Publicidade

Publicidade

Ministério Público faz segunda denúncia de importunação sexual na Petrobras em seis meses

Caso ocorreu entre julho e agosto do ano passado, apesar de advertências da vítima; estatal diz colaborar com investigação

Por Juliana Garçon

RIO - O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou na sexta-feira, 29, um funcionário da Petrobras por importunação sexual contra uma colega de escritório. É o segundo caso do tipo em menos de seis meses. Em março, o MPRJ denunciou outro funcionário por praticar atos libidinosos contra uma auxiliar de limpeza.

PUBLICIDADE

Segundo o MPRJ, o homem denunciado importunou a colega em diferentes dias e horários, entre julho e agosto do ano passado, apesar das negativas e das advertências da vítima. Na peça acusatória, a Promotoria pede fixação de indenização mínima à vítima.

Também pede que a Justiça intime a Petrobras a apresentar o modelo que usou internamente para o julgamento administrativo do caso. O objetivo é avaliar se a empresa obedeceu aos critérios estabelecidos no Protocolo para Julgamento com Perspectiva de Gênero.

Procurada pelo Estadão/Broadcast, a Petrobras disse que, além de estar colaborando com a investigação, buscará acesso aos documentos obtidos e emitidos pelas autoridades, “visando à obtenção de novos elementos de apuração e caracterização dos fatos para reanálise da apuração interna”.

Petrobras reafirmou não tolerar 'qualquer tipo de violência, sobretudo as ocorridas no ambiente de trabalho e as de natureza sexual'.  Foto: Paulo Vitor/Estadão

O outro caso de assédio, contra uma auxiliar de limpeza, aconteceu em junho do ano passado no Centro de Pesquisa da Petrobras, localizado na Ilha do Fundão, de acordo com o MPRJ. O funcionário intimidou a vítima, balançando seu crachá durante as investidas. Num dos episódios, conseguiu se esfregar nela. Na Delegacia de Polícia, o denunciado negou os fatos, mas foram encontrados dois boletins “nos quais agiu com o mesmo modus operandi contra outras vítimas, demonstrando, assim, conduta criminosa reiterada e habitual”, diz um dos trechos da denúncia.

Em nota, a Petrobras reafirmou que “não tolera qualquer tipo de violência, sobretudo as ocorridas no ambiente de trabalho e as de natureza sexual”. Diz ainda que, neste ano, “uma série de providências visando fortalecer esses processos, que vêm sendo acompanhadas pelo Programa Petrobras contra a Violência Sexual e incluem, dentre outras, a redução do prazo para conclusão da apuração, a antecipação de mecanismo de proteção à vítima e a disponibilização de um canal de acolhimento para toda a força de trabalho”.

Os acusados não foram encontrados para comentar o caso.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.