EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Sucesso de Lula 1 e 2 foi medido por alcance do Bolsa Família; êxito agora será saída do programa

Não fará sentido que presidente encerre seu terceiro mandato com as atuais 21 milhões de famílias atendidas

PUBLICIDADE

Foto do author Fabio Giambiagi
Por Fabio Giambiagi

Este é o segundo de três artigos destinados a sugerir à Secretaria de Avaliação do Ministério de Planejamento que analise algumas políticas do governo, com vistas a aprimorar o desenho das políticas públicas e melhorar a sua eficácia. O artigo de hoje se destina a discutir o Programa Bolsa Família.

Nos dez anos 2010/2019, antes da pandemia, o Bolsa Família correspondeu a uma despesa anual média de 0,4% do PIB, chegando a 13 milhões de famílias, a um custo médio, no final, da ordem de R$ 200 por família. Foi então que veio o governo Jair Bolsonaro. Em 2022, ele transformou um programa cuidadosamente expandido e devidamente avaliado numa política arranjada às pressas, com fins eleitorais e que mandou às favas a austeridade fiscal. O resultado é que o programa que antes pagava R$ 200 por família a 13 milhões de famílias passou a pagar, em 2022, R$ 600 a 22 milhões de famílias. Eis aí um assunto para a secretaria citada focar as suas avaliações.

Bolsa Família é recebido por 21 milhões de famílias brasileiras Foto: Agência Senado

PUBLICIDADE

O PT assumiu o governo em 2003. Em 2026, dos 24 anos transcorridos até então desde a primeira posse do presidente Lula da Silva, o PT terá sido governo em praticamente 18 deles (três quartos do período). Não fará sentido que, tendo governado o País durante 18 dos 24 anos, em 2026 Lula encerre seu governo com os atuais 21 milhões de famílias atendidas pelo Bolsa Família. Se o sucesso da política social dos dois primeiros governos de Lula foi medido pelo alcance do Bolsa Família, o êxito do atual terá de ser medido pelo seu reverso: a saída de famílias do programa. Se em 2026 tivermos aquele número de famílias no programa, isso significará que o progresso não terá dado as caras no País.

Precisamos ter claro o seguinte: a) o déficit público no Brasil em 2023 deverá se situar entre 7% e 8% do PIB; b) o próprio governo tem acenado com a perspectiva de ter um déficit primário da ordem de 1% do PIB em 2023; c) o País deveria procurar mirar um objetivo de médio prazo de 3% do PIB de déficit público e 2% do PIB de superávit primário; e d) é inviável almejar alcançar esse ajuste primário de 3% do PIB mediante um aumento de receita dessa magnitude. Consequentemente, parte do esforço fiscal futuro deveria vir da redução da relação entre o gasto primário e o PIB, entre 2023 e 2026. Considerando que o Bolsa Família representava uma despesa de 0,4% do PIB e neste ano será perto de quatro vezes isso, temos aí um case para as autoridades procurarem reduzir a despesa, sem que o combate à miséria seja afetado em um único centavo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.