PUBLICIDADE

É de 2019 um vídeo em que mulher diz que a filha ganhou preservativos na festa da escola

Prefeitura de Parnamirim (RN) disse que kit sorteado a menina de 7 anos foi doado e que escola errou ao não conferir pacote; conteúdo voltou a viralizar sem o contexto original

Por Clarissa Pacheco

O que estão compartilhando: que uma escola teria dado camisinhas e papel higiênico a uma menina de 7 anos. A legenda e os comentários colocam a culpa pelo ocorrido em um “desgoverno esquerdopata” (sic), no presidente Lula e em “militantes petistas”.

PUBLICIDADE

O Estadão Verifica investigou e concluiu que: está fora de contexto. O vídeo é de 2019, e foi gravado em uma escola de Parnamirim (RN). O pacote foi doado para a escola e sorteado durante uma festa junina a uma menina do 2º ano do ensino fundamental. A diretora disse que a instituição de ensino errou ao não ter conferido o conteúdo do kit. A prefeitura pediu desculpas à família e instaurou uma investigação.

As imagens voltaram a viralizar sem o contexto original. Usuários acreditam se tratar de uma cena atual e culpam o governo Lula pelo ocorrido. Quando o vídeo foi publicado, a prefeitura já era administrada por Rosano Taveira, do PRB, que foi rebatizado de Republicanos -- partido que se define como “conservador, fundamentado nos valores cristãos”. Taveira, como é conhecido, foi reeleito em 2020.

 Foto: Reprodução

Saiba mais: O conteúdo do presente recebido pela aluna do 2º ano se tornou público em 8 de junho de 2019. A mãe da menina, Shyrlene Gomes, publicou um vídeo no Facebook afirmando que a filha de apenas 7 anos tinha sido sorteada com três camisinhas e um pacote de papel higiênico na escola.

As imagens mostram Shyrlene chegando na Escola Municipal José Fernandes, em Parnamirim (RN), segurando o pacote de papel higiênico e os três preservativos femininos. Ela fala para os funcionários da escola que a situação é absurda e que aqueles não são presentes para se dar a uma criança. Uma mulher diz ter sido uma brincadeira de mau gosto e ela rebate: “Não é brincadeira que se faça. Isso é presente para dar a uma criança?”.

De acordo com dados da plataforma QEdu, que reúne informações do Censo Escolar, a Escola Municipal José Fernandes tinha 200 alunos matriculados em 2019, todos dos anos iniciais do Ensino Fundamental, ou seja, entre o 1º e o 5º ano.

Sorteio em festa junina

O sorteio tinha acontecido em uma festa junina na escola. Como nem os pais e nem a aluna tinham ido ao evento, foram informados de que tinham sido sorteados com o balaio da festa e que, dentro, havia um presente surpresa. Segundo os pais, a notícia gerou expectativa na garota. Mas ao abrirem a embalagem, a surpresa era um pacote de papel higiênico e três preservativos femininos, o que motivou a ida da mãe até a escola. O vídeo postado por ela no Facebook teve mais de 80 mil interações.

Publicidade

È época, em entrevista ao programa Primeiro Impacto, do SBT News, a diretora Maria de Fátima reconheceu que a escola errou por não conferir o conteúdo do presente surpresa do balaio. “Eu estou aqui para pedir desculpa e reiterar todo o meu afeto a esta família, a qual a criança realmente passou por um constrangimento”, disse.

No dia seguinte ao ocorrido, a prefeitura de Parnamirim informou que a Secretaria Municipal de Educação havia aberto um procedimento para investigar o ocorrido e pediu desculpas à família. A Secretaria de Educação disse que ofereceria acompanhamento psicológico à aluna e que também entregaria um presente “adequado à faixa etária” da menina.

O Estadão Verifica procurou a prefeitura para saber qual foi o resultado da apuração do episódio, mas não recebeu resposta até a publicação desta checagem.

Episódio não tem relação com governos de esquerda

PUBLICIDADE

Além de tratar um episódio de 2019 como se fosse atual, a legenda sobre o vídeo engana ao tentar relacionar o ocorrido a um governo de esquerda – sem especificar se está falando do governo federal, sob a gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ou estadual, da governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, do PT (aqui, aqui, aqui).

O sorteio aconteceu durante uma festa junina em uma escola municipal de Parnamirim, sem ingerência dos governos do Estado ou da União. Além disso, mesmo que houvesse participação direta do Executivo municipal no sorteio, o prefeito na época – e também agora – é do o Republicanos, partido que se define como de direita.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.