Lula não parou a guerra na Faixa de Gaza, ao contrário do que diz post

Declarações recentes do presidente não tiveram efeito para acabar com o conflito; intermediação internacional para uma trégua segue indefinida

PUBLICIDADE

Por Projeto Comprova
Atualização:

Feito em parceria com o Projeto Comprova. Clique aqui para saber mais.

PUBLICIDADE

Conteúdo investigado: Posts afirmam que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é o responsável por parar a guerra entre Israel e o Hamas na Faixa da Gaza. O fim da guerra teria sido anunciado pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para 4 de março; outras publicações afirmam que Lula poderá acabar com a guerra da Ucrânia a partir de uma intervenção junto à China.

Onde foi publicado: X (antigo Twitter).

Conclusão do Comprova: São enganosos os posts no X que afirmam que o presidente Lula (PT) parou a guerra na Faixa de Gaza. O argumento usado nas publicações é de que o Brasil foi o primeiro país a propor, no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), um cessar-fogo, e que, após o anúncio feito pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de que uma trégua poderia ocorrer em 4 de março, a conquista deveria ser atribuída ao petista.

No X, a expressão “Lula parou a guerra” ficou entre os assuntos mais comentados durante a semana passada. Além de publicações sobre a guerra na Faixa de Gaza, diversas postagens também levantaram a possibilidade de que Lula acabe com outro conflito, entre Ucrânia e Rússia. Isso porque o embaixador ucraniano no Brasil, Andrii Melnyk, disse em uma entrevista ao Poder 360 que pediu ao governo brasileiro uma intermediação junto à China, por acreditar que o país asiático tem capacidade de acabar com a guerra.

De fato, o Brasil pediu um cessar-fogo logo após o início do conflito em Gaza, em 18 de outubro de 2023, mas a proposta foi vetada pelos Estados Unidos na época – o país vetou mais duas propostas de lá para cá. Na semana passada, Joe Biden disse a jornalistas que esperava por um cessar-fogo até 4 de março, mas tanto Israel quanto o Hamas contestaram a declaração e afirmaram que ele se precipitou. Sobre a situação na Ucrânia, o Itamaraty disse não ter comentários a fazer.

Tentativa do Brasil de intermediar um cessar-fogo entre Israel e Hamas foi vetada pelos Estados Unidos. Foto: Arte/Estadão Verifica

Especialistas em Relações Internacionais ouvidos pelo Comprova afirmaram que Lula é um ator importante no cenário internacional e que suas declarações no sentido de chamar a atenção mundial para a situação de Gaza geram impacto. No entanto, um eventual cessar-fogo não seria mérito exclusivo do presidente brasileiro, nem os discursos dele, isoladamente, têm poder suficiente para contribuir para um cessar-fogo em qualquer que seja o conflito: o da Faixa de Gaza ou o da Rússia contra a Ucrânia.

Publicidade

Além disso, a guerra no Oriente Médio não parou. Em 29 de fevereiro, o Ministério da Saúde de Gaza, que é controlado pelo Hamas, divulgou que o número de palestinos mortos em decorrência de ataques israelenses em Gaza passou de 30 mil, enquanto as baixas do lado israelense são de 1,4 mil pessoas no dia 7 de outubro, além de 242 militares. Na mesma quinta, militares israelenses mataram mais de 100 palestinos durante entrega de ajuda humanitária, enquanto Israel disse que disparou tiros de advertência e que boa parte dos mortos foram pisoteados ou atropelados. A ONU condenou o ataque.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Alcance da publicação: O Comprova investiga os conteúdos suspeitos com maior alcance nas redes sociais. Até 4 de março, apenas duas publicações no X somavam 584,1 mil visualizações.

Como verificamos: O primeiro passo foi buscar notícias sobre negociações por um cessar-fogo no conflito entre Israel e o Hamas, na Faixa de Gaza, e buscar dados atualizados que apontassem se houve ou não paralisação na guerra. Além disso, foram procuradas publicações que indicassem se houve uma tentativa da Ucrânia em pedir que o Brasil interceda pelo fim da guerra contra a Rússia.

Em seguida, foi consultado o Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty) para saber qual a posição oficial do Brasil em relação ao primeiro conflito e sobre o pedido relacionado à guerra da Ucrânia.

Por fim, foram entrevistados dois especialistas: os professores Bruno Huberman e Rodrigo Amaral, ambos da Faculdade de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

A guerra parou?

Não. Desde o início do conflito entre Israel e o Hamas, pedidos de cessar-fogo vêm sendo votados em reuniões do Conselho de Segurança da ONU, mas nenhum deles foi aprovado até agora. O primeiro pedido foi feito pelo Brasil, ainda em outubro de 2023, e contou com 12 votos favoráveis dos 15 possíveis. Mesmo com a maioria, a proposta foi barrada pelos Estados Unidos, um dos cinco países com poder de veto – os demais são China, Rússia, França e Reino Unido, membros permanentes do Conselho.

Publicidade

A segunda proposta de cessar-fogo foi feita em dezembro, pelos Emirados Árabes Unidos, e mais uma vez foi vetada pelos Estados Unidos. Naquela ocasião, foram 13 votos favoráveis, mesmo número alcançado na votação do último dia 20 de fevereiro, quando ocorreu o terceiro veto dos norte-americanos, desta vez de uma proposta feita pela Argélia. O Brasil votou a favor do cessar-fogo nas três ocasiões.

A expectativa agora se concentra em uma proposta preliminar de cessar-fogo na guerra entre Israel e o Hamas, discutida em Paris com negociadores dos Estados Unidos, Catar e Egito, que prevê uma pausa de 40 dias nas operações militares, além da troca de reféns por prisioneiros palestinos. As informações foram divulgadas pela agência Reuters em 27 de fevereiro.

Na véspera, 26 de fevereiro, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse a jornalistas que espera por um cessar-fogo até 4 de março. A trégua ocorreria durante o Ramadã, mês sagrado para os muçulmanos.

Até o momento, nenhuma proposta de cessar-fogo teve apoio suficiente no Conselho de Segurança da ONU.  Foto: Fatima Shbair/AP Photo

Tanto Israel quanto o Hamas questionaram o otimismo de Biden. Ao jornal britânico The Guardian, autoridades israelenses que não quiseram se identificar disseram estar surpresas com o comentário e afirmaram que o Hamas segue pedindo “demandas excessivas” para estabelecer uma trégua. Já o chefe da divisão política do Hamas, Basem Naim, disse ao jornal que as declarações de Biden eram prematuras: “Não condizem com a realidade do terreno”.

Até o início da tarde de segunda-feira 4, não foi anunciado cessar-fogo na região. Segundo a CNN, Israel optou por não enviar uma delegação ao Egito para negociações de cessar-fogo e libertação de reféns no domingo 3.

Opinião de especialistas

Ainda que o cessar-fogo ainda não tenha ocorrido, especialistas ouvidos pelo Comprova acreditam que os Estados Unidos têm protagonismo para colaborar nesse sentido.

Para o professor Rodrigo Amaral, do curso de Relações Internacionais da PUC-SP, é possível acreditar na voz de Joe Biden porque, hoje, quem permite que o conflito aconteça são os Estados Unidos. “Quem garante que a guerra em Gaza aconteça é o próprio governo norte-americano, porque são os Estados Unidos que dão suporte militar a Israel, são os Estados Unidos o único Estado que, dentro do Conselho de Segurança, vetou o pedido de cessar-fogo imediato. Então, se os Estados Unidos virarem a chave e falaram: ‘Não, a gente agora apoia um cessar-fogo’, Israel fica sem apoio, e sem apoio, encerra o conflito”, aponta.

Publicidade

Amaral diz que isso não quer dizer que Joe Biden abandonará Israel, que é um aliado. “Evidentemente que tudo isso é negociado, conversado diretamente no alto escalão diplomático israelense e norte-americano”, completa. Mas indica, de qualquer forma, um possível cessar-fogo, uma trégua, e não o fim do conflito de fato.

Também professor de Relações Internacionais na PUC-SP, Bruno Huberman destaca que as negociações de paz passam pela criação do Estado da Palestina, o que não está na mesa de negociações há anos. “O que acontece nos últimos anos, quando houve os bombardeios israelenses a Gaza e retaliações do Hamas, normalmente é troca de reféns por cessar-fogo, por trégua. É abertura de ajuda humanitária, abertura comercial, geralmente diminuição do bloqueio israelense a Gaza. Geralmente esses eram os pontos negociados no cessar-fogo entre Hamas e Israel nos últimos anos, que é o que tem sido negociado nos últimos meses”, diz.

Se a guerra parar, isso pode ser atribuído a Lula?

Para os dois especialistas ouvidos pelo Comprova, o presidente brasileiro é um importante ator político no cenário internacional, mas dizer que ele parou ou que terá o mérito exclusivo caso a guerra seja interrompida é exagero. “Um eventual cessar-fogo, obviamente, não seria mérito exclusivo do Lula. O Lula é uma pessoa que vem buscando chamar a atenção mundial para o massacre, o genocídio que vem em curso em Gaza, e eu acho que se ele tem um mérito, é trazer a atenção mundial para isso através das suas declarações”, afirma Bruno Huberman.

Para o pesquisador, o presidente brasileiro é um dos líderes mais vocais nas críticas a Israel, dentre aqueles com relevância, mas as ações não têm a mesma força que as declarações. “O Brasil não tem um papel de mediação num cessar-fogo. Quem cumpre esse papel até o momento é Estados Unidos, Catar e Egito. Eu vejo a Rússia tentando participar de negociações, mas o Brasil, até onde eu vi, não foi convidado, não é parte de negociações por cessar-fogo”, observa.

Rodrigo Amaral, também professor da PUC-SP, acredita que os discursos do presidente brasileiro geram impacto, sobretudo pelo fato de ser uma liderança do Sul global e por estar em um momento de grande representação institucional internacional, como a presidência do G20, dos Brics e do Conselho de Segurança da ONU. Mas, isoladamente, estes discursos não têm poder para um cessar-fogo.

“Evidentemente que os discursos do Lula não têm poder suficiente, de forma isolada, de contribuir para um cessar-fogo em qualquer que seja o conflito, seja na questão da Ucrânia, ou seja na questão de Gaza”, diz. Apesar disso, Amaral acredita que a decisão de Lula em acusar abertamente Israel de genocídio e adotar um discurso anti-guerra acaba pressionando outros atores internacionais a buscarem uma solução emergencial para o assunto.

“Isoladamente não é suficiente, mas em termos de grande representação, o Brasil de fato é um ator importante, é um ator que fez, sim, uma proposta que foi a que chegou mais perto da resolução dentro do Conselho de Segurança da ONU por um cessar-fogo, estabelecimento de corredores humanitários. Foi um país que apoiou de forma explícita o processo iniciado pela África do Sul no Tribunal Penal Internacional que acusa Israel de estar cometendo genocídio. Dos países de grande porte que não são grandes potências, é o país que tem tomado uma posição ativa no sistema internacional e essa é uma característica da política externa do Lula”, diz Amaral.

Publicidade

Para ele, aliás, as últimas declarações do petista, acusando Israel de genocídio e comparando as atrocidades em Gaza com as do Holocausto, não representam um problema real para o Brasil do ponto de vista diplomático. “Não houve uma reverberação negativa, de maneira explícita, da comunidade internacional depois da declaração do Lula. A única reverberação negativa foi a própria crise diplomática com os israelenses. E aí é um ato desesperado, a gente pode colocar assim, do governo Netanyahu”, aponta.

Para pesquisador, ações do Brasil têm menos força do que declarações do presidente Lula.  Foto: Ohad Zwigenberg/AP Photo

Posição do Brasil sobre a guerra

Em 7 de outubro de 2023, mesmo dia dos ataques do Hamas em Israel, o Itamaraty divulgou uma nota condenando os ataques na Faixa de Gaza e se solidarizando com os familiares das vítimas e com o povo de Israel. Na nota, o governo brasileiro destacou sua posição histórica, que defende a existência de dois Estados independentes:

“O governo brasileiro reitera seu compromisso com a solução de dois Estados, com Palestina e Israel convivendo em paz e segurança, dentro de fronteiras mutuamente acordadas e internacionalmente reconhecidas. Reafirma, ainda, que a mera gestão do conflito não constitui alternativa viável para o encaminhamento da questão israelo-palestina, sendo urgente a retomada das negociações de paz”, diz a nota.

Com o decorrer do tempo e o avanço dos ataques por Israel em Gaza, o Brasil vem defendendo um cessar-fogo imediato na região. Procurado pelo Comprova, o Itamaraty apontou o discurso do ministro Mauro Vieira no Debate de Alto Nível do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Oriente Médio, em 29 de novembro do ano passado, como o posicionamento mais recente do Brasil sobre o conflito.

Nele, o chanceler brasileiro voltou a defender a existência mútua de dois Estados, condenou o “horror sem precedentes que está acontecendo em Gaza” e cobrou um cessar-fogo imediato entre as partes, além da libertação de todos os inocentes.

Lula pode parar a guerra da Ucrânia?

Outros posts no X afirmam que Lula pode parar, na realidade, duas guerras: a da Faixa de Gaza e da Ucrânia. Isso porque o embaixador ucraniano no Brasil, Andrii Melnyk, pediu ao governo brasileiro que interceda junto à China para que o país asiástico trabalhe pelo fim do conflito entre Ucrânia e Rússia.

Melnyk fez essa declaração em entrevista ao Poder 360 em 24 de fevereiro de 2024, quando a invasão russa à Ucrânia completou dois anos. “Penso que a China poderia desempenhar um papel crucial para persuadir ou, diria mesmo, para forçar os russos a parar esta guerra”, disse Melnyk.

Publicidade

Procurado, contudo, o Itamaraty disse não ter comentários a fazer sobre essa questão.

Para Bruno Huberman, o Brasil se colocou como um ator importante fora da Europa para intermediar o conflito, mas não é possível dizer, ainda, se o país seria de fato convidado a isso. “O Lula tem o mérito de ser o primeiro líder mundial, logo no início do seu mandato, a colocar a paz como um horizonte necessário e defender a realização de uma Cúpula de Paz. Ele fez isso por muitos meses, só que não trouxe resultados imediatos”, diz.

Apesar de não poder prever se o Brasil seria de fato convidado a mediar o conflito, Huberman acredita que o país seria importante nesse cenário. “Eu acho que seria importante o Brasil ser convidado, pela importância do presidente Lula, pela importância do Brasil, que é um ator externo ao conflito e que tem a confiança das partes. Poucos atores têm a confiança dos Estados Unidos e da Rússia, o Brasil é um dos raríssimos casos que consegue, eu acho, ter esse papel nesse momento”, observa.

Já Rodrigo Amaral acredita que o Brasil não teria tanta capacidade de influência nesta questão, em particular, porque o conflito envolve uma grande potência, que é a Rússia: “Israel depende, evidentemente, dos Estados Unidos, mas a Rússia não depende de ninguém para a guerra. Ela tem uma ação unilateral, uma capacidade militar tremenda, uma capacidade econômica tremenda. A gente sabe, claro, que a economia russa tem sofrido internamente, as discussões políticas têm sido muito intensas sobre o governo Putin. Mas, nesse tema, eu acredito que a capacidade de influência brasileira é menor”, afirma.

O que diz o responsável pela publicação: Os dois perfis responsáveis pelas publicações checadas nesta investigação não permitem o envio de mensagens pelo X. Um deles, o Notícias Paralelas, respondeu por e-mail e disse estar confiante “que as declarações do presidente Lula moveram o mundo no sentido de condenarem o genocídio praticado pelo regime do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu contra os palestinos”, acrescentando que as declarações do presidente brasileiro começaram a ecoar fora do país. “Estou otimista que o cessar-fogo venha o quanto antes em Gaza. Quanto à Ucrânia, houve o pedido mencionado pela jornalista [em entrevista ao Poder 360], o que aponta para uma posição de destaque do Brasil no cenário mundial. Acreditamos que tanto uma, quanto a outra guerra estejam com os dias contados, para o bem do mundo”, disse Gabriel Souza, responsável pelo perfil.

O que podemos aprender com esta verificação: Conteúdos deste tipo enganam na medida em que usam um fato verdadeiro – neste caso, a notícia de que há a possibilidade de um cessar-fogo em Gaza – para distorcer seu significado, exagerar no cenário e inflar politicamente uma figura pública. Ao se deparar com publicações assim, é importante buscar informações sobre as principais alegações: A guerra parou? Se sim, como isso aconteceu? Quem esteve envolvido nas negociações? A figura a quem está sendo atribuído o mérito da questão realmente teve tanta influência quanto se diz? Neste caso, as publicações caem por terra ao se constatar que a guerra, na realidade, sequer parou.

Por que investigamos: O Comprova monitora conteúdos suspeitos publicados em redes sociais e aplicativos de mensagem sobre políticas públicas e eleições no âmbito federal e abre investigações para aquelas publicações que obtiveram maior alcance e engajamento. Você também pode sugerir verificações pelo WhatsApp +55 11 97045-4984.

Publicidade

Outras checagens sobre o tema: O Comprova já checou outros conteúdos nas redes envolvendo o governo brasileiro e o conflito entre Israel e o Hamas e mostrou, por exemplo, que uma doação de R$ 25 milhões feita em 2010 foi para a Autoridade Palestina, e não para o Hamas; que o governo Lula assinou um termo de cooperação técnica em 2023 também com a Autoridade Palestina, e não com o grupo terrorista; e que os alimentos doados pelo MST e transportados pela Força Aérea Brasileira foram destinados aos palestinos vítimas do conflito. Também publicamos um conteúdo explicativo sobre a declaração de Lula a respeito do Holocasto e a possibilidade de abertura de um processo de impeachment.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.