Como pais e mães controlam o uso de celular pelos filhos? ‘Nunca vou me sentir segura’

Limite de horas em frente às telas e apps de supervisão parental são estratégias; especialistas recomendam dialogar e criar regras, além de dar o exemplo no uso moderado da tecnologia

PUBLICIDADE

Por Leon Ferrari
11 min de leitura

A dentista Izadora Costa, de 45 anos, que mora em Goiânia, se desdobra para educar os filhos sobre os riscos de usar mídias digitais. Mesmo assim, fica ansiosa. “Acho que nunca vou me sentir segura.” Com muitas conversas, que partem das crianças ou dela mesma, ela avalia que tem bons resultados. Também conta com um aplicativo de controle parental.

O mais velho, de 12 anos, já cobra até da avó sobre o limite para o uso de tela. Já a caçula, de 9, sabe que não pode passar o número do WhatsApp para estranhos e busca a mãe sempre que alguém pede o contato. Mas Izadora não acha que isso é suficiente. “Da mesma forma que me cerco de informações para tentar controlar, o outro lado se cerca de novas artimanhas.”

Suzana tem dois filhos, teme os riscos das redes sociais e orienta as crianças sobre o uso do celular Foto: Alex Silva/Estadão

Izadora faz parte de um grupo de pais que cresceram em um mundo praticamente analógico e, hoje, tem o desafio de criar seus filhos - uma tarefa que nunca foi fácil - em um mundo com uso disseminado de redes sociais e dispositivos móveis de fácil acesso à internet, como os smartphones.

Nos EUA, estudo conduzido pelo Pew Research Center em 2020, descobriu que quase sete em cada dez (66%) pais dizem que a tarefa de criar os rebentos é mais difícil do que há 20 anos, e a principal razão, afirmam, é a tecnologia. “A maneira como fui criada não serve para criar os meus filhos”, diz Izadora.

As mudanças têm sido tão velozes, dizem, com o acesso a telas e à conexão cada vez mais fácil, que, por vezes, os artifícios de criação e controle de um filho para outro, mesmo com poucos anos de diferença, podem não ser os mesmos e exigem atualização sobre as novas tecnologias.

Especialistas destacam que a principal barreira para evitar danos é um diálogo aberto, além de limites e regras bem explicadas aos pequenos, visto que será humanamente impossível estar ao lado deles para sempre.

Continua após a publicidade

O publicitário Mauro Borges, de 45 anos, relata que criar a caçula, de 12, tem sido “muito mais difícil” do que o mais velho, hoje com 24. Com o primogênito, o desafio era controlar o tempo no videogame.

“Você tinha um exemplo de uso das tecnologias do pai e da mãe dele diferente do que o que minha filha tem. Eu não saio do celular, trabalho com o celular. Minha esposa trabalha com o iPad, é psicóloga, atende pessoas online. Estamos o tempo todo com a ferramenta na mão.”

A diferença de idade não precisa ser muito grande para notar como o desafio está mais complicado. A nutricionista Suzana Martinelli, de 42 anos, conta que enquanto a filha, de 8 anos, nem chega a esgotar as horas de celular diárias, o mais novo, de 4, sofre mais com as limitações das telas - só pode jogar eletrônicos aos finais de semanas.

“Ele fica frustrado, choroso e irritado”, conta. “Ele é um bebê da pandemia, e crianças da pandemia tiveram muito mais acesso (a telas). Esgotávamos todas as opções que tínhamos, energéticas e psicológicas, de brincar e o ‘escambau’, mas chegava uma hora em que não dava mais.”

Os pais e mães se dedicam principalmente a regular o tempo de tela das crianças e mediar o conteúdo que elas acessam, usando aplicativos de controle parental, ao mesmo tempo em que se desdobram para cultivar eles próprios hábitos saudáveis nos dispositivos para dar o exemplo.

João Paulo Simão, de 47 anos, e a esposa Marina Guzzo, 44 anos, acompanham os filhos no uso de celular, tablet e computador Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Continua após a publicidade

Apps de controle

Dividindo-se entre três empregos, Izadora limita o tempo no celular das crianças com o Family Link, do Google, app que também permite oferecer conteúdo adequado à faixa etária e localizar o aparelho geograficamente. Os filhos só receberam autorização para usar o celular três horas ao dia a partir da pandemia, quando as aulas se tornaram digitais e o recurso era necessário também para estudar.

Eles não têm redes sociais, apenas WhatsApp, que facilita o diálogo quando estão na casa do pai. Pontualmente às 21h, o celular é bloqueado completamente e é hora de ir para cama. Para a mãe, é o momento de vistoriar as mensagens. “Tenho dificuldade no controle de tempo, porque sou uma mãe divorciada, trabalho fora e eles ficam muito tempo com a minha mãe, que já é uma senhora de idade. Por isso, tenho o aplicativo.”

A escolha de Izadora não é incomum. Muitos pais anteciparam a data de concessão do primeiro smartphone aos filhos na pandemia ou fizeram isso por segurança - para se comunicar com os filhos quando estão fora de casa e acompanhar onde estão. E, para evitar que o uso se torne desenfreado ou que acessem conteúdo inadequado, na ausência de adultos, recorrem a apps de controle.

Mauro Borges, que deu à filha seu primeiro celular neste ano, pois ela está passando mais tempo na escola, cede uma hora diária de uso com o aplicativo Qustodio. A ferramenta também permite rastrear mensagens e ligações, filtrar conteúdo e confecciona relatórios de uso diários, semanais ou mensais.

“Quando chega no limite, ela pode pedir mais”, diz ele. O sim só vem quando os pais avaliam que o tempo a mais é para algo produtivo, como nesta reta final de ano, que a menina pedia mais horas para estudar com o aparelho.

Continua após a publicidade

É importante lembrar que filtros e aplicações de supervisão podem ser burlados. O músico e professor João Paulo Simão, de 47 anos, conta que o filho, de 11, descobriu a senha do controle de horário no videogame. “Mudei a senha e zerei (o tempo de tela). Ele não pode jogar nada e estamos conversando para dizer quando vamos liberar.”

A lição é que o aplicativos de controle parental funcionam como apoio, mas não dão conta de tudo. “Você consegue ver parte do que o seu filho usa”, diz Simão. “O principal é a relação de confiança que temos entre pai e filho. Não tem controle parental que substitua isso.”

Diálogo e reflexão

É nesse sentido que entra o diálogo. Essas conversas devem ser claras e em linguagem que a criança entenda. Mas é necessário explicar o motivo das restrições, e, sobretudo, não fazer julgamentos, a fim de criar um canal de comunicação em que o pequeno se sinta confortável em buscar ajuda do responsável ao perceber algo estranho ou inadequado.

Na casa da personal trainer Liz Sato, de 38 anos, que se divide no momento entre Maringá (PR) e São Paulo, as telas nunca foram uma grande questão. “Nunca sobrou muito tempo para assistir televisão e usar celular.” Até os cinco anos da filha, hoje com 12, não havia conexão via internet na residência. Ela só ganhou um celular aos dez pela necessidade de se comunicar com o pai.

Liz, porém, não estipula limite de tempo ou usa apps de controle parental. “Acredito que pela forma como criei ela, a gente consegue conversar, entender e decidir juntas. Não gosto dessa história de autoridade de desligar o celular.” Isso não significa ausência de regras. A principal delas é que, quando o uso começa a atrapalhar os estudos, o aparelho fica na sala e a menina só pode utilizá-lo na hora que não há mais afazeres.

Continua após a publicidade

A mãe também, na medida do possível, assiste a vídeos no YouTube, principal plataforma que ela acessa, junto com a filha ou confere o histórico. E quando observa que o uso começa a ficar excessivo, conversa com a pequena.

Ela exemplifica: “Semana passada, ela teve um pouco mais de tempo, só tinha prova e não aula, e começou a ficar muito no celular. No fim de semana, na hora da refeição, conversei com ela. ‘Filha, percebeu que está ficando mais no celular agora? Acho que essa não vai ser uma atitude legal de se ter nas férias, porque podia estar fazendo outras coisas interessantes’. Daí ela falou assim: ‘Não, mãe, não fiquei tanto tempo assim’”, relata.

“Não acho que ela esteja tentando me enganar, porque realmente a percepção do tempo (nos eletrônicos) fica muito diferente. Falei: ‘Mas lembra que aquele dia te pedi para fazer tal coisa e você demorou um tempão porque estava no celular?’. E ela: ‘Verdade’. É assim que tento controlar, ajudando ela ter a percepção do que o excesso de tela causa nela.”

Estabelecer esse diálogo, que por vezes tem cara de negociação, pode não ser fácil e o caminho varia de família para família. Com seu casal de filhos, Izadora usa a própria tecnologia para ajudá-la a falar de riscos digitais. As conversas sobre segurança digital e hábitos saudáveis ocorrem, principalmente, ouvindo podcasts no caminho para a escola ou com vídeos de perfis que considera instrutivos.

A partir dos 12 anos, segundo prevê até o Estatuto da Criança e Adolescente, é hora de começar a dar mais privacidade, o que não significa que a supervisão deva acabar. Além disso, a idade cronológica é só um parâmetro, mas é preciso avaliar as habilidades digitais e a maturidade do filho na concessão de mais liberdade.

Tédio sem tela

Nem toda criança lida bem com a limitação de tempo e provavelmente todas, em algum momento, vão argumentar que ficam entediadas sem telas. A estratégia dos pais é, então, oferecer alternativas, que incluem brincadeiras no quintal, jogos de tabuleiro, ajudar nos afazeres domésticos, como auxiliar no preparo do jantar ou colocar a mesa, e passear com o animal de estimação, por exemplo.

Continua após a publicidade

Há um esforço também para que a criança não fique pensando somente nas horas de tela, conforme conta Borges. “Nossa discussão agora é fazer ela perceber o quanto o entorno desse tempo (de tela) também tem consumido ela.”

Mas quanto tempo de tela? Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, o ideal é:

  • Até dois anos: sem telas
  • Entre 2 e 5 anos: limitar o tempo de telas ao máximo de 1 hora/dia.
  • Entre 6 e 10 anos: limitar o tempo de telas ao máximo de 1 a 2 horas/dia.
  • Entre 11 e 18 anos: limitar o tempo de telas e jogos de videogames a 2 ou 3 horas/dia.

A entidade também frisa que não deve ser permitido uso de telas durante refeições, independente da faixa etária. Outra recomendação é de desconexão 1 ou 2 horas antes de dormir.

Celular ‘da casa’

Na casa de João Paulo Simão e Marina Guzzo, de 45 anos, não há tecnologia “à la carte”, como ele gosta de dizer. Nem o filho, de 11, nem a filha, de 7, tem aparelho próprio. O garoto tem acesso ao celular - um aparelho antigo do pai, sem chip - e a mais nova, a um tablet. Os dispositivos são “da casa”, explica. O limite é de uma a duas horas para o maior e uma hora e meia para a menor, e os dispositivos têm controle parental.

A escolha faz com que se confrontem com uma frase comum aos pais: “mas meus amigos podem/têm”. E, depois dela, o mau humor e, por vezes, explosões de agressividade. “Não podemos ter medo de dizer não”, fala Guzzo.

Continua após a publicidade

“O medo de dizer não pode ser confundido com o medo de não ser amado. Nossa dificuldade de dizer não é pensar que o filho vai me achar um ‘crápula’, um ‘controlador’, um ‘cara chato’. Não podemos ter medo disso. Podemos ser amados em outro momento que não esse, e ter a convicção de que você sendo chato e, às vezes, um cara autoritário é o que a criança mais precisa naquele momento”.

Dar o exemplo

Além de regras, as crianças precisam de exemplo, dizem estudos e especialistas. Uma pesquisa europeia que envolveu sete países e investigou a relação dos pequenos até 8 anos com a internet descobriu que eles aprendem “muito rapidamente” como interagir com dispositivos digitais, observando o comportamento dos adultos e das crianças mais velhas.

A maioria dos pais ouvidos pela reportagem afirmam que essa é uma dificuldade para eles e que os filhos, quando observam uma contradição, cobram os pais. Para evitar isso, tentam não usar os dispositivos quando estão ao lado das crianças.

Suzana conta que ela e o marido assistem filmes juntos só depois do toque de recolher, assim como a leitura no Kindle, um leitor digital, é noturna. Mas deslizes acontecem. A nutricionista afirma que o marido é enxadrista, e gosta muito de jogar xadrez online, assim como o filho menor.

Se, aos finais de semana, o pai passa muito tempo na frente do celular, afirma ela, o pequeno reclama: “ É injusto. O papai ficou muito tempo no telefone. Eu não posso jogar nem uma partida de xadrez!”