PUBLICIDADE

Publicidade

Greve de trabalhadores da Samsung por tempo indeterminado ameaça negócio de chips

Paralisação na maior empregadora privada da Coreia do Sul teve adesão de 6.500 trabalhadores por melhores salários e condições de trabalho; impacto da greve será mínimo devido ao ‘alto nível de automação nas fábricas’, diz empresa

Por John Liu (The New York Times) e Jin Ju Young (The New York Times)

Os trabalhadores sindicalizados da Samsung Electronics anunciaram nesta quarta-feira, 10, que entraram em greve por tempo indeterminado. A decisão representa uma escalada em uma disputa trabalhista com potencial de perturbar o negócio de chips da gigante da tecnologia, líder mundial no setor.

PUBLICIDADE

Cerca de 6.500 trabalhadores abandonaram o trabalho na segunda-feira para uma greve planejada de três dias devido a salários e condições de trabalho. O Nationwide Samsung Electronics Union decidiu estender a greve depois de “não ouvir nenhuma palavra” da empresa, de acordo com Lee Hyun Kuk, vice-presidente do sindicato, que representa mais de 31 mil trabalhadores, ou um quarto da força de trabalho da Samsung Electronics.

A Samsung, a maior empregadora privada da Coreia do Sul, é há muito tempo a maior fabricante mundial de chips de memória, que ajudam computadores e outros equipamentos eletrônicos a armazenar informações. A empresa também é líder na fabricação de chips lógicos, que fazem os computadores funcionarem, atrás apenas da Taiwan Semiconductor Manufacturing Co.

O sindicato disse que está em negociação com a Samsung desde janeiro sobre dias de férias e salários. “À medida que a greve continua, o sangue da gerência secará e eles acabarão por se ajoelhar na mesa de negociações”, disse o sindicato em um comunicado. O sindicato disse que a paralisação do trabalho nesta semana atrasou operações e a produção da Samsung.

Greve inicialmente duraria apenas três dias, mas foi estendida por tempo indeterminado Foto: Jung Yeon-je / AFP

Um representante da Samsung, porém, disse que a greve não afetou a produção e que a empresa trabalharia para evitar interrupções no futuro. A Samsung permaneceu “comprometida em se engajar em negociações de boa-fé com o sindicato”, disse o representante.

Devido ao “alto nível de automação nas fábricas e à baixa necessidade real de trabalho manual”, esperava-se que o impacto da greve fosse mínimo, disse Avril Wu, vice-presidente sênior de pesquisa da TrendForce, uma empresa de pesquisa de mercado. “Nossa equipe de pesquisa consultou compradores e vendedores no mercado de memória, e nenhum dos lados está particularmente preocupado com essa questão agora”, disse ela.

Em junho, os trabalhadores da Samsung entraram em uma greve de um dia, a primeira na história da empresa. Os trabalhadores sindicalizados estão exigindo um aumento salarial de 3,5%, melhores políticas de bônus e um dia extra de férias remuneradas. Os funcionários de nível básico da Samsung normalmente têm mais de duas semanas de férias por ano, algumas pagas e outras não.

Publicidade

O sindicato também quer que a Samsung concorde em compensar os trabalhadores por qualquer perda salarial durante a greve.

Embora nos últimos anos os trabalhadores do sindicato tenham dito que receberam bônus de até 30%, no ano passado eles não receberam nada. O funcionário médio ganhou cerca de 80 milhões de won no ano passado, ou cerca de US$ 60 mil (cerca de R$ 325 mil), antes dos incentivos, disseram eles. “Não voltaremos até que todas as exigências sejam atendidas”, disse Lee.

Na semana passada, a Samsung disse que divulgaria uma alta maior do que a esperada no lucro operacional do segundo trimestre, de US$ 7,5 bilhões. Recentemente, as ações da empresa estabeleceram uma série de máximas de vários anos, à medida que a demanda por chips para alimentar aplicativos de inteligência artificial disparou.

Kim Jae Won trabalha na divisão de chips de memória da Samsung desde 2019. “Entendo que se a empresa estiver indo mal, não poderá nos dar nossos bônus”, disse ele. “Mas o fato de os executivos terem levado para casa bônus enormes no ano passado, eu não consigo entender.”

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Kim participou de uma manifestação de trabalhadores do lado de fora de uma fábrica de semicondutores da Samsung na segunda-feira. “Senti um senso de propósito e orgulho pelo fato de milhares de trabalhadores estarem lá”, disse ele. Durante décadas, a Samsung foi conhecida por sua aversão ao trabalho organizado, e os sindicatos organizaram os trabalhadores da empresa somente nos últimos anos.

As greves trabalhistas na Coreia do Sul não são incomuns. Desde fevereiro, mais de 10 mil médicos abandonaram o trabalho em protesto contra os planos do governo de aumentar o número de estudantes de medicina admitidos. Na primavera passada, milhares de trabalhadores da construção civil se reuniram devido ao descontentamento com as políticas trabalhistas do país.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.