Publicidade

Todos esperavam uma recessão nos EUA. O Fed e a Casa Branca encontraram uma saída

A economia americana está terminando o ano em uma posição notavelmente melhor do que quase todos em Wall Street previram

Por Rachel Siegel e Jeff Stein

THE WASHINGTON POST - Após dois anos de pressão implacável sobre temas como a inflação altíssima ou uma recessão iminente, perguntaram ao presidente do Federal Reserve este mês o que ele faz para se divertir. “Para mim, uma grande, grande festa - e afirmo que isso é, de verdade, o mais divertido possível - é um relatório de inflação realmente bom”, disse Jerome Powell diante de uma multidão no Spelman College. E deu uma risada.

PUBLICIDADE

Para um funcionário que normalmente segue um roteiro rígido, foi uma piada espantosa. Mas também refletiu uma sutil mudança de humor do Fed (o banco central americano) - e de um líder que se sente finalmente livre para fazer uma piada, por mais contida que seja.

À medida que 2023 se aproxima do fim, Powell e seus colegas estão longe de declarar vitória sobre a inflação. Eles alertam rotineiramente que suas ações podem ser frustradas por uma série de ameaças, desde a guerra no Oriente Médio até a desaceleração econômica da China. Os americanos estão chateados com os altos custos de aluguel, alimentos e outros itens básicos, que não estão voltando aos níveis pré-pandemia. A Casa Branca também é rápida em enfatizar que ainda há muito trabalho a ser feito.

No entanto, a economia está terminando o ano em uma posição notavelmente melhor do que quase todos em Wall Street previram, tendo superado praticamente todas as expectativas repetidas vezes. A inflação caiu de um pico de 9,1% para 3,1%. A taxa de desemprego está em 3,7% e a economia cresceu em um ritmo saudável no trimestre mais recente.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell Foto: Kevin Lamarque/Reuters

O Fed provavelmente já terminou de aumentar as taxas de juros e está de olho em cortes no próximo ano. Os mercados financeiros estão em máximas históricas ou próximos delas, e o S&P 500 também está perto de atingir um novo recorde. Dados recentes do Conference Board também mostraram que a confiança do consumidor atingiu em dezembro o patamar mais alto em cinco meses, graças ao crescente otimismo em relação à renda, ao mercado de trabalho e às condições gerais dos negócios.

Essa força e estabilidade - desafiando até mesmo muitas das previsões mais otimistas - representa um desenvolvimento notável após crises econômicas aparentemente intermináveis que começaram com a pandemia de coronavírus de 2020 e continuaram com um pico de inflação que o banco central e o governo demoraram a reconhecer.

O Fed e a Casa Branca combateram a inflação em seus próprios caminhos, usando ferramentas totalmente diferentes. Mas, agora, os banqueiros centrais, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, e a equipe econômica do presidente Biden estão apontando, cautelosamente, que suas ações foram embasadas em dados e projeções consideradas, até bem recentemente, como irrealistas.

Publicidade

Este mês, a secretária do Tesouro de Joe Biden, em geral muito séria, fez uma repreensão incomumente direta, dizendo aos repórteres que os economistas que previram que a inflação mais baixa exigiria demissões generalizadas estavam agora “engolindo suas palavras”.

Pode chamar isso de a mais educada vingança que Washington já viu.

“Muitos economistas estavam dizendo que não há como a inflação voltar ao normal sem que isso implique em um período de alto desemprego, ou uma recessão. E, há um ano, acho que muitos economistas estavam dizendo que uma recessão era inevitável”, disse Yellen em um evento do Wall Street Journal na semana passada. “Nunca achei que houvesse uma base intelectual sólida para tal previsão.”

Janet Yellen, a secretária do Tesouro dos Estados Unidos Foto: Drew Angerer/Getty Images via AFP

Um dia depois, Powell fez seu próprio aceno para os pessimistas. O tom do presidente do Fed sempre foi mais circunspecto: ele enfatiza rotineiramente que o banco central ainda não pode declarar vitória e que há muitos perigos no caminho para que a inflação atinja sua meta de 2%.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

No entanto, Powell também manteve a esperança de que seria possível evitar a recessão, apesar do histórico. Desde 1961, o Fed lançou 10 ciclos de aumentos de taxas para combater a inflação, incluindo este. Oito vezes houve recessões.

“Sempre achei, desde o início, que havia uma possibilidade, devido à situação incomum, de que a economia pudesse esfriar de forma a permitir que a inflação diminuísse sem o tipo de grande perda de empregos que, em geral, está associada à inflação alta e aos ciclos de aperto”, disse Powell na semana passada. “Até agora, é isso que estamos vendo.”

Ainda há muito debate sobre como o “pouso suave” da economia foi alcançado. Alguns, na verdade, negam que ele tenha ocorrido, ou que Powell ou Yellen mereçam crédito. Grande parte da queda na inflação, por exemplo, não se deveu às taxas de juros mais altas do Fed, mas sim ao fato de as cadeias de suprimentos terem eliminado atrasos e ao arrefecimento dos preços da energia.

Publicidade

Além disso, muitos republicanos ainda acusam o Fed e o governo Biden de exacerbar a inflação crescente do ano passado - os aumentos de preços mais rápidos em quatro décadas - e pelas intervenções de política monetária que se seguiram. Os preços não estão mais subindo tão rapidamente. Mas ainda estão altos, e os aumentos das já altas taxas de juros colocaram o sonho da casa própria fora do alcance de milhões de pessoas, um ponto de discussão importante do Partido Republicano antes da eleição presidencial de 2024.

O presidente americano, Joe Biden, chega ao fim do ano com a economia em condições muito melhores do que se previa Foto: Evan Vucci/AP

“Todas as aterrissagens difíceis começam com uma aterrissagem suave - nunca se esqueça disso. Houve muitas notícias boas, e todos devem estar felizes com isso, mas eu não declararia vitória tão cedo”, disse Doug Holtz-Eakin, analista do Partido Republicano e ex-diretor do Escritório de Orçamento do Congresso. Ele ressaltou que o crescimento do setor privado parece estar desacelerando no trimestre mais recente.

“Previsão de recessão nos EUA dentro de um ano chega a 100%, em um golpe para Biden”, dizia uma manchete da Bloomberg News no outono de 2022. Larry Summers, ex-secretário do Tesouro democrata e crítico frequente do Fed, disse que o desemprego teria de aumentar para que a inflação caísse. As empresas disseram que estavam se preparando para uma desaceleração.

Parecia que uma severa dor econômica seria o custo para os presidentes da República e do Fed, que demoraram a reagir à inflação histórica e se apegaram por muito tempo à insistência de que os aumentos de preços seriam temporários. Um conselheiro externo da Casa Branca, falando sob condição de anonimato, descreveu o clima no prédio como um “desespero sombrio e preocupante” quando a inflação atingiu o pico, no verão de 2022.

“Estávamos constantemente testando e reformulando as hipóteses com as quais estávamos operando; foi um período tão brutal”, disse Brian Deese, que atuou como diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca durante os dois primeiros anos de Biden no cargo, referindo-se ao pico de inflação do ano passado. “Mas acho que a Casa Branca merece algum crédito por se manter consistente e pela convicção do presidente de que seria possível fazer a transição para um crescimento forte e estável sem uma recessão, mesmo quando estávamos sendo constantemente questionados e colocados em dúvida.”

Aumento dos juros

Durante todo esse tempo, o Fed e a Casa Branca tomaram suas próprias medidas importantes para controlar os aumentos de preços. O Fed começou a aumentar as taxas de juros em março de 2022, movendo-se a uma velocidade vertiginosa para levar as taxas de juros ao nível mais alto em 22 anos. Ele fez isso apesar das críticas da esquerda de que estava pisando no freio da economia com muita força e arriscando os empregos das pessoas.

As autoridades do Fed e da Casa Branca sempre afirmaram que poderiam manter a inflação sob controle sem causar um grande aumento no desemprego. O Fed frequentemente apontava para um excesso de vagas de emprego, acreditando que os empregadores poderiam retirar essas ofertas, em vez de demitir trabalhadores.

Publicidade

Mas, mesmo que isso não tivesse acontecido, o foco do Fed era claro. Um momento importante ocorreu em agosto do ano passado, quando Powell lançou o desafio em uma reunião de cúpula econômica anual em Jackson Hole, alertando sobre a “dor” que estava por vir enquanto o Fed lutava para derrotar a inflação.

O Silicon Valley Bank quebrou em março Foto: Nathan Frandino/Reuters

Sete meses depois, os poderes do Fed foram ainda mais postos à prova por uma crise bancária. A rápida falência do Silicon Valley Bank e do Signature Bank em março fez com que os órgãos reguladores entrassem em modo de emergência, preocupados com a possibilidade de o restante do sistema financeiro - e a economia - entrar em queda livre.

O Fed conseguiu evitar que o contágio se espalhasse ainda mais. Mas foi criticado por ter anunciado outro aumento da taxa de juros apenas algumas semanas depois. Os críticos disseram que o sistema financeiro já estava sob muita pressão e que as autoridades estavam agindo antes de terem uma noção completa da crise.

Mas, para Powell e seus colegas, a medida foi fundamental para manter a mensagem e sinalizou uma determinação duradoura.

No fórum de Jackson Hole, em meados deste ano, Powell deixou claro que ainda havia muito a ser feito. Mas, naquele momento, as autoridades haviam chegado a uma fase diferente de sua campanha, em que não precisavam fazer aumentos de juros em todas as reuniões e podiam se dar ao luxo de ser mais pacientes. “Como sempre acontece, estamos navegando sendo orientados pelas estrelas sob um céu nublado”, disse Powell na época.

A Casa Branca, por sua vez, empregou uma série de ferramentas a serviço da posição de Biden de que o combate à inflação era a “prioridade número um” do governo, enquanto os democratas clamavam para manter os preços sob controle.

Em outubro de 2021, o governo conseguiu persuadir os portos a operarem 24 horas por dia, 7 dias por semana, em um esforço para eliminar os atrasos que aumentavam os preços. A Casa Branca deu luz verde a expansões significativas da perfuração de petróleo para reduzir os preços de combustíveis. Também anunciou a maior liberação de todos os tempos das reservas estratégicas de combustível do país, à medida que os preços da gasolina subiam, passando por cima das reclamações de especialistas em clima e outros aliados.

Publicidade

Biden prometeu não interferir na campanha do Fed para aumentar as taxas de juros. Ele rejeitou os apelos da esquerda por ações mais drásticas que, segundo alguns economistas, poderiam piorar o problema, como o controle de preços. Enquanto isso, a direita exigiu que Biden reduzisse os gastos do governo. De qualquer forma, a Casa Branca decidiu buscar novos programas federais importantes, argumentando que os esforços - em infraestrutura, produção doméstica de semicondutores e energia limpa - ajudariam a conter a inflação, ao expandir a capacidade produtiva da economia.

A Casa Branca, em particular, foi inflexível ao afirmar que a inflação foi impulsionada pela disfunção da cadeia de suprimentos, e não por um aumento na demanda causado por seu plano de estímulo de 2021, como muitos críticos, inclusive alguns democratas, insistiram. Uma análise feita pelo Conselho de Consultores Econômicos da Casa Branca neste outono constatou que “as cadeias de suprimentos de alguma forma” contribuíram para mais de 80% da queda da inflação desde 2022.

“Houve uma certa dose de zombaria e escárnio com Joe Biden dizendo que essa transição era possível, já que estávamos levando um chute nos dentes com impressões de inflação em maio e junho de 2022″, disse Deese, referindo-se aos relatórios de inflação. “Mas tínhamos uma teoria bastante clara de que isso refletia os pontos altos do choque de oferta.”

De fato, este ano finalmente trouxe as mudanças há muito esperadas. Os preços da energia voltaram à Terra. Uma recuperação da cadeia de suprimentos ajudou a esfriar os preços de todos os tipos de mercadorias. Um ressurgimento de trabalhadores - incluindo imigrantes e mulheres - impulsionou a economia. Os ganhos salariais foram moderados para um ritmo que os economistas consideraram mais consistente com os ganhos de longo prazo.

Quadro de crescimento

No verão, o quadro da economia em expansão de 2023 estava se tornando visível. O mercado imobiliário - um dos setores mais sensíveis às altas taxas de juros - havia saído de uma recessão de curta duração. As pessoas estavam gastando muito com a febre Taylor Swift, ingressos de cinema e férias. Os novos programas governamentais da Casa Branca estavam injetando demanda adicional na economia.

Lael Brainard, diretora do Conselho Econômico Nacional, disse que a Casa Branca analisou o quanto o mercado errou nas estimativas de crescimento e desemprego com a queda da inflação, porque muitos analistas não conseguiram ver o quanto da inflação foi impulsionada por fatores temporários. Ela enfatizou que a sabedoria convencional deu muito pouco peso ao papel das interrupções na cadeia de suprimentos.

“As pessoas não queriam que o lado da oferta da economia desempenhasse um papel tão importante quanto o fez”, disse Brainard, que foi vice-presidente do Fed até fevereiro. “Se você voltar às previsões de um ano atrás, verá que é incrível.”

Publicidade

Questões mais amplas ainda não foram resolvidas. Por quanto tempo os consumidores podem continuar gastando em massa? O mercado de trabalho acabará sendo afetado? A economia dos EUA sofrerá com uma série de ameaças geopolíticas? Algo totalmente imprevisto?

“Nós meio que presumimos que as coisas ficarão mais difíceis a partir daqui”, disse Powell na semana passada, em sua última entrevista coletiva do ano. “Mas, até agora, isso não aconteceu.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.