PUBLICIDADE

Publicidade

Sollys Nestlé, vice da Superliga, será obrigado a liberar campeã olímpica

Fê Garay, Jaqueline, Sheilla e Thaísa valem sete pontos e uma terá de deixar o time de Osasco

Por AE
Atualização:

RIO - Vice-campeão da Superliga, o Sollys/Osasco é o maior prejudicado pela atualização do ranking de pontos, divulgada nesta terça-feira pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). Isso porque Fernanda Garay passou a ser considerada no patamar máximo, de sete pontos, assim como Jaqueline, Sheilla e Thaísa, suas companheiras de equipe. E cada clube pode ter somente três atletas deste nível. Uma terá que ser liberada para a próxima temporada.O ranking serve para tentar dar algum equilíbrio à Superliga, que viu, domingo, a sua nona final seguida entre Rio (Unilever) e Osasco (Sollys). O time carioca, campeão da Superliga 2012/2013, tem duas atletas de sete pontos: Natália e Sarah Pavan. Isso dá brecha para a equipe tirar uma das campeãs olímpicas do rival.Também receberam pontuação máxima Fabiana e Tandara, do Sesi, e a cubana Herrera, do Praia Clube. Adenizia, Fabíola (Sollys), Dani Lins (Sesi), Juciely, Logam Tom (Unilever) e Walewska (Vôlei Amil) estão entre as que receberam seis pontos.Se quiserem repatriar Mari e Paula Pequena da Turquia, os clubes já sabem que terão que somar cinco pontos ao seu plantel, que pode ter no máximo 32. Ambas saíram do Brasil porque valiam pontuação máxima e ficaram sem espaço nos clubes maiores - e mais ricos. A garota Gabi, 18 anos, revelação do Unilever, foi quem mais evolui: de um para quatro pontos.Por outro lado, Waleskinha e Fofão foram bonificadas por causa da idade e, para continuarem jogando, agora valem apenas três e um ponto, respectivamente. No total, 119 atletas estão na lista.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.