PUBLICIDADE

Donald Trump não sugeriu que os EUA adotem sistema eletrônico de votação

Vídeo divulgado recentemente pelo ex-presidente americano contém críticas à votação por correio, mas não ao voto em papel

Por Bernardo Costa

O que estão compartilhando: que o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump divulgou vídeo em que afirma que o voto em cédulas de papel é uma fraude e sugere que o país adote um sistema eletrônico de votação. A postagem compartilha vídeo de pronunciamento recente de Trump.

O Estadão Verifica apurou e concluiu que: é enganoso. No vídeo compartilhado na postagem, Trump critica exclusivamente o sistema de votação por correio, modalidade permitida nos EUA que, segundo ele afirma ao repercutir uma pesquisa recente, é uma fraude. Não há, no vídeo, críticas de Trump ao sistema de votação em cédulas de papel, tampouco sugestão para que os EUA adotem o sistema eletrônico de votação, o que já acontece em alguns estados.

Reprodução da postagem com a alegação enganosa no X Foto: Reprodução/X

PUBLICIDADE

Saiba mais: O vídeo que está sendo compartilhado nas redes sociais com a alegação distorcida foi postado originalmente por Donald Trump, no dia 21 de dezembro, na plataforma Truth Social. Nele, Trump repercute dados de uma pesquisa que alega que um em cada cinco eleitores que votaram por correio nas eleições presidenciais de 2020 admitiram ter participado de pelo menos uma fraude, como votar no lugar de um familiar ou amigo ou registrar voto em um estado no qual não reside mais de forma permanente.

Ao repercutir a pesquisa, Trump afirma que o sistema de votação por correio é uma fraude, mas não a votação em cédulas de papel de uma forma geral, e conclama os republicanos, membros de seu partido, a fazerem alguma coisa. Ele não sugere que os EUA adotem o sistema eletrônico de votação, como afirma a postagem enganosa que viralizou no Brasil, com mais de 1 milhão de visualizações no X (antigo Twitter).

O enunciado da postagem enganosa que acompanha o vídeo de Trump diz: “URGENTE: O ex-presidente Donald Trump acaba de divulgar um vídeo dizendo que o voto em cédulas (no papel, assim como Jair Bolsonaro defendia) é uma fraude e clamou por um sistema mais atualizado. Ele sugere um sistema de votação eletrônico. Não é piada!”

No vídeo, porém, a tradução do que Trump diz é o seguinte (transcrição feita por meio da Leia, a ferramenta de IA do Estadão, no modo para colabores do veículo):

“Uma pesquisa divulgada nos últimos 20 anos revelou que 20% dos votos por correspondência na eleição presidencial de 2020 foram fraudados ou defeituosos. Foi a pesquisa da Rasmussen, altamente respeitada. Isso significa que a eleição foi uma enorme fraude. Não se pode ter uma eleição justa e honesta enquanto houver votos por correspondência envolvidos. A trapaça sempre será predominante. A França e muitos outros países interromperam essa loucura. Eles se livraram de seus votos por correspondência. O Partido Republicano deve fazer algo agora. Eles têm que trabalhar, têm que permanecer unidos e têm que lutar, porque os Democratas trapaceiam. Eles trapaceiam como ninguém jamais trapaceou antes. É uma vergonha”.

Publicidade

Eleitores votam no Mott Community College, em Michigan, nos EUA, nas eleições presidenciais norte-americanas de 2020. Foto: Seth Herald / AFP Foto:

Portanto, diferentemente do que afirma a postagem enganosa, percebe-se que Trump não sugeriu que os EUA adotem um sistema eletrônico de votação. No país, a votação é feita majoritariamente por marcações em cédulas de papel, mas há estados que permitem a votação por meio de sistema eletrônico. Como mostra a organização Verified Voting, 68,1% dos eleitores norte-americanos votaram em cédulas de papel e 11,5% utilizaram sistema eletrônico para registrar o voto nas eleições presidenciais de 2020.

O que podemos aprender com esta checagem: Conteúdos que compartilham vídeos ou áudios em idioma estrangeiro podem vir acompanhados de traduções distorcidas. Além da ferramenta utilizada nesta checagem, que é exclusiva para colaboradores do Estadão, há outras que permitem a transcrição do material original. No próprio X, onde a falsa alegação desta checagem viralizou, há robôs que realizam a tradução automática, como @ezdubs_bot e @TranslateMom. Basta marcá-los em uma resposta ao tuíte e sinalizar o idioma para a tradução. Há outras opções, como o @Transcriber_Bot, do Telegram, para áudios, e a ferramenta Happy Scribe. Os vídeos que se quer traduzir podem ser baixados das redes sociais por meio do site Save From Net, que também permite a separação do áudio do vídeo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.