É falso que PM tenha prendido ‘infiltrado’ em ato de bolsonaristas

Secretaria de Segurança Pública diz que homem foi revistado e liberado após policiais notarem agitação entre manifestantes; envolvido diz que estava na Avenida Paulista para consertar um notebook

PUBLICIDADE

Por Maria Eduarda Nascimento

O que estão compartilhando: reprodução de título de um site que diz que a Polícia Militar de São Paulo prendeu um homem que estava “infiltrado” no ato em favor do ex-presidente Jair Bolsonaro, realizado na Avenida Paulista, no domingo, 25. A postagem contém foto de um homem sem camiseta sendo abordado por policiais. Na publicação que originou a postagem, há ainda a informação de que a Polícia teria identificado o homem como “simpatizante do PT”.

PUBLICIDADE

O Estadão Verifica investigou e concluiu que: é falso. O homem que aparece na postagem e que é apontado como “infiltrado” não foi preso. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que, durante a manifestação, uma equipe de policiais observou uma agitação entre algumas pessoas. Um dos envolvidos foi retirado para “preservar sua integridade física”. A secretaria esclareceu que o homem foi revistado e liberado após consulta de antecedentes criminais (leia a nota clicando aqui). Não há menção a uma eventual filiação partidária.

O homem é o músico Silvio Maia. Em entrevista, Maia disse que estava na Avenida Paulista, onde a manifestação ocorreu, para consertar um notebook. Ele mostrou à reportagem uma troca de mensagens com o estabelecimento que realizou o serviço. O Estadão Verifica também confirmou que a loja fica aberta aos domingos.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, o homem apontado como infiltrado passou por revista pessoal e foi liberado após consulta de antecedentes criminais Foto: Reprodução/Instagram

Saiba mais: A postagem verificada aqui compartilha o que seria uma notícia sobre a suposta prisão do músico Silvio Maia. A foto mostra Maia diante de policiais militares e afirma que ele teria sido preso por ser um “infiltrado”. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública não confirmou a prisão de nenhum infiltrado durante o ato convocado por Jair Bolsonaro na Avenida Paulista.

Mais diz que a abordagem policial capturada na foto seria a terceira pela qual ele teria passado naquele dia. Outras duas abordagens teriam ocorrido assim que ele chegou na Avenida Paulista e após um manifestante apontá-lo como infiltrado. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o momento em que apoiadores do ex-presidente pedem para que Maia retire a blusa que tampava seu rosto. Em uma das gravações, é possível ouvir vaias e uma voz feminina chamando a polícia.

“Um senhor apoiador do movimento do Bolsonaro me abordou e me chamou de infiltrado. Eu expliquei pra ele que eu estava a caminho de levar o meu computador para o conserto e que eu estava com essa cobertura da camisa por causa do sol. Eles não acreditaram e começou a rolar o tumulto de fato”, contou o músico.

Na terceira vez que foi abordado pela polícia, Maia disse que havia ido até o local onde sua bicicleta estava presa para tentar chegar de maneira mais rápida ao estabelecimento que consertaria seu computador. De acordo com o músico, policiais o abordaram quando ele cobriu novamente o rosto com a camiseta para pedalar.

Publicidade

“O meu semblante [na imagem verificada] é resultado do fato de que eu já sabia o que estava acontecendo e que não ia dar em nada. Revistaram minhas coisas e pessoas aplaudiram quando eu fui abordado, tiraram o celular e começaram a filmar como se eu fosse algum tipo de vilão”, comentou. Ele nega que seja filiado a partidos políticos. Seu nome não consta nas bases de filiados divulgadas pelo Tribunal Superior Eleitoral até 2021.

Após a terceira abordagem, Maia contou que seguiu seu trajeto de bicicleta sem colocar a camiseta no rosto, apenas utilizando máscara e óculos de sol. “Eu consegui prender a bicicleta em um poste mais distante e finalmente entrei com sucesso no lugar de conserto de computadores. Fiz as minhas coisas e fui embora”, relatou.

Como lidar com postagens do tipo: A postagem verificada aqui alega falsamente que uma pessoa teria sido presa por estar infiltrada em uma manifestação convocada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro. O termo infiltrado é comumente utilizado por apoiadores de Bolsonaro para fazer acusações contra a oposição e sugerir que uma pessoa seria simpatizante do Partido dos Trabalhadores (PT). Nesses casos, é importante consultar veículos de comunicação confiáveis. Manifestações são eventos importantes e recebem destaque na cobertura jornalística.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.