PUBLICIDADE

Vídeo de Lula falando sobre preços de alimentos em 2020 circula como se fosse recente

Pronunciamento do petista criticava gestão de Jair Bolsonaro; em 2023, preço de alimentos e bebidas subiu 1,03%

Por Gabriel Belic

O que estão compartilhando: vídeo em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva estaria relatando a alta dos alimentos em 2023 e anunciando que os preços continuariam subindo nos próximos meses.

O Estadão Verifica investigou e concluiu que: é enganoso, porque o vídeo não é recente. O pronunciamento de Lula foi publicado na Rede TVT em 16 de outubro de 2020, no Dia Mundial da Alimentação. Na gravação, o petista comenta sobre a fome e o aumento dos preços dos alimentos durante a gestão de seu antecessor, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Vídeo de Lula falando sobre aumento de preço de alimentos no governo Bolsonaro circula como se fosse recente Foto: Reprodução/Instagram

PUBLICIDADE

Saiba mais: fora de contexto, postagens replicam trecho de um discurso antigo do presidente Lula. O pronunciamento foi compartilhado pela Rede TVT em outubro de 2020, no Dia Mundial da Alimentação. No vídeo, compartilhado nas redes como se fosse atual, o petista relatava o aumento dos preços dos alimentos, como arroz, feijão e leite. À época, o País passava por uma alta no setor.

“Lamentavelmente, o Brasil não tem o que festejar no Dia Mundial da Alimentação. Ao contrário: vivemos dias muito difíceis. Em meio a uma pandemia, que já ceifou 150 mil vidas, os preços dos principais alimentos dispararam. O arroz subiu quase 20% desde o início do ano, o feijão quase 30% e o leite mais de 20%. Alguns produtos de primeira necessidade desapareceram do supermercado. Tudo indica que os preços continuarão subindo nos próximos meses”, diz Lula na íntegra do vídeo.

Preço dos alimentos em 2023

De acordo com dados divulgados pelo IBGE, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – índice oficial da inflação no País – ficou em 4,62% em 2023. Após dois anos de crescimento acima da meta, o índice fechou o ano dentro da meta desejada pelo Banco Central (BC), de 3,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto, para mais ou para menos.

Conforme mostrou o Estadão, a safra agrícola recorde ajudou a deter a inflação de alimentos em 2023, apesar dos aumentos nos preços no final do ano. O grupo Alimentação e Bebidas registrou um aumento de 1,03% no ano, menor resultado desde 2017. O custo dos alimentos para consumo no domicílio caiu 0,52%, enquanto a alimentação fora de casa subiu 5,31%.

A agência Aos Fatos também checou este boato.

Publicidade

Como lidar com postagens do tipo: A peça verificada utiliza um vídeo real, mas fora de contexto, para espalhar desinformação. Para atestar a veracidade da peça, é possível buscar o vídeo original por meio de uma busca reversa de imagens. Além disso, pode-se procurar por dados atualizados, uma vez que a gravação apresenta números e relata aumento de preços. No caso aqui checado, por exemplo, busque por notícias recentes que informem sobre o índice da inflação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.