Publicidade

Jean Paul Prates envia balanço de gestão da Petrobras por WhatsApp enquanto sofre fritura

Com permanência no cargo colocada em dúvida, presidente da Petrobras elenca 25 ações como ‘principais marcas e recordes da Petrobras nesta nova gestão’

Foto do author Daniel  Weterman
Por Daniel Weterman

BRASÍLIA - O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, enviou uma mensagem a interlocutores fazendo um balanço de sua gestão à frente da estatal, na noite de terça-feira, 9. A mensagem foi enviada por WhatsApp e contém 25 ações classificadas por ele como “principais marcas e recordes da Petrobras nesta nova gestão”.

Jean Paul Prates é alvo de uma fritura dentro do próprio governo Lula e teve sua permanência no cargo colocada em xeque. O presidente da Petrobras enfrenta um embate com o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, envolvendo a distribuição dos dividendos extraordinários para acionistas e outras políticas da empresa, como o mercado de biocombustíveis.

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

PUBLICIDADE

Entre as ações pontuadas pelo dirigente está “o maior lucro da história da empresa sem vender refinarias, dutos ou subsidiárias”. É justamente no lucro da empresa que reside uma das principais disputas no governo envolvendo a Petrobras, já que distribuição de dividendos serve para remunerar quem investe na companhia e a própria União, principal acionista da estatal.

No balanço enviado por mensagem, Jean Paul também elencou “dez recordes de valor de mercado da empresa ao longo de 2023″ e o “maior valor atingido na Bolsa de Valores com recorde histórico de R$ 569 bilhões”. Também destacou que a empresa “voltou” ao cenário internacional e tem um plano de investimento de “meio trilhão de reais nos próximos cinco anos”.

Jean Paul destacou ainda a nova política de preços, “saindo da ‘paridade de importação’ e usando as vantagens logísticas e comerciais da Petrobras para manter preços estáveis e razoáveis para o consumidor”, tocando em outro ponto que é delicado para o governo Lula: o preço dos combustíveis.

Procurado pelo Estadão, o presidente da Petrobras não quis se pronunciar sobre a mensagem.

Enquanto enfrenta resistências dentro do PT e no governo, aliados saíram a campo para defender a permanência de Jean Paul Prates à frente da estatal. O senador Jorge Kajuru (PSB-GO), vice-líder do governo no Senado, subiu à tribuna da Casa e saiu em defesa de Prates e citou nominalmente o ministro Alexandre Silveira.

Publicidade

“O que de pessoal o senhor tem contra o presidente da Petrobras? Ou quais são os seus interesses em querer derrubá-lo? São interesses escusos? São interesses honestos, que vão contribuir com o País?”, questionou.

Na terça, o ministro de Minas e Energia voltou a pontuar divergências envolvendo a distribuição dos dividendos extraordinários, pediu “paz” à petrolífera e falou que a presidência da Petrobras era um cargo que pertencia a Lula.

Na reunião de março, o conselho da estatal decidiu pela retenção dos dividendos extraordinários, deixando evidentes as divergências dentro da gestão petista. Enquanto Silveira e Rui Costa (Casa Civil) opinaram, à época, por não fazer a distribuição, Prates defendeu o pagamento de 50%.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.