PUBLICIDADE

Publicidade

Reforma tributária: governador do Piauí é contra teto para novo imposto e defende ‘PIB invertido’

Rafael Fonteles (PT) diz que divisão dos recursos do Fundo de Desenvolvimento Regional é a principal bandeira da reforma para Estados do Nordeste

Foto do author Adriana Fernandes
Por Adriana Fernandes
Atualização:

BRASÍLIA - O governador do Estado do Piauí, Rafael Fonteles (PT), é contrário à inclusão na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma tributária de um teto para o valor da alíquota do novo tributo dos Estados e municípios, o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS). O governador afirma que “não dá para fazer uma limitação artificial” da alíquota do IBS que será criado com a reforma.

Em entrevista ao Estadão, Fonteles, que é um dos governadores mais atuantes nas negociações no Congresso, cobra que os critérios de partilha de Fundo de Desenvolvimento Regional estejam no texto constitucional e que o rateio seja inversamente proporcional à renda per capita (por pessoa) dos Estados. Ou seja: os Estados mais pobres recebem mais. Esse modelo também é chamado de “PIB invertido”.

O governador do Piauí, Rafael Fonteles, disse que os Estados vão mandar reforço policial para Brasília e ajudar na apuração de "atos terroristas" Foto: Reprodução

PUBLICIDADE

O petista também cobrou mudanças no modelo de decisão do Conselho Federativo, órgão que será criado para gerir o IBS. Uma alternativa defendida por ele é que, nas decisões do conselho, haja um quórum, por exemplo, de 70% dos Estados para a aprovação das propostas que passam pelo órgão.

O debate sobre a fixação de um limite máximo para os IBS, a ser cobrado pelos Estados e municípios, e a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), novo tributo do governo federal, surgiu na esteira do temor dos empresários de que a soma dos dois impostos acabem tendo a maior alíquota do mundo, superior a 30%, quando entrarem em vigor.

“A alíquota será aquela para garantir a carga tributária atual. Se colocar isso como princípio da emenda constitucional, que é o que todos defendem, já estará atendendo esse requisito de manutenção da carga tributária”, ressalta o governador do PT.

O próprio relator da PEC no Senado, Eduardo Braga (MDB-AM), foi o primeiro a falar em fixar um teto. Ele, porém, não confirmou ainda se a proposta será incluída no seu relatório. A ideia de um teto foi defendida pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Pela proposta aprovada na Câmara, o Tribunal de Contas da União (TCU) será responsável pelo cálculo da alíquota de referência. O Ministério da Fazenda calculou que ela pode ficar entre 25,45% e 27%, após a introdução das exceções da Câmara. Se o Senado aumentar a lista, o valor sobe.

Publicidade

Na avaliação do governador, o debate em relação à alíquota é, na prática, sobre a quantidade de segmentos que terão direito à alíquota reduzida. Quanto mais segmentos econômicos tiverem alíquota reduzida, maior será o valor da alíquota normal. “O País tem um nível de receita de que ele não pode abrir mão”, diz Fonteles. “Não vai travar a alíquota para um número tal porque tem que chegara no mínimo nessa arrecadação atual”, ressaltou.

Bandeira

O governador avalia que a reforma tem grande chance de aprovação, mas o texto precisa de revisão pelos senadores com aperfeiçoamento de pontos mais polêmicos, como o Fundo de Desenvolvimento Regional. Ele defende a ampliação do aporte do governo federal para o fundo para um valor intermediário entre os R$ 40 bilhões, que estão previstos no texto aprovado na Câmara, e os R$ 75 bilhões propostos pelos governadores.

Segundo ele, a forma de partilha precisa estar na Constituição, porque há risco de o fundo ser desvirtuado posteriormente se a partilha for feita por lei complementar, como consta no texto aprovado na Câmara.

“O objetivo do Fundo é combater a desigualdade regional. A função dele é exclusivamente esta. O critério te que ser o inverso do desenvolvimento da região”, argumentou. “O FPE (fundo de participação dos Estados) faz mais ou menos isso”, ressalta.

Essa proposta foi rebatida pelos governadores dos Estados mais ricos, principalmente o de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas, que defende que, no Estado, também há bolsões de pobreza. O governo de São Paulo propôs uma divisão com base no cadastro de pessoas atendidas pelo programa Bolsa Família.

O petista diz que a divisão dos recursos do fundo é a principal bandeira e o ponto mais importante da reforma tributária para os Estados do Nordeste: “E acredito que também para o Norte”.

Conselho Federativo

O governador prevê que haverá mudança no formato do Conselho Federativo, um dos pontos de intenso debate nas negociações. Ele é contrário ao critério populacional com peso decisivo nas votações do Conselho, proposta que foi negociada pelo Estado de São Paulo com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e lideranças para que a PEC fosse aprovada na Casa.

Publicidade

“O que eu defendo é paridade. É retirar o critério populacional. Cada Estado, um voto. No Senado (a formação), é assim. Se for espelhar o que é o Senado no Conselho Federativo, vai dar isso”, diz. Fonteles sugere como alternativa aumentar o quórum de votação. Nessa proposta, todos os Estados têm o mesmo peso, mas a deliberação só passa se tiver 70% de aprovação dos Estados.

Ele destaca que esse ponto terá de ser negociado com a Câmara para que não haja um vaivém de propostas entre as Casas, sem acordo. “A questão é não pode tirar o princípio de que, na Federação, todos os Estados são iguais”, enfatiza.

Transição

O governador se diz favorável a diminuição do período de transição federativa de passagem da cobrança do IBS da origem para o destino. O prazo previsto na PEC é de 50 anos. O secretário de Fazenda de São Paulo, Samuel Kinoshita, em entrevista ao Estadão, defendeu um corte para dez anos.

“Se aumentar o seguro-receita (compensação de perdas de arrecadação), tem que diminuir a transição. Sou favorável que se diminua o período de transição. É importante para migrar mais rapidamente para o modelo final da transição federativa”, defende. “Qualquer redução para nós é bem-vinda. Se reduzir à metade, é ótimo”, completa.

Guerra fiscal

O governador petista considera que a guerra fiscal entre os Estados para atrais empresas para as suas regiões com base em incentivos fiscais vai “100% acabar” com a aprovação da reforma tributária”. “Cada Estado vai definir sua alíquota, mas ela vai ser a alíquota global. Um Estado pode aumentar ou diminuir a alíquota, mas é para todos os produtos”, explica.

Segundo ele, não haverá mais um incentivo específico para um determinado segmento para atrair empreendimentos. “Será bom para a economia do País, porque os incentivos geram um custo muito elevado para e um efeito econômico quase nulo”, justificou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.