PUBLICIDADE

Publicidade

Carl Lewis dá apoio à candidatura olímpica de Tóquio

PUBLICIDADE

Por AE-AP
Atualização:

O astro Carl Lewis ofereceu nesta segunda-feira seu apoio para a candidatura de Tóquio aos Jogos Olímpicos de 2020 após visitar a cidade onde viveu o que chamou de "corrida da minha vida". O dono de nove medalhas de ouro olímpicas está no Japão para clínicas com jovens do nordeste do país, que foi atingido por um terremoto e tsunami em março de 2011. Lewis visitou Sendai e Ishinomaki com Willie Banks, ex-recordista mundial do salto triplo, e Mike Powell, que estabeleceu o recorde mundial de salto em distância no Mundial de Tóquio, em 1991. Tóquio, que sediou a Olimpíada de 1964, disputa com Madri e Istambul o direito de organizar os Jogos de 2020. Tóquio também tentou receber a Olimpíada de 2016, mas acabou sendo derrotada pelo Rio. "Eu desejo-lhes a melhor sorte, porque acho que eles vão fazer excelente Jogos", disse Lewis. "Eu estarei nos Jogos de 2020, onde quer que seja, e espero que seja aqui". Lewis disse que a reputação de inovação do Japão deve ajudar a candidatura. "Eu sou totalmente a favor do progresso", disse. "Eu acredito que a alta tecnologia de vanguarda para os estádios os torna mais confortáveis para as pessoas e melhora a atuação dos atletas. O Japão tem uma tradição enorme em alta tecnologia e acredito que fará o estádio com mais alta tecnologia do que qualquer outro estádio que já se fez. Eu acho que vai ser um ótimo lugar para estar". Em 1991, Lewis quebrou o recorde dos 100 metros ao vencer a prova no Mundial de Atletismo realizado em Tóquio. E ao lembrar aquela prova, ele a classificou como "a melhor corrida da minha vida". "Os fãs realmente conhecem o esporte e compreendem os acontecimentos", disse. Tsunekazu Takeda, chefe da candidatura olímpica de Tóquio, comemorou o apoio de Lewis. "O forte endosso ecoa o sentimento generalizado internacional sobre a nossa candidatura e nosso objetivo de realizar uma celebração dinâmica no coração da capital do Japão", comentou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.