Publicidade

O fim da hora do chá? Ataques no Mar Vermelho ameaçam a bebida favorita dos britânicos

Problemas de remessa no Mar Vermelho levaram a atrasos nas entregas de chá, mas os varejistas britânicos garantiram aos consumidores que qualquer escassez seria pontual

Por Isabella Kwai e Jenny Gross
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Para um país de bebedores de chá matinais e noturnos, até mesmo a sugestão de uma escassez do produto básico doméstico pode provocar um suspiro nervoso.

PUBLICIDADE

Portanto, mais do que algumas pessoas podem ter se assustado quando cartazes em alguns supermercados da Sainsbury’s avisaram aos clientes que problemas de abastecimento haviam afetado a disponibilidade de chá preto em “todo o país”, já que os ataques dos houthis a navios comerciais no Mar Vermelho causaram atrasos no transporte.

A Yorkshire Tea e a Tetley Tea, duas das empresas de chá mais populares da Grã-Bretanha, disseram em declarações que estavam monitorando a situação para garantir que pudessem manter o fornecimento de chá preto, mas que os pedidos estavam sendo atendidos.

“Este é um período crítico que requer nossa atenção constante”, disse a Tetley em um comunicado. A empresa disse que havia implementado medidas nos últimos meses para mitigar qualquer interrupção no fornecimento devido a problemas de transporte.

Rebeldes houthis do Iêmen atacam navios na passagem do Mar Vermelho entre o país deles e o Djibouti Foto: Osamah Abdulrahman / AP Photo

Tom Holder, porta-voz do British Retail Consortium, que representa mais de 200 varejistas na Grã-Bretanha, disse que os ataques no Mar Vermelho causaram alguns atrasos, mas que ele não esperava que eles durassem muito tempo. “É um pequeno detalhe”, disse ele, acrescentando que esperava que as empresas ajustassem seus pedidos para levar em conta o aumento do tempo de envio. Ele disse que a escassez provavelmente foi exacerbada pela corrida de pessoas para comprarem chá, um pouco como a escassez de papel higiênico no início da pandemia de coronavírus em 2020.

Os varejistas garantiram aos clientes que as lojas tinham suprimentos abundantes no momento. Sharon Hall, executiva-chefe da U.K. Tea and Infusions Association, que representa as empresas de chá que vendem no país, disse que eles tinham “bons estoques de chá”.

Ainda assim, a ideia de que a pausa para o chá estava em risco causou alvoroço.

Publicidade

“Os britânicos ficaram ‘genuinamente perturbados’ com a perspectiva de escassez de chá”, dizia uma manchete do The Daily Mail. “Mantenha a calma”, gritam os compradores, pois um grande supermercado adverte sobre a escassez de chá”, diz outra manchete do The Sun.

Os britânicos bebem cerca de 100 milhões de xícaras de chá por dia, de acordo com a U.K. Tea and Infusions Association. A maior parte das importações de chá para a Grã-Bretanha de fora da União Europeia vem da África Subsaariana, seguida pela Ásia e Oceania, de acordo com o Statista, um provedor de pesquisa de mercado.

Empresas de vários setores, incluindo a Ikea e a empresa britânica de roupas Next, relataram a possibilidade de atrasos causados pelos ataques da milícia Houthi, apoiada pelo Irã, a navios comerciais que passam pelo Mar Vermelho.

Os ataques deixaram as empresas de navegação de longo curso com uma escolha difícil: redirecionar a rota ao redor da África, acrescentando duas a três semanas à viagem, ou continuar pelo Canal de Suez, que movimenta cerca de 12% do comércio global, via Mar Vermelho, e lidar com o risco de sofrer ataques, além de prêmios de seguro adicionais.

PUBLICIDADE

Eirann Carney, 23 anos, uma compradora em Londres que estava estocando na quarta-feira para seu local de trabalho, disse que o chá, para ela, era “como um vício educado”. Ela não tinha ouvido os relatos sobre a possível escassez, disse ela, e as prateleiras diante dela tinham uma variedade relativamente grande de caixas de chá.

Se houvesse de fato uma escassez de chá? “Em meu escritório, seria um escândalo”, disse ela. “Sinceramente, acho que as pessoas não iriam entrar.”

Há muito tempo o chá está ligado à identidade e ao comércio britânicos. A bebida chegou à Grã-Bretanha em meados do século XVI, depois que comerciantes holandeses começaram a importá-la da China para a Europa. Caro para comprar na época, tornou-se uma bebida da moda entre os ricos da Grã-Bretanha, acabando por se espalhar mais amplamente para as cafeterias do país e depois para as prateleiras dos supermercados.

Publicidade

Atualmente, as pessoas na Grã-Bretanha bebem um pouco mais de café do que de chá, de acordo com um estudo recente, mas o chá ainda é considerado uma parte essencial da cultura do país. Até mesmo a forma como a bebida deve ser preparada causou uma polêmica transatlântica recentemente, depois que um professor de química americano sugeriu adicionar uma pitada de sal ao preparar uma xícara. (A Embaixada dos Estados Unidos em Londres, com a língua na bochecha, chamou isso de “noção impensável”).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.