Tuíte distorce reportagem ao sugerir intervenção americana no resultado das eleições brasileiras

Matéria do ‘Financial Times’ diz que o governo de Joe Biden atuou para evitar uma possível contestação do resultado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, e não para favorecer um dos candidatos

PUBLICIDADE

Por Projeto Comprova
Atualização:

Esta checagem foi produzida pela coalizão do Comprova. Leia mais aqui.

PUBLICIDADE

Conteúdo investigado: Post no Twitter diz que o jornal “Financial Times afirma categoricamente que o governo americano interferiu nas eleições brasileiras para ajudar Lula”.

Onde foi publicado: Twitter.

Conclusão do Comprova: Post engana ao afirmar que o jornal britânico Financial Times tenha publicado que o governo norte-americano “interferiu nas eleições brasileiras para ajudar Lula”. Diferentemente do que afirma postagem no Twitter, reportagem publicada pelo veículo em 21 de junho deste ano diz que houve uma campanha do governo do presidente Joe Biden para preservar o sistema eleitoral brasileiro e o resultado das eleições de uma possível tentativa de golpe.

É possível acessar a tradução do conteúdo do Financial Times na Folha de São Paulo. No texto, é informado que houve uma “discreta campanha de pressão” feita pelo governo dos Estados Unidos ao longo de um ano para incentivar líderes políticos e militares a respeitar o resultado das urnas. Embora a publicação afirme que essa movimentação não foi amplamente divulgada, ela também ressalta que as ações não tiveram a intenção de beneficiar especificamente nenhum dos candidatos à presidência.

Reportagem não apontou interferência do governo americano nas eleições brasileiras. Foto: Reprodução

“O objetivo foi reforçar duas mensagens consistentes para os generais brasileiros inquietos e os aliados próximos de Bolsonaro: Washington tinha posição neutra quanto ao resultado da eleição, mas não toleraria qualquer tentativa de questionamento do processo de votação ou do resultado”, aponta o texto.

Diferentemente do que afirma o tuíte analisado, a reportagem não trata de uma ação para promover a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas sim uma resposta a um receio da administração Biden de que pudesse haver no Brasil um evento como o que ocorreu no Capitólio, nos Estados Unidos, em 6 de janeiro de 2021.

Publicidade

“Foi quase um ano inteiro de estratégia colocada em prática com um objetivo muito específico em vista – não de apoiar um candidato brasileiro ou outro, mas focada fortemente no processo eleitoral, em assegurar que o processo funcionasse”, disse ao jornal o ex-alto funcionário do Departamento de Estado e ex-embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Michael McKinley.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Alcance da publicação: O Comprova investiga os conteúdos suspeitos com maior alcance nas redes sociais. Até 27 de junho de 2023, o tuíte analisado tinha sido visto 305 mil vezes, recebeu 13,9 mil curtidas e 3,3 mil compartilhamentos.

Como verificamos: Ao buscar no Google os termos “Financial Times”, “Lula” e “Brazil” encontramos a reportagem original publicada pelo periódico britânico. Também encontramos a tradução do conteúdo, feita pela Folha e pelo Valor Econômico.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

O que diz o responsável pela publicação: Procurada pela reportagem, a autora do tuíte verificado respondeu, após expor em suas redes a conversa com a repórter que a contatou: “Esclareço que sou jornalista, advogada e cidadã brasileira consciente dos meus direitos e deveres previstos na Constituição Federal” e que “cada cidadão consciente deve arcar com seus direitos e deveres, inclusive a senhora e seu grupo”.

O perfil @flferronato já teve publicações verificadas pelo Comprova anteriormente, como um post que enganava ao sugerir que o Instituto Butantan não havia informado a morte de voluntário de vacina contra a covid-19.

O que podemos aprender com esta verificação: Conteúdos tentando desacreditar as eleições de 2022 – como o verificado aqui, que fala em interferência dos Estados Unidos no resultado brasileiro – vêm circulando desde o ano passado e já foi provado e amplamente divulgado que o pleito ocorreu dentro da lei. Então, ao se deparar com qualquer publicação do tipo, reflita se ela faz sentido e, na dúvida, busque a informação em veículos da imprensa profissional.

Publicidade

A autora do tuíte verificado aqui utiliza uma informação real, produzida pela imprensa profissional internacional, e a distorce para corroborar uma narrativa de que houve uma suposta interferência internacional no resultado das eleições brasileiras em 2022. A leitura do conteúdo original, ou a tradução dele, já é suficiente para descobrir que essa interpretação errada não se sustenta. Isso demonstra a importância de buscar a fonte original da informação citada.

Por que investigamos: O Comprova monitora conteúdos suspeitos publicados em redes sociais e aplicativos de mensagem sobre políticas públicas e eleições no âmbito federal e abre investigações para aquelas publicações que obtiveram maior alcance e engajamento. Você também pode sugerir verificações pelo WhatsApp +55 11 97045-4984.

Outras checagens sobre o tema: O Comprova já verificou diversas publicações que tentam questionar as eleições do ano passado. Checou, por exemplo, que vídeo de Boletins de Urnas que mostram Jair Bolsonaro com mais votos do que Lula não prova fraude e ser falso que totalização de votos a cada 12% indique fraude no 1º turno das eleições.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.