PUBLICIDADE

Sete maneiras de deixar sua casa à prova de crianças e animais de estimação sem sacrificar o estilo

Os avanços da tecnologia criaram materiais e tratamentos que resistem a manchas, têm maior durabilidade e, em alguns casos, podem até impedir o surgimento de odores; confira

Por Michelle Brunner

Por um segundo inteiro na época em que meu filho nasceu, meu marido e eu realmente cogitamos comprar um sofá branco imaculado de meados do século. Aí caiu a ficha e compramos algo escuro o suficiente para esconder os pecados da nossa família, incluindo nossa cachorra, Pimenta, que contribuiu tanto para a decoração que seu nome virou verbo na nossa casa: “Nossa, ela deu uma bela apimentada no tapete”.

PUBLICIDADE

A vida com crianças e animais de estimação às vezes é complicada, mas hoje em dia você não precisa ter medo de sofá branco. Os avanços da tecnologia criaram materiais e tratamentos que resistem a manchas, têm maior durabilidade e, em alguns casos, podem até impedir o surgimento de odores. O melhor de tudo é que esses tecidos, tapetes e revestimentos de parede não sacrificam o estilo a serviço da praticidade. Conversamos com designers e especialistas em tecidos para ouvir dicas sobre como proteger sua decoração de crianças e animais de estimação. Aqui vão as melhores dicas.


1. Escolha tecidos de alto desempenho

Procure rótulos que digam Crypton, Perennials, Sunbrella e InsideOut - marcas nas quais os designers confiam para resistir a derramamentos de vinho ou acidentes com ketchup. A Crypton, em particular, é a favorita, porque repele derramamentos e manchas, resiste a odores e todos os seus tecidos são livres de produtos químicos fluorados que se acumulam em nossos corpos e permanecem no ambiente. (Todas as outras marcas têm opções sem esses produtos.) Além disso, a textura macia da Crypton é ideal para sofás e espreguiçadeiras. “A Crypton avançou muito em termos de maleabilidade, o tecido é realmente macio ao toque”, diz a designer de interiores Annie Elliott.

Para os espaços que sofrem mais - qualquer lugar onde sua família coma alguma coisa - opte por materiais laváveis: “Nem penso em colocar tecido em algumas superfícies quando há crianças pequenas na casa”, diz Kelly Finley, CEO e diretora criativa da Joy Street Design em Oakland, Califórnia. “Para banquetas, bancos de bar ou cadeiras de cozinha, quase sempre encorajo os clientes a comprar couro ou vinil - qualquer coisa que possa ser limpa”.

Nem todos os couros têm a mesma durabilidade. Os couros de anilina vão mostrar todas as marcas de garras do seu gato, então opte por um couro mais texturizado que resista melhor a arranhões. Elliott sugere pedir uma amostra de couro e passar a unha por ela para avaliar sua resistência.


2. Trate seu estofado

Quando um linho estampado e charmoso é delicado demais para ser usado em móveis, você pode fazer algumas coisas para aumentar sua durabilidade. As designers Kerri Goldfarb e Mia Brous, que se especializam em criar espaços para crianças sob o nome de Madre Dallas, enviam regularmente metros de tecido para a empresa SBI Finishing, com sede no Texas, para serem tratados antes de virarem estofados. Esses tratamentos variam desde a impermeabilização até o reforço da malha, que é o processo de costurar um tecido de malha leve no material para reforçá-lo. “O forro de malha realmente ajuda na durabilidade quando as crianças ficam pulando no sofá”, diz Goldfarb.

Publicidade


Mesmo tecidos delicados podem se tornar mais duráveis por meio de processos que incluem impermeabilização e vinilização, o que torna o tecido fácil de limpar. Foto: Reprodução/ Instagram @madredallas

De acordo com Daniel Banks, diretor de pesquisa e desenvolvimento da SBI, a combinação de adicionar proteção contra manchas e reforço de malha pode dobrar a vida útil do tecido. “Vimos o número de fricções duplas passar de 50 ou 60 mil para quase 100 mil”, diz ele. O que é uma fricção dupla?, você deve estar se perguntando. Banks explica: “Toda vez que você se senta numa cadeira, suas calças esfregam o tecido duas vezes: uma vez quando você se senta e outra quando se levanta”. Isso é uma fricção dupla, parâmetro pelo qual se mede a durabilidade de um tecido.

Outro tratamento em que os designers confiam é a vinilização: a aplicação de um filme de vinil quase imperceptível na superfície do tecido, o que o torna lavável e resistente à água. “Vinilizamos muito as capas dos assentos, assim podemos usar tecidos fabulosos de designers sofisticados e não sacrificar o estilo”, diz Goldfarb.

Algumas empresas fazem visitas domiciliares para limpar ou tratar seus móveis. A Madre Dallas usa a Fiber-Seal, uma empresa que oferece limpeza de estofados e tratamentos ecológicos de proteção contra manchas na sua casa. Existem sprays de proteção de tecido no mercado que afirmam fazer o mesmo, como o RepelWell e o Vectra, basta seguir as instruções cuidadosamente.


3. Pense bem na cor e na estampa

A menos que os tecidos sejam resistentes ou tratados para evitar manchas, tome cuidado ao usar cores claras nos móveis e revestimentos quando houver crianças e animais de estimação em casa. “Obviamente, um tecido ou carpete mais escuro com alguma variabilidade de cores é muito mais tolerante do que qualquer coisa de cor clara”, diz Brous.

Estampas cheias de detalhes também ajudam. Desenhos intrincados podem camuflar uma infinidade de defeitos. “Um tapete Oushak ou persa é uma ótima maneira de esconder derramamentos e tráfego diário”, diz Goldfarb.


4. Proteja os móveis com uma manta

Os cães adoram o sofá, onde eles dormem o dia todo. Jogar uma manta ou cobertor macio sobre o lugar predileto deles pode minimizar o desgaste. Brous recomenda usar uma colcha de kantha indiana como uma medida de proteção estilosa, e Elliott gosta de mantas de mohair: “não junta pelos de uma maneira que fique visível”, ela diz.

Sala de jogos McFarlin. Foto: Reprodução/ Instagram @madredallas

5. Prefira tapetes de lã ou polipropileno

“Qualquer tipo de piso fica sujo com cachorro em casa, então, se você escolher um tapete 100% lã, vai ficar mais fácil de limpar”, diz Finley. A lã é o padrão-ouro entre os designers com quem falamos: ela resiste naturalmente às manchas e mantém a forma, graças às suas fibras em forma de bobina, que resistem ao tráfego pesado.

Publicidade

Tapetes de área interna/externa feitos de polipropileno também receberam aprovação de nossos designers por sua durabilidade - Brous gosta de Dash & Albert, da marca Annie Selke. Para casas com felinos, Finley recomenda tecidos planos, como kilims, uma vez que não há laços grandes onde as garras podem ficar presas. Ela também é fã de carpetes da Flor para ambientes infantis. “Se uma peça ficar manchada, você pode removê-la e lavá-la ou substituí-la, se necessário”, diz ela.

Em corredores e lavabos movimentados, Elliott gosta da marca lavável Ruggable em tamanhos menores, mas com uma ressalva: “Os desenhos são impressos digitalmente, então você precisa vê-los para ter certeza de que gosta da aparência deles”.


6. Opte por paredes laváveis


As tonalidades mais brilhantes repelem melhor a sujeira, então, os acabamentos preferíveis são os acetinados ou semibrilhantes. “As pessoas tocam muito mais os acabamentos do que as paredes de verdade, e esses acabamentos precisam ser mais resistentes”, diz Elliott.

Ao comprar papel de parede, procure por vinil resistente ou rolos rotulados como “laváveis” ou “esfregáveis”. Se você está de olho em um papel mais delicado, existe uma maneira de mitigar possíveis danos: instale-o acima de um lambril onde as mãos que usam giz de cera não conseguirão alcançá-lo. Uma abordagem semelhante também funciona no banheiro. “Geralmente, tem muita água e fica bagunçado, então instalamos azulejos na metade da parede e colocamos papel de parede acima deles”, diz Goldfarb.


7. Aceite que manchas e respingos acontecem

Com crianças e animais de estimação em casa, encontrar ervilhas, massinha de modelar e pelos da Pomerânia nas fendas é só mais uma manhã de terça-feira. “Parte da diversão de ter uma casa é morar nela: desastres acontecem, mas dá para consertar”, diz Finley.

E Goldfarb acrescenta: “Relaxe e não tenha medo de usar seus móveis. Os tecidos foram feitos para serem apreciados”.

Publicidade


---

Michelle Brunner é escritora em Washington e cobre design de interiores e cultura.

/ TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.