Indústria recorre a tecnologia considerada perigosa para atender demanda de veículos elétricos

Extração de níquel, metal necessário para a produção, pode gerar milhões de toneladas de lixo tóxico, afetar o meio ambiente e a saúde da população local

PUBLICIDADE

Por Rebecca Tan , Dera Menra Sijabat e Joshua Irwandi
Atualização:

The Washington Post, Indonésia - Em uma ilha remota perto de onde o Pacífico encontra o Oceano Índico fica uma das primeiras refinarias construídas especificamente para apoiar a transição do mundo para longe dos combustíveis fósseis.

PUBLICIDADE

As rochas desenterradas aqui contêm vestígios de níquel, um ingrediente-chave nas baterias para veículos elétricos. Extraí-lo, refiná-lo e prepará-lo para exportação é uma tarefa gigantesca.

Mais de US$ 1 bilhão foi investido na instalação de uma unidade de processamento, a primeira na Indonésia a usar uma tecnologia de lixiviação ácida para converter minério de níquel laterítico de baixo teor - que o país tem em abundância - em um material de grau superior adequado para baterias. Investidores e credores estrangeiros citam o projeto como prova de seu compromisso com o combate às mudanças climáticas.

Fundições de níquel do parque industrial de Weda Bay podem ser vistas à distância Foto: Joshua Irwandi para o Washington Post

Mas a extensa instalação, cercada de um lado pela floresta e do outro pelo mar azul, enfrenta um grande desafio: o que fazer com os cerca de 4 milhões de toneladas de lixo tóxico produzidos todos os anos - o suficiente para encher 1.667 piscinas olímpicas.

Em 2020, as empresas responsáveis pelo projeto disseram ao governo que tinham uma solução: jogariam o lixo no oceano. Eles finalmente recuaram diante da pressão pública. Mas não está claro se a alternativa de armazenamento em terra que eles ofereceram é significativamente mais segura.

Indonésia é o maior produtor mundial de níquel, de acordo com o US Geological Survey, órgão do governo americano dedicado à pesquisa geológica e de recursos naturais. Junto com a Austrália, o país tem as maiores reservas de níquel do planeta.

À medida que a demanda global por níquel aumenta, os executivos da empresa e os líderes do governo indonésio estão se voltando para uma tecnologia de refino há muito considerada arriscada demais para adotar, perigosa demais para o meio ambiente e para as comunidades locais.

Publicidade

Essa tecnologia, que usa ácido sob condições de calor e pressão intensos para remover o níquel do minério bruto, nunca foi testada antes na Indonésia, onde a frequência de terremotos, chuvas fortes e deslizamentos de terra podem tornar especialmente traiçoeiro o transporte e armazenamento de resíduos perigosos.

O processo apresenta altos custos ambientais que ainda não foram contabilizados, de acordo com entrevistas com mais de 40 pessoas familiarizadas com a indústria de níquel do país, visitas a seis aldeias de mineração amplamente isoladas no leste da Indonésia e análises visuais de especialistas em mineração.

As autoridades da Indonésia dizem que essa nova tecnologia de refino é necessária para aproveitar esses recursos de níquel, que eles esperam transformar o futuro do país como o petróleo fez para a Arábia Saudita. Pelo menos outros 10 projetos usando essa mesma tecnologia já estão em desenvolvimento, de acordo com a Associação de Mineração de Níquel da Indonésia.

As autoridades tornaram prioritária a construção de uma cadeia de abastecimento de níquel, proibindo a exportação de minério de níquel bruto para processamento no exterior e aprovando o desenvolvimento de instalações de refino à base de ácido, bem como fundições de níquel convencionais adicionais a uma taxa sem paralelo em outros lugares. Apesar das promessas oficiais de reduzir as emissões de carbono, o governo aprovou a construção de usinas a carvão especificamente para apoiar o processamento de níquel para a indústria de veículos elétricos.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Grande parte do níquel em baterias de veículos elétricos usadas por montadoras como Tesla, Hyundai e Ford já é proveniente da Indonésia por meio de fabricantes de baterias na China. E até 2030, quando a demanda global de níquel está prevista para ser 52% maior do que em 2020, a Indonésia provavelmente produzirá mais de dois terços da oferta, de acordo com estimativas do Macquarie Group, um grupo australiano de serviços financeiros com experiência no setor de mineração.

Boom global

O crescente interesse pelo níquel faz parte do boom global na demanda por uma variedade de metais usados na fabricação de veículos elétricos, que normalmente exigem seis vezes mais insumos minerais do que seus equivalentes de queima de combustível fóssil para fazê-los funcionar. Mas enquanto a transição para os veículos elétricos é amplamente considerada essencial para lidar com a mudança climática, muitas vezes tem havido pouco reconhecimento do preço que a extração e o processamento dessas matérias-primas exigirão - incluindo tecnologias necessárias para produzir a quantidade e qualidade dos minerais necessários - sobre a vida e os meios de subsistência das comunidades locais e do ambiente circundante.

O minério de níquel laterítico (supergênicos) é dividido em duas formas e, até recentemente, não havia necessidade de usar a tecnologia de lixiviação ácida porque a Indonésia estava minerando o tipo conhecido como saprolita, que pode ser processado em parte usando fundições tradicionais. Mas a Indonésia - e o mundo - está ficando sem minério saprolítico. O que restará é o minério de limonita de baixo teor, que consiste em menos de 1,5% de níquel, tornando o processamento por meios tradicionais quase impossível.

Publicidade

O declínio no minério de saprólito ocorreu no momento em que a demanda por níquel para baterias disparou. A maior parte do níquel extraído na Indonésia já foi para produtos como o aço inoxidável, que pode usar um mineral de baixo teor. Mas as baterias exigem um padrão mais elevado, o que colocou um prêmio sem precedentes no processo de lixiviação ácida.

Uma tarde, no final do ano passado, Liyus, um agricultor, de 52 anos, de Obira, caminhava ao longo da costa onde sua família vive há quatro gerações. Tem estado quieto nesta ilha durante a maior parte de sua vida. Sem um jato particular, chegar a Obira a partir da capital indonésia, Jacarta, é uma jornada de pelo menos dois dias envolvendo uma balsa noturna e horas de carro em estradas esburacadas.

Jacarta, a capital da Indonésia; país tem maiores reservas de níquel do mundo ao lado da Austrália Foto: Josh Haner / The New York Times

Liyus disse que costumava beber dos rios que passam por sua aldeia, mas desde que a mina de níquel adicionou sua refinaria de lixiviação ácida há dois anos, os cursos d’água ficaram vermelho-escuros, tão cheios de poluição que fileiras de coqueiros foram mortas. Ele não sabe o que há na água, apenas que ela deságua no mar e que seus sobrinhos tiveram de ir cada vez mais longe para encontrar peixes. Ele apontou para uma rede de pesca secando em uma árvore próxima. Estava manchado de marrom avermelhado.

Em entrevista de uma hora, representantes das duas empresas proprietárias conjuntas da planta de processamento na ilha de Obira - uma empresa indonésia, Harita Group, e uma empresa chinesa, Lygend Resources - disseram que a operação não teve impacto negativo no meio ambiente e que a poluição ao longo da costa não estava relacionada com os resíduos produzidos pela sua fábrica.

Todos disseram que estão em “total conformidade” com os requisitos do governo. “Examinamos o que era melhor e confirmamos com o governo”, disse Tonny Gultom, chefe de saúde, segurança e meio ambiente da Harita.

Como outros habitantes da vila de Kawasi, que fica próximo da operação de mineração de níquel de Obira, Liyus nunca teve um carro e não tem ideia de por que houve um interesse repentino no mineral que permaneceu intocado em sua ilha por tanto tempo.

“Tínhamos uma vida confortável antes disso”, disse Liyus.

Publicidade

Desafios assustadores

O processo de lixiviação ácida de alta pressão (HPAL) é um método de refino de minério de níquel de baixo teor combinando-o com ácido sulfúrico sob alta pressão e calor, produzindo uma pasta que permite a extração de níquel puro e de alto teor. A técnica foi pioneira na década de 1960 em Cuba, mas raramente foi usada em outros lugares, até recentemente.

Gerenciar o material ácido sob calor extremo é mais complicado do que os métodos tradicionais de refino de minério de níquel. E os recipientes de titânio necessários para misturar os produtos químicos são caros, parte do motivo pelo qual os custos de capital para projetos HPAL são normalmente o dobro dos de fundições convencionais, de acordo com a Agência Internacional de Energia, uma organização de pesquisa intergovernamental.

O processo de lixiviação também consome muita energia e a geração dessa energia produz cerca de 20 toneladas de dióxido de carbono por tonelada de níquel, ou o dobro da quantidade do método de processamento predominante, de acordo com a IEA.

E depois há o desperdício.

Instalação em um complexo de mineração de níquel na vila de Kawasi, na ilha de Obira. O escoamento dos rejeitos deixou o canal atrás dele marrom avermelhado Foto: Joshua Irwandi para o Washington Post

O processo de HPAL produz uma enorme quantidade de rejeitos químicos corrosivos - muitas vezes na casa dos milhões de toneladas para cada mina por ano -, que são extremamente difíceis de neutralizar, armazenar e conter. Estudos mostram que, mesmo após o tratamento da lama, esse resíduo pode conter metais pesados nocivos, como certos tipos de cromo, ligados a doenças respiratórias e a um risco aumentado de câncer.

Os engenheiros sugeriram três opções de descarte: colocar o lixo em uma vala atrás de uma represa; secar o lixo e empilhá-lo em terrenos baldios; e bombeá-lo para o oceano. Cada abordagem pode dar errado. Algumas das maiores empresas de mineração do mundo tentaram dominar o processo HPAL - e falharam.

Em 2021, o conglomerado brasileiro de mineração Vale saiu de um projeto multibilionário de mineração de níquel HPAL no arquipélago da Nova Caledônia, no Pacífico, após cinco vazamentos químicos em 10 anos. Estudos realizados por cientistas na Nova Caledônia já haviam encontrado “altos níveis” de cromo hexavalente tóxico em amostras de água coletadas dentro e ao redor da instalação de refino HPAL.

Publicidade

A instalação, agora propriedade de um consórcio de empresas da Nova Caledônia, teve outro vazamento em novembro em sua barragem de rejeitos, levando as autoridades locais a impor novos regulamentos que podem limitar a produção.

Mais perto da Indonésia, em Papua Nova Guiné, uma empresa chinesa que opera uma usina HPAL há anos é criticada por residentes e autoridades por despejar seus rejeitos no mar. Depois que um tanque cheio de resíduos de mineração transbordou para a costa em 2019, milhares de moradores entraram com uma ação contra a empresa exigindo US$ 5,2 bilhões em danos. O caso ainda está pendente no tribunal, disse o advogado Ben Lomai, que representa os moradores.

A história conturbada da HPAL, no entanto, pouco fez para deter o entusiasmo da indústria pela tecnologia. Enquanto pesquisas estão sendo conduzidas sobre maneiras mais seguras de processar o minério de níquel limonita, elas não serão capazes de saciar a demanda existente, disse Brian Menell, fundador da TechMet, uma empresa de investimentos que se concentra nos minerais necessários para a transição de energia verde. As instalações HPAL da Indonésia “podem não ser como você deseja seu níquel, mas agora você não tem escolha”, disse ele.

Uma mudança de planos

A mina de níquel em Obira é operada pela Harita desde 2016, mas em 2018 a Lygend se uniu para planejar, projetar e construir a refinaria HPAL, eventualmente adquirindo uma participação majoritária no projeto. A instalação de processamento, que foi designada como prioridade para o governo nacional, foi inaugurada em 2021.

Depois que as empresas retiraram seu plano inicial de despejar os resíduos HPAL no mar, elas disseram às autoridades que armazenariam os resíduos em terra, secando a pasta ácida antes de despejá-la de volta no poço de mineração e, em seguida, tratar a água residual em um “lagoa” de rejeitos.

Planta de extração de níquel da Anglo American em Goiás; metal é necessário para a produção de carros elétricos Foto: Daniel Mansur / Anglo American

Apenas um ano antes, no entanto, os executivos da Harita publicaram um artigo de pesquisa em uma revista científica afirmando que o descarte de terras em Obira é realmente “menos adequado” porque a região está em uma zona sísmica notoriamente ativa - em 2019, um terremoto de magnitude 7,2 devastou uma cidade portuária na ilha de Bacan, a menos de 50 milhas de Obira - e é frequentemente afetada por fortes chuvas. Esse artigo também observou que cerca de 7 mil aldeões viviam a jusante do local, concluindo que a construção e o controle da água necessários para o descarte da terra “não eram viáveis”.

Questionado sobre essas descobertas, um porta-voz da Harita reconheceu que armazenar os resíduos em terra é perigoso, mas disse que a empresa está administrando os riscos secando a lama e despejando-a de volta na mina, onde é impedida de vazar para os cursos d’água locais.

Publicidade

Mas um consultor de mineração estrangeiro que trabalha em projetos na Indonésia há mais de duas décadas disse: “É um enorme monte de lixo. E se não for armazenado adequadamente, pode haver deslizamentos de terra. Essa é a minha maior preocupação.” Ele falou sob condição de anonimato por questões de negócios.

Após o clamor público sobre o plano inicial de descarte, o governo indonésio proibiu todas as plantas de processamento de níquel de despejar resíduos no mar, disse Luhut Binsar Pandjaitan, ministro coordenador de investimentos e assuntos marítimos da Indonésia e arquiteto-chefe da estratégia de níquel do país.

“Nós lidamos com isso muito bem, sabia?”, disse Luhut, de seu escritório em Jacarta, no ano passado. “Ouvimos o conselho da União Europeia e paramos. Não fazemos mais isso.”

Aldeões e ativistas ambientais dizem que continuam preocupados com o fato de Harita e Lygend, que operam em conjunto na Indonésia sob o nome de PT HPAL, não honrarem sua promessa de manter os resíduos de Obira fora do oceano e não abordarem adequadamente os riscos decorrentes do armazenamento os resíduos na terra.

Quatro especialistas internacionais em mineração revisaram independentemente as fotos do local de mineração em Obira tiradas pelo The Washington Post. Os especialistas disseram que era impossível, sem uma auditoria formal, verificar se Harita e Lygend estavam despejando rejeitos de HPAL no mar, mas que havia vários sinais de que as empresas geralmente falhavam em conter os resíduos de mineração.

As fotos mostram níveis “devastadores” de desmatamento, que podem aumentar os riscos de acidentes com rejeitos, disse Aimee Boulanger, diretora-executiva da Initiative for Responsible Mining Assurance, uma organização que audita operações de mineração e as avalia em relação a padrões sociais e ambientais. Mesmo que os rejeitos não estivessem sendo bombeados ativamente para o mar, não parece haver “qualquer controle significativo” sobre o que está saindo da mina e entrando nos cursos d’água, acrescentou ela.

Sam Riggall, um defensor da mineração responsável e presidente-executivo da Sunrise Energy Metals, uma mineradora australiana de níquel e cobalto, disse que o material que entra nos rios ao redor da instalação de mineração se assemelha a resíduos processados, e não apenas escoamento de minas a céu aberto.

Publicidade

“Francamente, sinto um pouco de vergonha de fazer parte de uma indústria que permite que isso aconteça”, disse Riggall. “Se esse é o legado que deixamos para trás... quem ficará feliz com isso?”

Gultom, chefe de segurança da Harita, reconheceu que a refinaria HPAL estava produzindo um “enorme volume” de resíduos que poderia representar riscos à segurança se não fossem geridos adequadamente, mas enfatizou que estava sendo manuseado com as devidas precauções.

A água descolorida perto da costa de Obira, disse ele, foi causada pela sedimentação criada pela mineração de madeira anos atrás. “Não tem nada a ver conosco”, disse Gultom.

A Harita, que estreou na bolsa de valores de Jacarta em abril, planeja adicionar uma segunda planta de processamento em Obira no próximo ano, disseram executivos da empresa.

Uma indústria em expansão

Nas ilhas ricas em níquel da província de North Maluku, antigas mineradoras estão se expandindo e novas estão criando raízes. Eles estão ocupando grandes extensões de terra, dizem os moradores, às vezes com autorização do governo, às vezes sem. Navios graneleiros se reúnem ao longo da costa, lembrando para algumas comunidades a história colonial da Indonésia, quando colonos holandeses e portugueses exploraram essas ilhas em busca de especiarias, como noz-moscada e cravo.

A produção de níquel na Indonésia atingiu um recorde de 1 milhão de toneladas métricas em 2021, embora seja insignificante em comparação com o que está projetado para vir. Até 2028, de acordo com Macquarie, o país estará produzindo pelo menos 2,5 milhões de toneladas métricas de níquel anualmente.

A CATL da China e a LG da Coréia do Sul, maiores fabricantes mundiais de baterias para veículos elétricos, anunciaram recentemente que abririam fábricas da HPAL na Indonésia. A Ford Motor Co. disse que se juntaria a um projeto HPAL que está sendo desenvolvido pela Vale e pela mineradora chinesa Huayou na ilha de Sulawesi, no leste da Indonésia. E no ano passado, a Tesla assinou um acordo de US$ 5 bilhões para comprar níquel da Indonésia, disseram autoridades do governo.

Publicidade

Um dos maiores projetos HPAL da Indonésia não está longe de Obira, no norte de Maluku. O parque industrial indonésio Weda Bay, na ilha de Halmahera, uma joint venture entre empresas francesas e chinesas, mais do que dobrou sua área ocupada nos últimos cinco anos, mostram imagens de satélite. Até agora, a instalação produziu principalmente níquel para aço inoxidável, mas um grupo de empresas chinesas disse em 2021 que adicionaria uma instalação HPAL de US$ 2,1 bilhões.

Maryama Usama, de 60 anos, mora em Sagea, um vilarejo próximo ao parque industrial. Ela ouviu dizer que as empresas de níquel em Halmahera precisam de mais espaço. E ela disse que conhece pessoas na aldeia vizinha de Gemaf que não foram avisadas antes que o equipamento pesado aparecesse na terra que pertenceu a suas famílias por gerações.

“O governo pode ter dado permissão a eles”, disse Usama, enxugando o canto do olho com o hijab. “Mas a terra não é deles. É nossa.”

Uma questão de confiança

Em uma conferência de mineração em 2021, Gultom delineou a missão de Harita: “Excelência sustentável por meio da melhoria contínua de pessoas e processos.” Em seu site, a Lygend diz que está empenhada em produzir níquel “verde” que “acelere a neutralização do carbono”.

Mas Faizal Ratuela, diretor-executivo do capítulo de North Maluku da WALHI, um grupo de defesa ambiental indonésio, questionou se essas empresas podem ser confiáveis para operar refinarias de níquel com responsabilidade, especialmente aquelas que usam tecnologia tão complexa quanto HPAL. Ele apontou para seus registros ambientais na Indonésia e na China.

Desde que o Grupo Harita se aventurou na mineração no início dos anos 2000, entrou em confronto várias vezes com as comunidades locais, inclusive em Obira, onde jornalistas que tentavam relatar os efeitos da mina foram detidos e intimidados por seguranças contratados por Harita, Ratuela disse.

Sian Choo Lim, chefe de sustentabilidade da Harita, disse que pode haver uma “imagem” de que a empresa não fez o suficiente para proteger o meio ambiente, mas que é infundada. “Nunca tivemos problemas com a comunidade de Kawasi”, disse ela.

Publicidade

A Lygend e suas subsidiárias foram citadas na China por violar regulamentos ambientais pelo menos quatro vezes em tantos anos, de acordo com uma revisão do Post de declarações divulgadas pelos governos provinciais chineses. Essas citações, feitas no ano passado, incluem excesso de emissões padrão de fumaça e má gestão de resíduos.

Zhang Baodong, um representante da Lygend, recusou-se a abordar essas violações. “O que fizemos (em Obira) já é muito bom”, disse ele. “Não tenho mais nada a acrescentar.”

As empresas indonésias estão cientes de que HPAL é uma tecnologia “totalmente diferente” daquela com a qual estão familiarizadas e que o gerenciamento de resíduos é particularmente complicado, disse Meidy Katrin Lengkey, chefe da Associação de Mineração de Níquel da Indonésia. “Mas, como empresas, dizemos, enquanto houver uma regulamentação, faremos questão de segui-la.”

Os regulamentos ambientais na Indonésia têm sido difíceis de aplicar porque muitas vezes são delegados a governos provinciais distantes, que não apenas carecem de fundos, mas também são propensos à corrupção, dizem os ativistas. Agora, dizem eles, até mesmo as regulamentações estão sendo revertidas em alguns casos para atrair investimentos estrangeiros.

Os aldeões, como resultado, temem que estejam indefesos. “O governo deveria nos proteger”, disse Arnikus Jinimaya, de 66 anos, morador de Halmahera que disse ter perdido suas terras para o Parque Industrial de Weda Bay. “Mas agora vemos que eles só protegem quem tem dinheiro.”

Luhut, o ministro sênior, zombou da ideia de que as autoridades estavam negligenciando as salvaguardas sociais ou ambientais. Há problemas “aqui e ali” com a indústria de refino de níquel, disse ele, mas o governo tem mais condições de cuidar dos recursos do país sem “palestras” de ativistas ambientais, especialmente os de países ocidentais emissores de carbono.

O ex-general passou os últimos anos projetando o crescimento da indústria do níquel, inaugurando pessoalmente novas instalações da HPAL e cortejando figuras como o executivo-chefe da Tesla, Elon Musk. Em reuniões de gabinete e cúpulas internacionais, ele defendeu repetidamente que a transição energética global apresenta a maior oportunidade econômica para a Indonésia desde que conquistou a independência em 1945.

“Isso”, disse Luhut, inclinando-se sobre sua mesa para apontar para um gráfico que mostra o crescimento do níquel, “vai transformar a Indonésia”.

Em junho de 2021, alguns meses após o início das operações da refinaria em Obira, Luhut visitou a ilha, vestindo um capacete vermelho enquanto examinava a nova tecnologia HPAL. Liyus e outros residentes de Kawasi disseram que esperavam que ele parasse em sua aldeia, onde esperavam lhe mostrar os rios que começaram a ficar vermelhos e as árvores que morreram quando suas raízes foram cobertas pelo lodo da mina.

Ele nunca apareceu, disseram os moradores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.