PUBLICIDADE

É falso que governo brasileiro tenha recusado doações para o Rio Grande do Sul vindas de Portugal

Itamaraty e grupo de voluntários confirmaram que há tratativas para o transporte de 250 toneladas de donativos para o Brasil; deputado português que divulgou alegação falsa foi procurado, mas não respondeu

Por Alessandra Monnerat e Clarissa Pacheco
Atualização:

Atualizado em 14 de maio com nota da Força Aérea Portuguesa, em 15 de maio com nota do grupo de voluntários sobre aprovação do envio das doações, e em 17 de maio com notícia de envio de 300 kg de doações para o Brasil pela Embaixada do País em Portugal

PUBLICIDADE

O que estão compartilhando: que o governo do Brasil recusou doações para o Rio Grande do Sul vindas de Portugal porque o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer esconder o que se passa no Estado.

O Estadão Verifica investigou e concluiu que: é falso. O governo brasileiro informou na sexta-feira, 10, que iniciou uma força-tarefa para transportar produtos doados na embaixada e no consulado em Portugal aos gaúchos. Segundo o Itamaraty, a embaixada está em contato com grupos da sociedade civil para viabilizar a logística em torno do envio de doações. O grupo de voluntários brasileiros que angariou as doações confirmou estar negociando com o governo brasileiro o transporte de donativos. A Força Aérea Portuguesa informou que foi contatada informalmente pela Aeronáutica brasileira para apoiar a coordenação do transporte. Nesta quinta-feira, 17, a Embaixada do Brasil em Portugal informou que enviou ao Brasil um primeiro lote com 300 kg de bens doados pela comunidade brasileira e por cidadãos portugueses em um avião da Latam.

O vídeo foi publicado na sexta-feira, 10, pelo deputado português André Ventura, líder do partido de extrema-direita Chega. Ele foi procurado pelo Estadão Verifica, mas não respondeu.

Deputado português André Ventura afirma, sem provas, que governo brasileiro rejeitou ajuda de Portugal. Foto: Reprodução/Instagram Foto: Reprodução/Instagram

Saiba mais: O governo brasileiro informou na sexta, 10, que o transporte será feito a partir da articulação entre os ministérios dos Portos e Aeroportos, da Casa Civil, da Defesa e das Relações Exteriores com as companhias aéreas e empresas de navegação. A prioridade é enviar medicamentos e equipamentos médicos por meio de aeronaves.

No dia 17 de maio, um primeiro lote com 300 kd de bens doados foi enviado ao Brasil em um voo da Latam, que partiu de Lisboa às 9h50. “Nesse primeiro lote, foi priorizado o envio de roupas de inverno – casacos, edredons e cobertores – em razão das baixas temperaturas registradas no sul do Brasil. A Embaixada, em parceria com as autoridades portuguesas, com a numerosa comunidade brasileira e com a sociedade civil local, segue apoiando os esforços do Governo Federal para o transporte da totalidade da ajuda humanitária arrecadada em território português ao Brasil, nos próximos dias, pelas vias aérea e marítima”, disse a Embaixada do Brasil em Portugal, em nota.

Ao Verifica, o Itamaraty negou que esteja recusando ajuda. “O governo brasileiro agradece, tem recebido e continuará a receber do exterior a ajuda oferecida ao Rio Grande do Sul por governos, por organismos internacionais, pela sociedade civil e por inciativas da comunidade brasileira no exterior”, diz nota.

Publicidade

No vídeo, sem citar de onde vêm as doações, Ventura afirma que existiam 150 toneladas de donativos, mas que alguns se perderam e que, naquele momento, havia 120 toneladas de suprimentos prontos para serem levados aos brasileiros. Na realidade, os donativos foram angariados por um grupo de brasileiros chamado SOS RS em Portugal. Eles afirmam não ter vinculação a qualquer partido político e divulgaram nesta segunda ter recolhido 250 toneladas de doações.

No Instagram, o grupo comunicou que negocia o envio dos donativos com o senador Jorge Kajuru (PSB-GO) – membro da Comissão Temporária Externa sobre o Rio Grande do Sul. Eles citam ainda Lula e o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro.

No vídeo falso, Ventura afirma ainda que a companhia aérea TAP havia se disponibilizado para levar o material para o Brasil. Não há confirmação disso. A companhia foi procurada, mas não respondeu até a publicação desta checagem.

Na última terça-feira, 14, o grupo de voluntários SOS RS em Portugal divulgou uma nota oficial afirmando que, após reunião com representantes de ministérios brasileiros, foi aprovado o envio para o Brasil de 300 toneladas de doações. Os itens emergenciais e de baixo peso viajarão por modal aéreo e os demais, por via marítima.

Apenas a publicação nas redes sociais do deputado português teve mais de 53 mil visualizações. O conteúdo também foi parar em outras redes sociais e leitores do Verifica pediram a checagem das informações através do WhatsApp, no número (11) 97683-7490.

PUBLICIDADE

200 toneladas de doações tinham sido entregues no dia 10

De acordo com o governo brasileiro, no dia 10 de maio, brasileiros que vivem em Portugal e portugueses já tinham entregue cerca de 200 toneladas de doações ao Rio Grande do Sul na embaixada e no consulado do Brasil no país europeu.

O despacho das doações é feito por meio de uma Declaração Simplificada, o que faz com que eles venham para o País sem tributos e impostos. Ainda de acordo com o governo, a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e o Ministério de Portos e Aeroportos (MPor) articulam com a Força Aérea Portuguesa um plano logístico para dar conta do transporte desses materiais.

Operação com avião da FAB seria contraproducente, afirma comandante

Sobre o recebimento de doações vindas de Portugal, o comandante da Força Aérea Brasileira (FAB), tenente-brigadeiro do ar Marcelo Damasceno, explicou que enviar um avião da FAB para buscar doações em Portugal seria contraproducente. A fala de Damasceno foi feita em resposta a pedidos de que a FAB usasse um de seus aviões para buscar 20 toneladas de doações em Portugal.

Publicidade

“Essa atividade, tirar um avião nosso daqui pra ir a Portugal buscar 20 toneladas, que é muito importante, qualquer cesta básica é importante, nos tomaria 35 horas. Com essas mesmas 35 horas, ao invés de buscar 20 toneladas em Lisboa, eu consigo colocar 167 toneladas em Porto Alegre mantendo nosso ciclo”, disse.

Ele afirmou, em entrevista coletiva no último sábado, 11, que manteve contato com o comandante da Força Aérea Portuguesa, que se prontificou a transportar as doações de Portugal para o Brasil. No mesmo dia, o ministro das Comunicações, Paulo Pimenta, disse que a ABC e o MPor estavam trabalhando com a Força Aérea Portuguesa, enquanto o consulado fazia a triagem de donativos para serem enviados ao Brasil.

Nesta terça-feira, 14, a Força Aérea Portuguesa informou que “foi contatada informalmente pela Força Aérea Brasileira no sentido de avaliar a disponibilidade para apoiar a coordenação de transporte de donativos recolhidos em Portugal, sendo que estamos a aguardar os contatos formais necessários, através dos canais ministeriais próprios, assim como a identificação do eventual material a transportar”.

Brasileiros começaram a levantar doações na semana passada

O grupo SOS RS em Portugal começou a reunir doações para as vítimas das enchentes no Sul do País na semana passada. Inicialmente, um dos perfis que organizava os donativos afirmou que tinha conseguido autorização do consulado para envio de um avião de Lisboa para o Brasil. No dia 8, a conta do grupo comunicou que a informação sobre o avião tinha sido divulgada no “no calor da emoção” e que o transporte ainda não tinha sido confirmado, mas que havia uma negociação em curso.

No dia 11 de maio, outra conta de brasileiros em Portugal publicou um vídeo que afirmava que as doações iriam viajar para o Brasil e que todo o material precisava passar pela embaixada para ser despachado em direção ao Rio Grande do Sul.

Nesta segunda, 13, o perfil SOS RS em Portugal publicou que está negociando com o governo o envio dos donativos. O Estadão Verifica tentou contato com quatro dos voluntários que divulgaram nas redes sociais que estavam organizando as doações, mas nenhum deles respondeu.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.