Publicidade

Publicidade

‘Estamos preparando aumento de salário para todas as carreiras’, diz Lula

Ele pondera, no entanto, que os aumentos não devem ser do tamanho que os trabalhadores pedem. “Muitas vezes é aquilo que a gente pode dar”

Foto do author Gabriel Hirabahasi
Foto do author Sofia  Aguiar
Foto do author Iander Porcella
Foto do author Caio Spechoto
Por Gabriel Hirabahasi (Broadcast), Sofia Aguiar (Broadcast), Iander Porcella (Broadcast) e Caio Spechoto (Broadcast)
Atualização:

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que “acha legal” as greves que servidores públicos estão fazendo em busca de reajustes salariais e que o governo prepara um aumento de salário “para todas as carreiras”. Ele afirma, porém, que o reajuste não deve ser na integralidade do que os servidores públicos estão demandando.

PUBLICIDADE

“Até as greves eu acho legal. Esse povo estava que nem eu estava em 1978, quando fizemos a primeira greve na Scania. A última havia sido em 1968, em Contagem e Osasco. Quando fizemos a greve em 1978, mudamos a história do sindicalismo brasileiro. O pessoal estava muito reprimido, não faziam greve há muito tempo, não havia aumento há muito tempo”, disse o presidente.

“Estamos preparando aumento de salário para todas as carreiras. E vai ter aumento. Nem sempre é tudo o que a pessoa pede. Muitas vezes é aquilo que a gente pode dar”, completou.

Lula diz que “acha legal” as greves que os servidores públicos estão fazendo em busca de reajustes salariais Foto: Wilton Júnior/Estadão

Segundo Lula, “ninguém será punido neste País por fazer uma greve”. “Eu nasci fazendo greve. Devo aos trabalhadores de São Bernardo o que sou hoje. Acho um direito legítimo. Só que eles têm de compreender que eles pedem o quanto eles querem, a gente dá o que a gente pode. E aí tudo volta ao normal e espero que todo mundo volte a trabalhar.”

Ele disse, ainda, que a negociação com servidores vem sendo conduzida por José Lopez Feijó, secretário de Gestão de Pessoas e de Relações de Trabalho do Ministério da Gestão e Inovação e dirigente sindical com passagens em outros governos petistas.

“Feijó é duro porque conhece. Já viveu o outro lado, já fez muita greve, já apanhou da polícia, já perdeu o emprego. Ele é duro, mas sempre com a disposição de negociar. E nós vamos negociar com todas as categorias”, afirmou o presidente.

Lula disse que o governo pretende fazer uma “regulação das carreiras” do serviço público e que o Palácio do Planalto vem se esforçando para fazer concursos para novas vagas. “A gente está fazendo muito concurso. A gente quer fazer uma regulação das carreiras. E aos poucos as coisas vão entrando nos eixos”, afirmou.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.