PUBLICIDADE

Como é o ensino médio nos países ricos? ‘Ou o Brasil descobre um jeito de ser produtivo ou quebra’

Há menos flexibilidade do que o modelo oferecido hoje no Brasil e investimento para que os alunos cursem ensino técnico ao mesmo tempo, diz estudo de pesquisadores de Stanford

Foto do author Renata Cafardo
Por Renata Cafardo
Atualização:

Países com notas mais altas em avaliações internacionais e baixo índice de abandono da escola têm menos flexibilidade e menos opções de escolha para os alunos do que prevê o novo ensino médio no Brasil. Depois de pressões por revogação, o modelo passa por consulta pública no Ministério da Educação (MEC), que deve anunciar propostas de mudanças a partir do mês que vem.

PUBLICIDADE

As conclusões são de um estudo de pesquisadores da Universidade de Stanford (EUA), que mostra ainda que países desenvolvidos investem fortemente para que o alunos cursem o ensino profissional e tecnológico junto com o médio. No Brasil, só 10% dos alunos estão nessa modalidade, quando a taxa é de 68% na Finlândia e de 49% na Alemanha. O técnico é hoje uma das opções que podem ser oferecidas no novo ensino médio brasileiro.

Um dos autores do estudo, o economista e professor brasileiro de Educação em Stanford Guilherme Lichand, diz que o ensino técnico pode ser um modo de o Brasil ter mais produtividade e reduzir a desigualdade, já que mais jovens estariam prontos para entrar no mercado após o médio.

“Estamos no fim da transição demográfica. Daqui a poucos anos vamos ter mais aposentados do que gente trabalhando, em um país pobre. Ou a gente descobre um jeito de o País ser mais produtivo ou quebra”, afirma Lichand.

“Todos os países analisados ofertam, em maior ou menor escala, a educação profissional e tecnológica. Mais do que isso, dentre os países analisados, aqueles com os níveis mais altos de proficiência e com as maiores taxas de conclusão são, tipicamente, os que possuem maior cobertura da EPT (educação profissional tecnológica)”, conclui o estudo.

Segundo pesquisas, áreas como ciência de dados, comunicação, administração, turismo e tecnologia em geral são de grande interesse dos jovens para ensino técnico.

Levantamento realizado pelo Instituto Reúna e pelo Itaú Educação e Trabalho, analisando currículos do novo ensino médio de 11 Estados, mostrou que 72% deles tinham disciplinas estritamente acadêmicas; somente 28% incluíam a educação profissional e tecnológica.

Publicidade

O estudo do Centro Lemann em Stanford, intitulado Policy Review: Insumos para a reforma do Ensino Médio, faz parte de uma série que está analisando políticas públicas em vários países e as comparando com o Brasil. O primeiro deles foi sobre alfabetização. O documento afirma ainda que, apesar das nações analisadas terem também currículos flexíveis, o que é uma das ideias principais do novo ensino médio, as opções de escolha são reduzidas.

Em geral, são duas ou três trilhas possíveis para o adolescente escolher, que incluem um caminho mais acadêmico e outro técnico profissional, como na Finlândia, em Portugal e na Austrália. Há países, como a Alemanha, em que o estudante sequer pode optar, o que determina seu ensino médio são suas notas e avaliações feitas por professores aos 10 anos de idade.

São duas ou três trilhas possíveis para o adolescente escolher, que incluem um caminho mais acadêmico e outro técnico profissional, como na Finlândia (foto), em Portugal e na Austrália Foto: Agnieszka Flak/Reuters

Entre os analisados, só a Argentina tem quantidade grande de itinerários, que inclui ciências sociais, humanas, música, artes visuais e técnico. “No país, contudo, a taxa de conclusão do ensino médio é ainda mais baixa que no Brasil, ilustrando que flexibilidade curricular tampouco é condição suficiente para baixa evasão e alta proficiência”, afirma o estudo.

No Brasil, Estados atualmente oferecem até 17 itinerários formativos no novo ensino médio, mas nem sempre com qualidade ou em todas as escolas. Críticos da reforma afirmam que a amplitude e o pouco direcionamento do MEC para criação das trilhas foi um dos motivos dos problemas atuais.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Entre as sugestões para mudar o novo ensino médio entregues ao MEC estão a do Todos pela Educação, que pede um núcleo comum de conhecimentos e habilidades para cada área nos itinerários, “que dariam mais clareza aos sistemas de ensino”, segundo a entidade. Daniel Cara, professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), que é a favor da revogação, acredita que os itinerários poderiam ser substituídos por matérias eletivas apenas no 3º ano do ensino médio.

“Se, em geral, alunos e pais têm poder de escolha sobre qual trilha será seguida nessa etapa de ensino, flexibilidade de escolha não é condição necessária para sistemas da alta proficiência e baixa evasão”, afirma o estudo. “O que mantém o aluno na escola é uma relação mais sistemática com ensino profissional e técnico articulado”, diz Lichand. Ele dá exemplos de países como a Suíça, uma das referências mundiais em ensino técnico, em que o aluno estuda e trabalha como aprendiz em empresas.

Na Suíça, uma das referências mundiais em ensino técnico, o aluno estuda e trabalha como aprendiz em empresas Foto: REUTERS/Denis Balibouse

Além do estudante aplicar diretamente o conhecimento adquirido, ele é remunerado, aumentando o engajamento e reduzindo a evasão. No Brasil, só 70% dos alunos terminam o ensino médio - cerca de 60% entre pretos e pardos. Em países desenvolvidos, a taxa é sempre superior a 80% e chega a 99% na Finlândia. Além disso, o número de alunos que têm desempenho abaixo do considerado adequado nas três áreas (Linguagens, Ciências e Matemática) no Pisa, avaliação internacional feita pela OCDE, não chega a 13%. No Brasil, são 43% dos meninos e meninas de 15 anos.

Publicidade

Estigma negativo do técnico

“Um dos grandes problemas em alguns países que tentaram sem sucesso introduzir programas de ensino técnico foi que eles não conseguiram superar a imagem negativa associada às habilidades vocacionais em comparação às habilidades acadêmicas”, diz a professora da Universidade de Zurique, na Suíça, e especialista na área, Uschi Backes-Gellner, que também faz parte do estudo. Segundo ela, esse estigma faz com que os programas de ensino técnico atraiam os estudantes com pior desempenho ou os mais pobres, como é o caso do Brasil.

Outra preocupação é a de que o ensino profissional fecharia as portas para a universidade. Para outro especialista que participa do estudo, o professor de Educação de Stanford Eric Bettinger, ocorre o contrário. Segundo ele, o ensino profissional tecnológico “democratiza a educação porque oferece um conjunto mais amplo de oportunidades aos estudantes”. “Quando os Estados Unidos expandiram a oferta dos community colleges (que oferecem ensino técnico), o total de jovens que seguiu estudando após o ensino médio aumentou.” O mesmo é registrado em países como Alemanha e Suíça, em que muitos dos que cursam o técnico durante o ensino médio ingressam na universidade.

O estudo conclui que “não é razoável esperar que, mesmo com mais horas na escola e a expansão da educação profissional e técnica articulada, todos os problemas do ensino médio brasileiro vão imediatamente desaparecer”. É preciso apoio técnico e financeiro para os Estados - que têm as escolas de ensino médio - organizarem com qualidade seus currículos e que ainda haja monitoramento das ações.

Na semana passada, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, o ministro da Educação, Camilo Santana, disse que foi um “grande equívoco reduzir a carga horária da base comum curricular”, referindo-se às 1,8 mil horas que ficaram destinadas à formação básica – disciplinas tradicionais como Português, Matemática e Biologia - no novo modelo. Outras 1,2 mil horas são para os itinerários formativos. “Nós precisamos reformar isso. Nós também temos que olhar o Enem e estimular a formação do ensino profissionalizante, focar nas vocações do mercado de trabalho”, acrescentou Camilo.

A consulta pública no MEC sobre o novo ensino médio foi prorrogada até 5 de julho a pedido de entidades como o conselho de secretários estaduais (Consed). Depois disso, o ministério deve elaborar uma proposta de mudança, que pode ser feita por projeto de lei ou medida provisória, segundo o ministro.

São Paulo

O governo de São Paulo anunciou este mês que pretende aumentar a oferta de vagas no ensino técnico que será oferecido dentro das escolas estaduais. Segundo a Secretaria de Educação, serão criadas 65 mil novas vagas após pequisa que identificou o interesse dos alunos. A medida, no entanto, é vista como desnecessária pelo Conselho Estadual de Educação, que entende que o investimento em ensino técnico deveria ser feito por meio do fortalecimento do Centro Paula Souza, que também é do Estado. Especialistas ainda temem que os cursos tenham qualidade “precária e barateada”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.