Publicidade

Como as exportações chinesas estão ameaçando a agenda econômica de Biden às vésperas da eleição

O presidente americano está cada vez mais reagindo com tarifas e outras medidas destinadas a restringir importações, aumentando as tensões com Pequim

Por Jim Tankersley (The New York Times) e Alan Rapperport (The New York Times)
Atualização:

O esforço de um trilhão de dólares do presidente Joe Biden para revitalizar a indústria dos Estados Unidos e acelerar a transição para fontes de energia mais limpas está colidindo com um aumento nas exportações baratas da China, que ameaça acabar com os investimentos e empregos que são centrais para a agenda econômica de Biden.

PUBLICIDADE

O presidente americano considera tomar novas medidas para proteger indústrias nascentes, como a produção de veículos elétricos e a fabricação de painéis solares, contra a competição chinesa. Na quarta-feira, 17, em Pittsburgh, o presidente pediu por tarifas mais altas sobre produtos chineses de aço e alumínio e anunciou uma nova investigação comercial sobre a indústria de construção naval fortemente subsidiada da China.

“Não estou procurando uma briga com a China”, disse o Biden. “Estou procurando por competição — e competição justa.” Sindicatos, grupos de fabricação e alguns economistas dizem que a administração pode precisar fazer muito mais para restringir importações chinesas, se espera garantir que as vastas iniciativas industriais de Biden não sejam inundadas por versões chinesas de baixo custo das mesmas tecnologias emergentes.

“É um perigo muito claro e presente, porque a política industrial da administração Biden está amplamente focada não na manufatura tradicional de baixa habilidade e baixo salário, mas na nova manufatura de alta tecnologia”, disse Eswar Prasad, um economista da Universidade Cornell que se especializa em políticas comerciais.

“São precisamente as áreas em que a China aumentou seus próprios investimentos”, disse ele.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, participa de uma conferência em Washington, Estados Unidos  Foto: Jim Lo Scalzo /EFE

Tanto os Estados Unidos quanto a China estão usando grandes subsídios governamentais para estimular o crescimento econômico e tentar dominar o que acreditam que serão os mercados globais mais importantes deste século: as tecnologias destinadas a acelerar a transição global para longe dos combustíveis fósseis, a fim de evitar uma mudança climática catastrófica.

Mas a abordagem de financiamento dessas indústrias diferiu de maneiras importantes. Os funcionários chineses injetaram dinheiro em fábricas, inclusive com ofertas de empréstimos atraentes de bancos estatais para empresas que, de outra forma, poderiam não ter sobrevivido, para ajudar a compensar uma crise imobiliária e um consumo doméstico lento.

Publicidade

Essas fábricas muitas vezes operam com mão de obra de baixo custo.

As fábricas da China estão agora exportando mercadorias a preços que muitas vezes são muito abaixo dos de seus concorrentes, o que ajuda a impulsionar sua economia.

Biden também está canalizando dinheiro federal para indústrias específicas, na esperança de semear inovação e abrir novos caminhos para a classe média por meio de empregos bem remunerados. Ele assinou uma lei de infraestrutura, uma lei de fabricação avançada focada em semicondutores e um conjunto de incentivos à produção contidos em sua lei climática, a Lei de Redução da Inflação. Os gastos e cortes de impostos dessas leis estimularam centenas de bilhões de dólares em planos corporativos anunciados para novos investimentos em fábricas nos Estados Unidos.

Parte dessa assistência vem com condições. A administração condicionou o dinheiro federal a empresas que pagam salários relativamente altos ou fornecem creche para os trabalhadores. Outros créditos são condicionados às fábricas que utilizam componentes que são minerados ou produzidos nos EUA. Biden baseou sua proposta de reeleição na criação de mais empregos bem remunerados, particularmente empregos sindicalizados, mas alguns economistas levantaram preocupações de que esses esforços para mudar o comportamento corporativo minarão seus objetivos centrais de política industrial.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Biden e sua equipe econômica veem cada vez mais as importações chinesas como uma ameaça direta à agenda do presidente. Eles consideram novas e maiores tarifas sobre algumas importações estratégicas da China e iniciaram várias investigações sobre tecnologias chinesas, como software e outros componentes de veículos elétricos e outros automóveis conectados à internet.

Os funcionários da administração estão atentos a como os surtos anteriores de exportações chinesas baratas de aço e alumínio esvaziaram os centros de manufatura americanos nas décadas anteriores. Embora as exportações fortemente subsidiadas de painéis solares, baterias e veículos elétricos sejam úteis para conter a inflação e combater as mudanças climáticas, os funcionários da administração acreditam que a perspectiva de perda de empregos e o fechamento de empresas é alta demais.

Os objetivos concorrentes representam um desafio à medida que a administração Biden tenta fazer com que a China reduza sua produção de tecnologia de energia limpa.

Publicidade

“Por um lado, a administração Biden está fazendo tudo o que pode para aumentar o consumo de produtos de energia renovável”, disse Scott Lincicome, um especialista em comércio do Cato Institute, um centro de pesquisas libertário. “Por outro lado, está advertindo a China contra a venda de produtos de energia renovável baratos, o que aumentaria o consumo americano dos produtos que buscamos incentivar”.

Janet L. Yellen, secretária do Tesouro, advertiu seus homólogos chineses sobre práticas comerciais injustas em uma visita à China na semana passada. Funcionários da administração expressaram preocupações sobre a produção manufatureira chinesa na terça-feira, antes dos anúncios de Biden, em Pittsburgh.

“A capacidade produtiva orientada pela política da China representa um sério risco para o futuro da indústria americana de aço e alumínio”, disse Lael Brainard, que chefia o Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, durante uma ligação com repórteres. “A China não pode exportar seu caminho para a recuperação. A China é simplesmente grande demais para jogar segundo suas próprias regras.”

Oficiais chineses fizeram reclamações semelhantes contra a administração Biden. Em resposta à nova investigação sobre os subsídios de Pequim à construção naval, oficiais do Ministério do Comércio da China emitiram um comunicado dizendo que “o desenvolvimento das indústrias chinesas é resultado da inovação tecnológica e da participação ativa na competição de mercado por empresas chinesas” e não de apoio estatal injusto.

“Instamos os EUA a respeitar os fatos e as regras multilaterais, parar imediatamente suas práticas erradas e voltar ao sistema de comércio multilateral baseado em regras”, disseram os oficiais.

Mas os americanos não estão sozinhos em suas reclamações sobre a nova onda de exportações da China. Líderes europeus levantaram preocupações semelhantes, incluindo o Chanceler Olaf Scholz da Alemanha, que reclamou sobre os produtos chineses serem vendidos com prejuízo na Europa durante uma visita oficial a Pequim esta semana.

A União Europeia está realizando suas próprias investigações sobre as importações chinesas de veículos elétricos, que poderiam resultar em tarifas sobre esses produtos. O bloco já implementou um imposto de fronteira de carbono que se espera afetar a China, que tem regulamentações ambientais mais frouxas. O novo programa cobrará direitos baseados nas emissões de carbono associadas à produção de bens importados. E México e Brasil também estão perseguindo investigações antidumping contra a China que poderiam levar a novas restrições comerciais.

Publicidade

Bruno Le Maire, ministro das finanças da França, observou na quarta-feira que o déficit entre o que a Europa exporta para a China e o que importa triplicou nos últimos 15 anos. Isso indica que mais medidas precisam ser tomadas para nivelar o campo de jogo.

“A Europa deve mostrar seus dentes no comércio e nas relações comerciais”, disse Le Maire, ao explicar que, embora as guerras comerciais seriam prejudiciais, a Europa deveria adotar os tipos de políticas industriais que a China e os Estados Unidos adotaram.

“Eu só quero enfatizar a necessidade da Europa proteger melhor seu interesse econômico e industrial”, disse ele. Os Estados Unidos e seus aliados têm lutado para reunir uma resposta coordenada às ameaças às suas indústrias domésticas da concorrência chinesa. Isso poderia mudar desta vez, disse Mark Haefele, o diretor de investimentos da UBS Global Wealth Management. O sucesso das exportações manufatureiras da China, disse ele, poderia provar ser “um catalisador para uma resposta mais coordenada” dos Estados Unidos e da Europa no comércio.

Os argumentos a favor de um protecionismo mais rigoroso estiveram em evidência nas reuniões de primavera do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial nesta semana. Enquanto o fundo alertava que as tarifas representam uma ameaça ao cenário global, os principais formuladores de política econômica explicaram por que consideram necessário adotar medidas para proteger suas indústrias domésticas.

“Houve um aumento no investimento em manufatura, e nestes setores a utilização da capacidade está muito baixa”, disse Yellen sobre os gastos da China com tecnologia de energia verde. “Com esses subsídios, a quantidade de capacidade excede a demanda global, o que provavelmente deverá continuar ocorrendo ao longo da próxima década.”

Ela acrescentou: “Então, isso não é um campo de jogo nivelado.”

A administração enfrentou pressão para fazer mais para proteger a indústria americana. O senador Sherrod Brown, Democrata de Ohio, que enfrenta uma difícil campanha de reeleição, pediu na semana passada para o Biden banir os veículos elétricos chineses, que já enfrentam altas tarifas. Ele chamou os veículos elétricos chineses de uma “ameaça existencial à indústria automobilística americana.”

Publicidade

Biden desapontou Brown e outros apoiadores da manufatura em 2022, quando declarou uma pausa de dois anos nas tarifas existentes sobre painéis solares importados da China, permitindo efetivamente que mais deles entrassem no mercado dos EUA. Ele vetou um projeto de lei bipartidário em 2023 que teria restabelecido essas tarifas antes de junho de 2024, quando a pausa de dois anos irá expirar.

Ele também enfrentou pressão para aumentar as tarifas sobre componentes chineses para veículos elétricos ou outra tecnologia de energia limpa. As tarifas atualmente são de 7,5% sobre os pacotes de bateria de veículos elétricos, mais 25% sobre os componentes desses pacotes, disse Brad Setser, membro sênior do Conselho de Relações Exteriores em Washington e ex-conselheiro do representante comercial dos EUA sob Biden. A taxa mais baixa deve ser aumentada, ele disse.

Setser também observou que a China há muito direciona seus subsídios para empresas que fabricam e obtêm seus produtos na China — e às vezes exigiu que essas empresas fossem de propriedade chinesa.

“Para construir setores industriais onde a China tem uma vantagem de primeiro movimento e agora uma vantagem de custo”, ele disse, “você precisa ter um mercado isolado — e usar algumas das ferramentas que a China já usou.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.