Presidente da Petrobras se reúne com empresas do Kuwait e fala em parcerias futuras

Jean Paul Prates esteve na Índia para reuniões e vai seguir viagem para o Oriente Médio em uma série de encontros de negociação

PUBLICIDADE

Por Gabriel Vasconcelos

RIO - O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates informou em suas redes sociais que a estatal vai trabalhar por parceiras com três empresas do Kuwait: a Kuwait Petroleum (KPC) e suas subsidiárias Companhia de Indústrias Petroquímicas (PIC, na sigla em inglês) e Companhia de Exploração de Petróleo no Exterior do Kuwait (KUFPEC).

PUBLICIDADE

Com relação à última delas, Prates mencionou a possível abertura de uma subsidiária no Brasil. Ele definiu as reuniões que teve com os presidentes das três empresas no domingo, 11, como “muito produtivas”.

Segundo fontes ouvidas pelo Estadão/Broadcast, o presidente da Petrobras aproveitou viagem à Índia, para emendar em novo périplo pelo Oriente Médio, onde busca oportunidades de negócio e cooperação para a Petrobras. Em Goa, na Índia, Prates participou da “India Energy Week 2024″ e se reuniu com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e outras autoridades estrangeiras e presidentes de grandes empresas do setor.

Depois do Kuwait, a ideia é visitar os Emirados Árabes, a Arábia Saudita e o Catar, alguns países onde ele já esteve recentemente a fim de estreitar laços.

Nem Prates nem a Petrobras esclareceram o objeto das parcerias envolvendo empresas do Kuwait, mas, a julgar por suas atividades, isso poderia acontecer no negócio tradicional da estatal brasileira - exploração e produção de óleo e gás - ou em petroquímica, área em que a diretoria de Prates já afirmou ter interesse de expandir atuação.

Arábia Saudita

Quando do encontro com autoridades sauditas no fim de 2023, Prates chegou a falar no lançamento da Petrobras Arábia, espécie de sociedade especificamente voltada ao mercado de fertilizantes, com abertura de fábricas no Golfo Pérsico e no Brasil ao mesmo tempo. Como mostrou o Estadão/Broadcast em dezembro, o racional por trás é aproveitar as sinergias dos dois países para reforçar seu acesso a fertilizantes.

Enquanto a Arábia Saudita tem larga oferta de insumos nitrogenados, o Brasil tem potássio, ambas matérias-primas essenciais à produção de fertilizantes, assim como o gás natural, detido pelos dois países, mas a preços “muito mais altos” no Brasil. A combinação dessas ofertas, abriria caminho para produção de fertilizantes a preços mais competitivos no País e para importação de volumes seguros da Arábia Saudita, por exemplo.

Publicidade

Presidente da Petrobras aproveitou viagem à Índia, para emendar em novo périplo pelo Oriente Médio, onde busca oportunidades de negócio e cooperação para a Petrobras  Foto: Adriano Machado/Reuters

Interlocutor

O principal interlocutor de Prates e da Petrobras no Oriente Médio é o secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), o kuwaitiano Haitham al-Ghais. Dele teria vindo o convite para a atual visita.

Prates e al-Ghais se conheceram em evento da Opep e, meses depois, o secretário-geral da organização veio ao Brasil para uma viagem de uma semana. Semanas depois, o Brasil foi convidado a integrar o bloco livre da obrigação das cotas de corte do grupo.

Segundo fontes, o principal interesse desses países no Brasil e na Petrobras é o desenvolvimento de tecnologias de transição energética e descarbonização na cadeia de hidrocarbonetos, base de sua economia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.