PUBLICIDADE

Publicidade

Filipinho vence Ewing, é bicampeão e dá ao Brasil o 7º título Mundial de Surfe; veja os campeões

Brasileiro confirma favoritismo, supera australiano e mantém excelente momento do País na modalidade

PUBLICIDADE

Foto do author Bruno Accorsi
Por Bruno Accorsi
Atualização:

Filipe Toledo chegou ao WSL Finals, a decisão pelo título do Circuito Mundial de Surfe de 2023, como favorito, não só por estar vestindo a lycra amarela reservada ao primeiro colocado do ranking, mas por ser o atual campeão. Sem demonstrar nervosismo frente à responsabilidade, o paulista de Ubatuba confirmou o bicampeonato na praia de Trestles, em San Clemente, na Califórnia, EUA, ao bater o australiano Ethan Ewing, que surpreendeu por partir da segunda rodada, na qual eliminou o brasileiro João Chianca, e chegar à final um mês depois de quebrar duas vértebras.

PUBLICIDADE

A conquista de Filipinho ampliou para sete o número de Mundiais conquistados pela “Brazilian Storm”, como é conhecida a vitoriosa geração do surfe brasileiro. Além dos dois troféus do ubatubense, o Brasil tem Adriano de Souza “Mineirinho” e Italo Ferreira na lista de vencedores do circuito ao lado do tricampeão Gabriel Medina. Toledo, assim como Chianca, está garantido nos Jogos de Paris-2024, conforme já estava definido pela participação no Finals.

O título deste sábado foi disputado em meio a certa polêmica a respeito dos critérios para formação de notas. A WSL, associação que organiza o campeonato, informou que o Finals valorizaria o surfe progressivo, que envolve manobras como aéreos de alto grau de dificuldade, uma das especialidades de Filipinho. Em entrevista à revista “Stab”, na terça, o lendário Kelly Slater criticou a supervalorização dos aéreos e defendeu o “surfe de borda”.

Filipe Toledo é bicampeão mundial de surfe ao vencer Ethan Ewing no WSL Finals Foto: Jerome Brouillet / AFP

O pai de Filipinho, Ricardo Toledo, rebateu e disse à SporTV que Slater só pensa em ser “o centro das atenções”. Discussões sobre critérios tomaram toda a temporada e vieram também de brasileiros, como Medina e Italo Ferreira, que não foram ao Finals. Em maio deste ano, em contestação com teor diferente à de Slater, pediram mais clareza na definição das notas.

Debates à parte, o certo é que Toledo foi versátil e mostrou belos aéreos e ótimas rasgadas contra Ewing para conseguir o bicampeonato, com vitória nas duas baterias da final em melhor de três - 17,97 a 17,23 e 14,27 a 12,37. Antes disso, seu adversário da Austrália trilhou uma jornada incrível, mostrando um surfe de primeiro nível mesmo voltando de lesão, para ter o direito de brigar pelo título.

Veja a lista de todos os campeões do Brasil

2022 - Filipe Toledo

2020 - Gabriel Medina

Publicidade

2019 - Italo Ferreira

2018 - Gabriel Medina

2015 - Adriano de Souza

2013 - Gabriel Medina

BOM INÍCIO DE CHUMBINHO

No Finals, o surfista líder do ranking, caso de Filipinho, esperava duelos entre os outros integrantes do top 5 para saber quem seria seu adversário na decisão do título. Após um primeiro embate entre o quarto e o quinto colocados, o sobrevivente avançaria para encarar o terceiro. Então, o novo vencedor fez um confronto com o vice-líder do ranking para decidir o adversário do primeiro colocado na briga pelo título mundial.

João Chianca foi eliminado na segunda rodada do WSL Finals  Foto: Jerome Brouillet / AFP

Seguindo tal formato, a disputa em Trestles começou com João Chianca, o Chumbinho, que entrou como quarto da classificação, enfrentando o australiano Jack Robinson, quinto. O início foi uma evolução de notas baixas para razoáveis. Robinson somou apenas 1,40 nas primeiras ondas e viu Chumbinho anotar 5,00. O australiano respondeu com 6,00, mas o brasileiro voltou à frente com uma onda de 5,93. Robinson retomou a dianteira ao anotar 5,60, mas viu Chianca somar 8,33, maior nota da bateria, a um 7,00 para fechar vitória em 15,33 a 11,87, avançando de fase.

EWING SURPREENDE APÓS LESÃO E ELIMINA CHUMBINHO

O desafio seguinte de Chumbinho foi diante de outro australiano, o terceiro colocado do ranking Ethan Ewing, que fraturou duas vértebras enquanto treinava para a etapa de Teahupo’o, um mês atrás, e chegou a ser dúvida para o Finals. Era incerto, portanto, se Ewing seria capaz de mostrar o seu melhor surfe.

Publicidade

Logo em seus primeiros minutos na água, o australiano mostrou que estava em ótimas condições e lançou um 7,83 na primeira onda contra 6,67 do brasileiro. Continuou crescendo com notas 8,60 e 9,00 para superar Chianca, que teve um 7,90 como maior nota. A pontuação final foi de 17,60 e 14,57. Assim, Chumbinho caiu fora da disputa pelo título, enquanto Ewing avançou para enfrentar o americano Griffin Colapinto, vice-líder do ranking e surfista local.

SURFISTA LOCAL FRUSTRA SEU PÚBLICO

A maioria dos espectadores presentes em Trestles torcia efusivamente pelo representante da casa, principal candidato a tirar o tiítulo de Filipinho. Muito vestiam camisetas com o rosto de Colapinto e um barco exibia uma mensagem de apoio a ele. “Griff campeão do mundo”, dizia a faixa. Ethan Ewing, completamente alheio à preferência da torcida, não se intimidou frente ao favoritismo do adversário e protagonizou mais um ótima bateria para chegar à final.

Ewing fez 8,17 em sua primeira onda e chegou a ficar atrás de Colapinto, que conseguiu pegar ondas seguidas de 5,67 e 6,50. Pouco depois, o australiano respondeu com 8,13 e, a partir daí, não esteve mais em desvantagem. Quando restavam cinco minutos, substituiu o 8,13 por um 8,93, deixando para Colapinto a missão de fazer 8,88 nos instantes final. O surfista local não conseguiu, foi derrotado por 17,10 a 15,96 e viu a faixa de “campeão do mundo” ser retirada da embarcação.

FILIPINHO X EWING

Com a eliminação do americano, parte do público voltou sua torcida para Filipe Toledo na grande decisão, disputada em melhor de três. Um torcedor, inclusive, riscou o nome de Colapinto de uma faixa e escreveu o do brasileiro, que é bastante habituado a surfar em Trestles, pois mora há anos em San Clemente. Vestindo a lycra amarela do número 1 do mundo, Filipinho abriu a primeira bateria iniciando uma onda com linda rasgada e finalizando com um aéreo, combinação que rendeu nota 7,00.

Ewing teve uma apresentação mais conservadora, porém substancial, em sua primeira onda e tirou um 7,33 dos juízes, nota que arrancou vaias da torcida, antes de somá-la a um 8,50. Filipinho acertou um aéreo mais vertical na onda seguinte e subiu a régua, com um 9,00. Depois dessa, a melhor nota do brasileiro foi um 8,67, que garantiu a ele o triunfo pela diferença apertada de 17,97 a 17,23 do adversário, dono de um 8,73 como avaliação mais alta.

LOWER TESTLES, CALIFÓRNIA, ESTADOS UNIDOS - 9 DE SETEMBRO: O campeão da WSL Filipe Toledo do Brasil surfa na partida 1 do título das finais no Rip Curl WSL Finals em 9 de setembro de 2023 em Lower Trestles, Califórnia, Estados Unidos. (Foto de Pat Nolan/World Surf League) Foto: Pat Nolan/World Surf League

Na segunda bateria, o marasmo tomou conta da praia de Trestles. Faltavam 16 minutos de 35 iniciais quando Toledo conseguiu pegar a primeira onda e caiu, somando apenas 0,37. Resolveu encarar mais uma onda sem tanto potencial e a utilizou com inteligência, lançando mais uma finalização com aéreo, avaliado com nota 5,17. Assim, tinha 5,45 na somatória.

Filipinho encarou mais uma, dessa vez para esquerda e com mais altura, mas caiu ao tentar novo aéreo. Serviu, ao menos, para substituir o 0,37 por 1,77, subindo a nota geral para 6,94. Faltando menos de dez minutos, veio uma onda de melhores condições e o brasileiro se lançou de novo para fazer 7,50, elevando a total para 12,67. Só depois disso que Ewing pegou sua primeira onda e somou 4,70. Então, os dois pegaram ondas seguidas: 7,67 para o australiano e 6,77 para o brasileiro, que cravou 14,27 a 12,37 na soma para ser bicampeão do mundo.

Publicidade

FINAL FEMININA

Na disputa feminina, a pentacampeã e então líder do ranking Carissa Moore, do Havaí, foi desbancada na final pela americana Caroline Marks, que entrou no Finals como terceira colocada e avançou desde a segunda bateria. Na primeira bateria da melhor de três da grande decisão, venceu por 17,10 a 14,97. Na segunda, de poucas ondas, fez 14,60 a 13,53 para colocar o nome no panteão das melhores surfistas do mundo.

Caroline Marks é a nova campeã mundial de Surfe  Foto: Jerome Brouillet / AFP

Marks acabou com uma dinastia de 15 anos, nos quais o Circuito de Surfe só teve três campeãs. Neste período, a vice desta sexta, Carissa Moore, ganhou cinco Mundiais, enquanto a australiana Stephanie Gilmore foi campeã oito vezes. Taylor Wright, também da Austrália, era a única que havia se colocado entre as duas, com o bicampeonato conquistado em 2016 e 2017.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.