PUBLICIDADE

Publicidade

Gastos dos EUA com energia limpa e tecnologia estimulam corrida global por subsídios

Outros governos, especialmente na Europa, estão tentando combater as políticas industriais do governo Biden com seus próprios incentivos

Por Ana Swanson , Jeanna Smialek , Alan Rappeport e Eshe Nelson
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Os Estados Unidos embarcaram no maior impulso de política industrial em gerações, oferecendo isenções fiscais, subsídios e outros incentivos financeiros para atrair novas fábricas de painéis solares, semicondutores e veículos elétricos.

PUBLICIDADE

Esses gastos têm o objetivo de impulsionar o mercado doméstico de produtos essenciais, mas têm implicações muito além dos Estados Unidos. Isso está pressionando os governos da Europa ao Leste Asiático a tentar acompanhar o ritmo, propondo seus próprios planos de investimento, dando início ao que alguns estão chamando de corrida global por subsídios.

As autoridades, principalmente na Europa, acusaram os Estados Unidos de protecionismo e passaram meses reclamando com o governo Biden sobre suas políticas. Os governos da União Europeia, da Grã-Bretanha e de outros países estão debatendo como neutralizar as políticas americanas, oferecendo seus próprios incentivos para atrair investimentos e evitar que suas empresas se mudem para os Estados Unidos.

“Acho que todos nós negamos que haja uma corrida por subsídios, mas até certo ponto, ela está acontecendo”, disse Markus Beyrer, diretor geral da BusinessEurope, a maior associação comercial da Europa.

O centro Roseland Solar and Storage em Riesel, Texas, tem mais de 1,2 milhão de painéis solares Os Estados Unidos embarcaram em um enorme impulso para reforçar seu setor de energia limpa  Foto: Mason Trinca/NYT

Os Estados Unidos estão destinando cerca de US$ 400 bilhões em gastos e créditos fiscais para reforçar o setor de energia limpa por meio da Lei de Redução da Inflação de 2022. Outros US$ 280 bilhões são destinados a instalações que fabricam e pesquisam semicondutores, bem como a pesquisas tecnológicas mais amplas.

O governo Biden afirma que a agenda completa liberará US$ 3,5 trilhões em capital público e investimento privado na próxima década. É uma resposta aos pesados subsídios oferecidos pelos governos da China e do Leste Asiático e uma tentativa de reconstruir um setor fabril americano que foi esvaziado por décadas de transferência da produção para o exterior.

O governo afirma que os investimentos colocarão os Estados Unidos em uma posição melhor para lidar com as mudanças climáticas e os tornarão menos dependentes de cadeias de suprimentos potencialmente arriscadas que passam pela China.

Publicidade

Mas os gastos geraram preocupações sobre a retirada de recursos governamentais de outras prioridades e o aumento da dívida dos países quando as altas taxas de juros tornam os empréstimos mais arriscados e mais caros. Gita Gopinath, primeira vice-diretora administrativa do Fundo Monetário Internacional (FMI), disse em uma entrevista em outubro que a corrida dos gastos era “uma questão de preocupação”.

Gita Gopinath apontou estatísticas que mostram que sempre que os Estados Unidos, a União Europeia ou a China decretam subsídios ou tarifas, há uma grande chance de que um dos outros dois responda com seus próprios subsídios ou tarifas dentro de um ano.

“Estamos vendo uma troca de acusações”, disse Gopinath.

O setor de lítio do Canadá pode se beneficiar com a mudança da fabricação de baterias para os Estados Unidos e com a busca de fontes de matéria-prima nas proximidades Foto: Brendan George Ko/The New York Times

A concorrência em termos de gastos também está prejudicando as alianças, dando às empresas que fabricam produtos valiosos, como baterias, hidrogênio e semicondutores, a capacidade de “comprar no país” ou jogar os governos uns contra os outros, enquanto tentam encontrar o local mais acolhedor para suas tecnologias.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A Freyr Battery, uma empresa fundada na Europa que desenvolve baterias de íons de lítio para carros, navios e sistemas de armazenamento, estava no meio da construção de uma fábrica na Noruega quando seus executivos souberam que a Lei de Redução da Inflação estava em desenvolvimento. Em resposta à lei, a empresa transferiu a produção para uma fábrica na Geórgia.

“Acreditamos que essa é uma parte realmente engenhosa da política industrial moderna e, consequentemente, mudamos nosso foco”, disse Birger Steen, CEO da Freyr, em uma entrevista. “O dimensionamento ocorrerá nos Estados Unidos, e isso se deve à Lei de Redução da Inflação.”

Steen disse que a empresa estava mantendo a fábrica norueguesa pronta para um “hot start”, o que significa que a produção poderia aumentar lá se as políticas locais se tornassem mais amigáveis. A empresa está conversando com os formuladores de políticas sobre como eles podem competir com os Estados Unidos, disse ele.

Publicidade

Alguns países estão colhendo benefícios diretos dos gastos dos EUA, inclusive o Canadá, que está incluído em alguns dos benefícios da lei de energia limpa e tem operações de mineração que faltam aos Estados Unidos.

Killian Charles, executivo-chefe da Brunswick Exploration, em Montreal, disse em uma entrevista que o setor de lítio do Canadá se beneficiou com a mudança da fabricação de baterias para os Estados Unidos e com as empresas procurando fontes de matéria-prima próximas.

Mas, na maioria dos casos, a concorrência parece ser mais de soma zero.

David Scaysbrook, sócio-gerente do Quinbrook Infrastructure Partners Group, que ajudou a financiar alguns dos maiores projetos de energia solar e de baterias nos Estados Unidos, disse que a lei de energia limpa dos Estados Unidos foi a legislação mais influente introduzida por qualquer país e que outros governos não conseguiram reproduzir “a escala total” dessa lei.

“Outros países não conseguem igualar esse poder de fogo fiscal”, disse ele. “Obviamente, isso é uma ameaça para a União Europeia ou para outros países.”

Os Estados Unidos procuraram acalmar algumas das preocupações de seus aliados assinando novos acordos comerciais que permitem que parceiros estrangeiros compartilhem alguns dos benefícios da lei de energia limpa. Um acordo de minerais assinado com o Japão em março permitirá que as instalações japonesas forneçam minerais para veículos elétricos que recebem créditos fiscais dos EUA. As autoridades americanas estão negociando com a Europa um acordo semelhante desde o ano passado.

Porém, em uma reunião em outubro, os Estados Unidos e a Europa entraram em conflito sobre uma proposta dos EUA para permitir inspeções trabalhistas em minas e instalações que produzem minerais fora dos Estados Unidos e da Europa. As autoridades continuam a trabalhar para concluir um acordo nas próximas semanas, mas, enquanto isso, a falta de acordo lançou mais uma nuvem sobre o relacionamento entre os EUA e a UE.

Publicidade

As autoridades do governo Biden continuaram a defender sua abordagem, dizendo que a Lei de Redução da Inflação não sinaliza uma guinada em direção ao protecionismo americano e que os gastos com o clima são extremamente necessários. Mesmo com investimentos tão significativos, é provável que os Estados Unidos não atinjam as metas internacionais para conter o aquecimento global.

John Podesta, assessor sênior do presidente para inovação em energia limpa, disse em uma conversa na Brookings Institution em outubro que os governos estrangeiros têm feito “uma certa quantidade de reclamações”. Mas ele disse que os gastos dos EUA acabaram estimulando a ação de outros parceiros, incluindo uma política industrial verde que a Europa introduziu no início deste ano.

“Portanto, com a reclamação, vem um pouco mais de responsabilidade, o que é uma coisa boa”, acrescentou.

Além do Green Deal Industrial Plan, proposto pela União Europeia em fevereiro, o bloco aprovou um programa de estímulo verde significativo como parte de um fundo de recuperação da pandemia e gastos adicionais para indústrias verdes em seu último orçamento.

O Japão e a Coreia do Sul propuseram seus próprios planos para subsidiar os setores verdes. No setor de tecnologia, a Coreia do Sul e Taiwan aprovaram medidas este ano que oferecem mais incentivos fiscais para empresas de semicondutores, e o Japão tem reservado novos subsídios para os principais fabricantes de chips, como a TSMC e a Micron.

A Europa também propôs uma “lei dos chips” no ano passado, embora seu tamanho seja significativamente menor do que o do programa americano. E a China tem injetado dinheiro na fabricação de semicondutores, painéis solares e veículos elétricos para defender sua participação no mercado global e sustentar sua economia enfraquecida.

A concorrência também deu origem a ansiedades em economias menores, como a Grã-Bretanha, sobre a capacidade de acompanhar o ritmo.

Publicidade

O Reino Unido nunca conseguirá competir em termos de dinheiro e escala no mesmo nível que os EUA, a UE e a China porque, em primeiro lugar, estamos sujeitos a restrições fiscais, mas também devido ao tamanho da economia”, disse Raoul Ruparel, diretor do Center for Growth do Boston Consulting Group e ex-assessor especial do governo.

As autoridades britânicas deixaram claro que não pretendem oferecer uma vasta gama de subsídios, como os Estados Unidos, e que, em vez disso, estão confiando em uma abordagem mais de livre mercado com algumas intervenções caso a caso.

Alguns economistas e grupos comerciais criticaram essa abordagem e a resistência da Grã-Bretanha em criar uma estratégia industrial abrangente para moldar a economia em direção ao crescimento verde, com a ajuda de subsídios.

“A questão é: você quer capturar os benefícios econômicos ao longo do caminho e quer aproveitar essas fontes de crescimento?” perguntou o Sr. Ruparel.

Alguns especialistas insistem que os temores de uma corrida por subsídios são exagerados. Emily Benson, pesquisadora sênior do Center for Strategic and International Studies (Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais), disse que a escala dos gastos gerais dos Estados Unidos e da União Europeia não é significativamente diferente, embora os gastos europeus tenham sido distribuídos ao longo do tempo.

“Não vejo um grande pontapé inicial para essa corrida maciça por subsídios que irá abalar completamente as relações globais”, disse Benson.

Líderes empresariais e analistas disseram que a frustração na União Europeia decorreu, em parte, de preocupações econômicas mais amplas após o conflito com a Rússia. A combinação de preços mais altos de energia e concorrência mais acirrada dos Estados Unidos e da China reduziu o investimento estrangeiro direto na Europa e provocou outros temores.

Publicidade

Fredrik Persson, presidente da BusinessEurope, disse que as empresas representadas por seu grupo tiveram “uma reação muito forte” à Lei de Redução da Inflação.

“Apoiamos totalmente a direção subjacente com a transição verde, mas ela veio em um momento delicado”, disse ele.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.