Como os lucros da marca Patagonia ajudam a conservar florestas e a combater as mudanças climáticas

Fundador da fabricante de roupas para atividades ao ar livre abriu mão do controle da empresa em 2022 em favor de programas filantrópicos, o que inclui doações políticas

PUBLICIDADE

Por David Gelles e Kenneth P. Vogel

THE NEW YORK TIMES - Um pouco mais de US$ 3 milhões para bloquear um projeto de mina no Alasca. Outros US$ 3 milhões para conservar terras no Chile e na Argentina. E US$ 1 milhão para ajudar a eleger candidatos do Partido Democrata em todos os Estados Unidos, incluindo US$ 200 mil para um super Comitê de Ação Política (PAC, na sigla em inglês) este mês.

PUBLICIDADE

A Patagonia, a marca de roupas para atividades ao ar livre, está canalizando seus lucros para uma série de grupos que trabalham em temas que vão da remoção de barragens ao registro de eleitores.

No total, uma rede de organizações sem fins lucrativos ligadas à empresa distribuiu mais de US$ 71 milhões desde setembro de 2022, de acordo com declarações de impostos disponíveis publicamente e documentos internos analisados pelo The New York Times.

O jorro de dinheiro filantrópico é o produto de uma reestruturação corporativa não convencional feita em 2022, quando o fundador da Patagonia, Yvon Chouinard, e sua família renunciaram à propriedade da empresa e declararam que todos os seus lucros futuros seriam usados para proteger o meio ambiente e combater as mudanças climáticas.

Greg Curtis, ex-vice-conselheiro geral da Patagônia. Curtis é responsável por doar grandes somas de dinheiro para causas que estão alinhadas com o histórico de ativismo ambiental da Patagônia Foto: Adam Amengual/The New York Times

A Patagonia e os Chouinards criaram uma série de fundos fiduciários, corporações de responsabilidade limitada e grupos beneficentes destinados a proteger a independência da empresa de roupas e, ao mesmo tempo, distribuir todos os seus lucros por meio de uma entidade conhecida como Holdfast Collective.

A Patagonia pagou um dividendo inicial de US$ 50 milhões à Holdfast em 2022. Ela fez outro pagamento à Holdfast no ano passado. Esse valor não está disponível nos registros de impostos ou nos documentos internos, e a empresa não quis divulgá-lo. A partir de então, todos os anos, a Patagônia transferirá todos os lucros que não reinvestir na empresa para a Holdfast.

“Esse é um novo modelo de como as pessoas ricas podem abordar sua filantropia”, disse Stacy Palmer, CEO da The Chronicle of Philanthropy. “É uma combinação de caridade e política, e é o início de mudanças que veremos mais vezes.”

Publicidade

Para um grupo que está distribuindo tanto dinheiro, a Holdfast Collective conseguiu, até agora, permanecer em grande parte fora do radar, desconhecida por vários especialistas em filantropia e captadores de recursos do Partido Democrata que foram questionados sobre ela.

A Holdfast Collective criou e administra cinco grupos sem fins lucrativos - Holdfast Trust, Chalten Trust, Sojourner Trust, Wilder Trust e Tail Wind Trust. Eles estão registrados de acordo com uma seção específica do código tributário americano, o 501(c)(4), que lhes permite fazer doações políticas ilimitadas, desde que seu objetivo principal seja o bem-estar social.

Os grupos sem fins lucrativos, que pagam taxas de administração à Holdfast Collective, detêm 98% das ações sem direito a voto da Patagonia. As ações estão avaliadas em US$ 1,7 bilhão, mas não serão vendidas.

O grupo ainda não tem um site e não há um processo formal pelo qual as organizações possam se candidatar a subsídios. Há também apenas um funcionário em tempo integral: Greg Curtis.

PUBLICIDADE

Curtis, que já foi conselheiro geral adjunto da Patagonia, é responsável por recomendar beneficiários que são posteriormente aprovados pelos comitês de distribuição de cada fundo. A família Chouinard aprova pessoalmente muitas das doações.

A Holdfast fez contribuições para mais de 70 grupos durante seu primeiro ano de operação. Houve grandes doações para projetos de conservação, incluindo esforços para proteger o Rio Vjosa, na Albânia, e a Baía de Bristol, no Alasca, e subsídios para organizações ambientais, como a Earthjustice. “Um dos princípios que tínhamos quando estabelecemos isso é que todo o dinheiro que recebemos todos os anos deve ser gasto”, disse Curtis em uma entrevista.

Dinheiro obscuro

As doações políticas constituem apenas uma fração dos gastos gerais do Holdfast Collective. Até o momento, suas doações são apenas uma gota no tsunami de gastos externos esperados para a eleição de 2024, que já ultrapassou US$ 300 milhões este mês, de acordo com uma análise da OpenSecrets, um grupo apartidário que acompanha o financiamento de campanhas.

Publicidade

Mas as primeiras doações da Holdfast indicam a perspectiva de uma nova fonte de dinheiro para os grupos de defesa e comitês de ação política que apoiam candidatos e causas democratas.

Alguns conservadores estão levantando questões sobre a Holdfast Collective. Caitlin Sutherland, diretora executiva do grupo conservador de vigilância Americans for Public Trust, chamou a Holdfast de “uma organização política de US$ 1,7 bilhão”.

Yvon Chouinard, fundador e CEO da Patagonia; ele renunciou à propriedade da companhia em 2022 Foto: Natalie Behring/The New York Times

Seu grupo sinalizou os registros públicos das organizações sem fins lucrativos financiadas pela Holdfast, que listaram uma série de causas, incluindo o combate à desinformação e a defesa da saúde reprodutiva e da reforma prisional.

“Pessoalmente, não consigo ver a conexão entre gastar dinheiro com aborto e mudança climática”, disse ela, acrescentando que seu grupo planejava registrar uma reclamação junto à Comissão Eleitoral Federal por informar incorretamente que as doações vieram do Holdfast Collective, em vez dos grupos sem fins lucrativos que administra.

O exame minucioso dos principais doadores é muito importante para a Americans for Public Trust. Ela é afiliada a uma rede de grupos sem fins lucrativos com muito dinheiro, formada pelo ativista conservador Leonard A. Leo. A rede recebeu uma injeção de US$ 1,6 bilhão de Barre Seid, um empresário recluso que doou todas as ações de sua empresa de fabricação de dispositivos, localizada em Chicago, em uma transação que abalou o mundo político e atraiu comparações com a transferência da Patagonia dos Chouinards para a Holdfast.

Mas Curtis disse que a Holdfast não tem a intenção de ser partidária. “Não temos o objetivo de ser uma extensão do Partido Democrata”, disse ele. “O único objetivo de nos envolvermos em política é promover uma política ambiental mais forte.”

Filantropia enxuta

Yvon Chouinard, que fundou a Patagonia em 1973, teve dificuldades com seu papel de empresário durante toda a sua carreira. Ávido alpinista, surfista e esquiador, ele ficou profundamente preocupado com a degradação e o esgotamento dos recursos naturais.

Publicidade

À medida que a Patagonia crescia e se tornava uma empresa de bilhões de dólares, ele lutava com seu próprio papel na promoção do consumismo e tentava criar uma empresa responsável que visava a usar materiais orgânicos e reciclados e tratar bem seus funcionários e fornecedores.

Imagem do vale do rio Vjosa, na Albânia, onde a organização Holdfast fundou um projeto de conservação Foto: Andrew Burr/Patagonia via The New York Times

Durante décadas, a Patagonia doou 1% de suas vendas para causas ambientais - totalizando cerca de US$ 230 milhões - e Chouinard usou seu próprio dinheiro para ajudar a criar parques nacionais na América do Sul.

Mas, há alguns anos, Chouinard decidiu que era hora de resolver o problema que mais o incomodava: o destino da Patagônia.

Após um extenso processo, a equipe de liderança da Patagonia chegou a uma estrutura que permitia que a empresa continuasse a operar como uma entidade com fins lucrativos e, ao mesmo tempo, doasse seus ganhos a grupos sem fins lucrativos.

Como os Chouinards não venderam a empresa e mantiveram os lucros nem deixaram a empresa para seus filhos, eles não tiveram de arcar com uma conta fiscal significativa. E como doaram as ações para organizações 501(c)(4), não receberam uma cobrança substancial de impostos. Em vez disso, a família pagou cerca de US$ 17,5 milhões em impostos para facilitar a transação em 2022.

O primeiro ano completo de doações da Holdfast reflete o compromisso de Yvon Chouinard com o trabalho de conservação e o ativismo político.

A Holdfast disse que suas doações protegeram 658,4 quilômetros quadrados de áreas selvagens em todo o mundo e se comprometeu a proteger outros 12,1 mil quilômetros quadrados, grande parte deles na Austrália e na Indonésia.

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.