineou medidas para estimular o investimento empresarial e levar mais pessoas ao mercado de trabalho

PUBLICIDADE

Por Eshe Nelson

THE NEW YORK TIMES - Faltando no máximo 14 meses para as eleições gerais, o governo britânico disse na quarta-feira que reduzirá os impostos de milhões de trabalhadores a partir do início do próximo ano. Jeremy Hunt, a principal autoridade financeira da Grã-Bretanha, anunciou uma série de medidas destinadas a sacudir a economia estagnada do país, incentivando o investimento corporativo e empurrando mais pessoas para a força de trabalho.

PUBLICIDADE

Ao mesmo tempo, seu partido político, os Conservadores, espera que os benefícios fiscais melhorem suas chances eleitorais, já que está 20 pontos atrás do Partido Trabalhista, de oposição, nas pesquisas.

O seguro nacional, um imposto pago por empregadores e trabalhadores que financia as pensões do Estado e alguns benefícios, será reduzido em dois pontos porcentuais para 10% para os funcionários, disse Hunt, economizando para um funcionário médio cerca de £450 (R$ 2.781) no próximo ano. Esse imposto é separado de outros impostos sobre a renda, que não foram alterados.

O governo também ampliará as isenções fiscais para investimentos empresariais e reduzirá os impostos para os autônomos, disse Hunt. No total, as medidas introduzidas na quarta-feira aumentariam o investimento empresarial em £20 bilhões (R$ 123 bilhões) por ano, disse ele.

Jeremy Hunt, chanceler do Tesouro, anunciou medidas destinadas a reanimar a economia estagnada do país Foto: Kin Cheung/ AP

“Devido às decisões difíceis que tomamos no último ano”, disse Hunt em um discurso aos legisladores no Parlamento na quarta-feira, a inflação está desacelerando e os empréstimos do governo estão mais baixos do que o previsto anteriormente. “Eu disse que cortaríamos os impostos quando fosse possível, mas apenas de forma responsável e de maneira que não alimentasse a inflação”, acrescentou.

Nos últimos dias, autoridades do governo, incluindo o primeiro-ministro Rishi Sunak, afirmaram que a economia britânica havia virado uma curva que permitia a redução de impostos. Na semana passada, os dados mostraram que a taxa de inflação da Grã-Bretanha havia caído para 4,6% em outubro, e Sunak declarou vitória em sua promessa de reduzir a inflação pela metade este ano.

Mas a perspectiva econômica do país ainda é fraca. Embora a inflação esteja em seu nível mais baixo em dois anos, ela ainda é mais do que o dobro da meta de 2% do Banco da Inglaterra e mais alta do que nos Estados Unidos e na Europa Ocidental. Recentemente, o banco projetou que o crescimento econômico se manteria estável até 2024 e 2025. Ao mesmo tempo, a pilha de dívidas do país já está em torno de 98% do produto interno bruto, a maior desde a década de 1960, e o custo do serviço da dívida aumentou devido às taxas de juros mais altas e ao aumento dos preços.

Publicidade

Nos últimos anos, as finanças públicas da Grã-Bretanha foram atingidas pela pandemia e por £104 bilhões (R$ 642 bilhões) em apoio às famílias durante o recente choque no preço da energia. A credibilidade fiscal do governo também foi gravemente prejudicada pelos cortes de impostos não financiados no curto mandato de Liz Truss. Quando Hunt assumiu o cargo de chanceler do Tesouro há um ano, ele adotou uma abordagem cautelosa em relação ao dinheiro do país e abandonou quase todos os planos de Truss. Ele disse que havia pouco espaço para aumentos de gastos e cortes de impostos.

Devido a esse aperto nos gastos, “há um risco significativo de que esses planos não possam ser cumpridos e que os cortes de impostos atuais não sejam sustentáveis”, disse Paul Johnson, diretor do Institute for Fiscal Studies, em um comunicado.

O Office for Budget Responsibility, que fornece previsões independentes para o governo, disse que o plano de Hunt reduziria os níveis de dívida para 94% do produto interno bruto em cinco anos, de acordo com as regras do Tesouro.

O órgão fiscalizador também atualizou suas previsões econômicas e de inflação. Com relação ao crescimento, o órgão foi mais otimista do que o banco central, projetando que a economia cresceria 0,7% no próximo ano, embora isso seja muito inferior ao crescimento de 1,8% previsto pelo órgão há seis meses. Ele reduziu ligeiramente as previsões para os anos seguintes devido ao impacto das taxas de juros mais altas e da inflação mais persistente.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A taxa de inflação da Grã-Bretanha desaceleraria para 2,8% no final do próximo ano, antes de atingir a meta do banco central no primeiro semestre de 2025, um ano depois da previsão anterior do órgão de controle.

Durante meses, o governo afirmou que o combate à inflação era sua principal prioridade e, até recentemente, havia pouca expectativa de reduções de impostos na declaração fiscal de quarta-feira. Mas Sunak está atrás nas pesquisas e sob pressão da ala direita de seu partido para reduzir os impostos antes da eleição geral, que deve ser realizada até janeiro de 2025.

Esta semana, Sunak sinalizou uma mudança de ênfase, dizendo que havia tomado “decisões difíceis” sobre a inflação, como resistir a grandes aumentos salariais para os trabalhadores do setor público em greve. “Agora vocês podem confiar em mim quando digo que podemos começar a cortar impostos de forma responsável”, disse ele.

Publicidade

Embora o corte no seguro nacional possa gerar algumas manchetes positivas, é provável que poucas pessoas se sintam muito melhor. Isso se deve ao fato de que o congelamento dos limites para as diferentes faixas de imposto de renda, anunciado pelo Sunak quando ele era chanceler, fez com que as pessoas pagassem mais impostos à medida que seus salários aumentaram no recente período de alta inflação. O corte no seguro nacional compensa apenas cerca de um quarto do aumento da carga tributária gerada pelos limites congelados do imposto de renda, informou o Office for Budget Responsibility na quarta-feira.

Assim, espera-se que as receitas tributárias britânicas aumentem para 38% do Produto Interno Bruto (PIB), a maior carga tributária desde a Segunda Guerra Mundial, disse o órgão de controle. Este Parlamento, que tomou posse em 2019, deverá ser o que mais aumentou os impostos desde o início dos registros comparáveis, de acordo com o Institute for Fiscal Studies.

Várias das medidas de Hunt foram direcionadas a algumas das questões mais intratáveis que estão impedindo a economia britânica.

Ele pretende estimular mais investimentos empresariais tornando permanentes as isenções fiscais para gastos de capital. Anteriormente, as empresas podiam dar baixa em 100% de seus investimentos somente até 2026. A medida significa que as empresas recebem £250 mil (R$ 1,5 milhão) de desconto em sua conta de impostos para cada £1 milhão (R$ 6,1 milhão) investido. Espera-se que isso custe ao governo cerca de £9 bilhões (R$ 55 bilhões) por ano.

Hunt chamou essa medida de “o maior corte de impostos para empresas na história moderna do Reino Unido”.

Embora o governo tenha sido acusado de estar atrasado no financiamento de seu compromisso de reduzir as emissões de gases de efeito estufa e de apoiar insuficientemente a construção de infraestrutura, Hunt anunciou planos para acelerar o investimento em energia limpa e na transição verde. Ele disse que tomaria medidas para acelerar os pedidos de planejamento, a conexão com a rede elétrica e a compensação para as pessoas que vivem perto de novos postes e subestações de eletricidade.

Hunt também disse que £4,5 bilhões (R$ 27,8 bilhões) seriam direcionados para o setor de manufatura, especialmente para energia limpa e indústrias automotiva, aeroespacial e de ciências da vida. Mas o financiamento não estaria disponível até depois de 2025, ou após a próxima eleição.

Publicidade

Uma nova medida significaria que as pessoas que recebem benefícios correriam o risco de perder os pagamentos se não demonstrassem progresso ou engajamento suficientes na busca por trabalho.

O governo também anunciou um aumento no salário mínimo por hora de quase 10%, para £11,44 (R$ 70), e disse que o estenderia aos jovens de 21 anos.

Antes da declaração de quarta-feira, o Tesouro havia anunciado algumas medidas para colocar mais pessoas no mercado de trabalho. O número de britânicos fora da força de trabalho foi impulsionado pelo aumento de doenças de longa duração, incluindo problemas de saúde mental.

A cada ano, mais de 100 mil pessoas são aprovadas para receber benefícios do Estado “sem a necessidade de procurar trabalho por causa de doença ou deficiência”, disse Hunt. “Esse desperdício de potencial é errado do ponto de vista econômico e moral.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.