Foto do(a) blog

Provas de rua de A a Z

Qual o impacto da pressão no cérebro dos atletas

Adidas encomendou uma pesquisa com a Neuro 11 e lança uma campanha sobre o tema

PUBLICIDADE

Foto do author Silvia Herrera
Por Silvia Herrera
Atualização:

Desde a Olimpíada de Tóquio, quando Simone Biles desistiu de competir, o tema pressão no esporte veio a tona. Naomi Osaka (tênis) também jogou a toalha e Sha'Carri Richardson, atleta dos EUA, foi "desconvocada" por admitir usar maconha para encarar a ansiedade. A lista é longa. E adidas resolveu abordar isso exatamente na primeira campanha de mais um ano olímpico. Contatou a Neuro 11, que pesquisou atletas da marca entre 23 de novembro de 2023 e 24 de janeiro de 24. Estudo realizado com Emiliano Martínez (futebol), Ludvig Åberg (golfe), Nneka Ogwumike (basquete), Rose Zhang (golfe) e Stina Blackstenius (futebol), mais cinco  atletas de base. E para os vídeos da campanha, entre as estrelas do esporte mundial está nosso Alison do Santos, o Piu, campeão absoluto dos 400m com barreiras - Bronze em Tóquio, campeão mundial e pan-americano.

foto: adidas  

PUBLICIDADE

No estudo, foi analisado  até que ponto a pressão é sentida em todos os níveis esportivos. A principal constatação desse estudo foi que os atletas de base e os de elite experimentam níveis igualmente intensos de pressão em momentos decisivos - mas os atletas de elite foram até 40% mais eficazes no controle da pressão durante esses momentos.

"Embora a pressão pareça e seja sentida de forma diferente em cada um, há um ponto de equilíbrio científico no cérebro que todos podem alcançar - a zona ideal, referida como 'being in the zone'. É aqui que o cérebro se encontra fisicamente relaxado, mas mentalmente focado, resultando em uma performance e um movimento otimizados. Quando trabalhamos com atletas, estudamos suas frequências cerebrais para estabelecer o intervalo e a intensidade com que elas entram nessa zona ideal durante os momentos de pressão, bem como o que contribui para que caiam em zonas 'muito baixas' ou 'muito altas' em termos de desempenho, tudo com a intenção de ensinar rotinas que podem ser implementadas. Com base nisso e apoiando a missão da adidas de ajudar os atletas a realizar seu potencial no dia a dia, criamos orientações práticas que ajudam a melhorar o desempenho quando ele é mais importante", afirma Dr. Niklas Häusler, cofundador da neuro11.

A campanha é composta por diversas histórias de atletas, insights de especialistas e materiais de orientação projetados para auxiliar esportistas de qualquer nível a se libertar das tensões na prática. Além disso, conta com uma pesquisa exclusiva sobre o impacto que a pressão pode ter no desempenho esportivo no futebol, golfe e basquete.

foto: adidas  

Grandes estrelas como Lionel Messi (futebol), Jude Bellingham (futebol), Linda Caicedo (futebol), Pat Mahomes (futebol americano) e Anthony Edwards (basquete) fazem parte da nova campanha, que contará com um filme de 90 segundos, destacando os atletas do dia a dia que experimentam o peso dessa "expectativa". Rebeca Andrade (ginástica), Marcelo (futebol), Vitória Mendonça (skate) e Alison dos Santos (foto acima), entre outros, são as estrelas brasileiras da campanha intitulada "Vai Que É Sua", que foi lançada nessa quinta-feira, 22 de fevereiro. Confira  aqui.

Publicidade

Para se aprofundar em momentos de muita pressão no esporte, atletas profissionais e de base foram estudados durante cobranças de pênaltis, tacadas e lances livres decisivos. Medindo a forma como seus cérebros reagiram e calculando a eficiência de cada atleta para atingir a zona ideal, as descobertas demonstram até que ponto os atletas de elite estão mais preparados para enfrentar a pressão e mostram quais passos os atletas de base podem dar para ajudar a melhorar a pressão para desativá-la.

Durante os testes de pênaltis, o goleiro argentino Emiliano Martínez (foto abaixo) estava 90% a mais na zona ideal durante momentos de alta pressão. Martínez demonstrou uma capacidade mental alta para mudar seu foco de qualquer distração em torno e se concentrar apenas no cobrador.

foto: adidas  

"As cobranças de pênaltis são um dos momentos mais tensos do jogo, mas, para mim, vejo uma oportunidade de canalizar essa energia a meu favor. Quando estou na linha do gol, tento manter a mente clara e manter o foco. Permito que minha intuição desempenhe um papel, prestando muita atenção ao que o cobrador está fazendo - sua corrida, sua forma corporal - e uso isso para formar minha decisão sobre qual será meu próximo movimento", comenta Emiliano Martínez, goleiro da seleção argentina.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.