PUBLICIDADE

A China não conseguiu influenciar as eleições de Taiwan. O que acontece agora? Leia análise

Pequim detesta o novo presidente, Lai Ching-te. Ele pretende proteger o status quo com cautela e ajuda americana, mas é provável que as tensões aumentem.

Por Damien Cave

O presidente da China, Xi Jinping, vinculou o estatuto de grande potência do seu país a uma promessa singular: unificar a pátria mãe com Taiwan, que o Partido Comunista Chinês vê como um território sagrado e perdido. Há algumas semanas, Xi chamou isso de “inevitabilidade histórica”. Mas a eleição de Taiwan no sábado, 12, que entregou a presidência a um partido que promove a identidade separada da ilha pela terceira vez consecutiva, confirmou que esta democracia turbulenta se afastou ainda mais da China e do seu sonho de unificação.

PUBLICIDADE

Depois de uma campanha de comícios semelhantes a festivais, onde enormes multidões gritavam, dançavam e agitavam bandeiras iguais, os eleitores de Taiwan ignoraram os avisos da China de que votar no Partido Democrático Progressista era um voto a favor da guerra. Eles fizeram essa escolha de qualquer maneira.

Lai Ching-te, antigo médico e atual vice-presidente, que Pequim vê como um separatista convicto, será o próximo líder de Taiwan. É um ato de desafio autogovernado que provou o que muitos já sabiam: a pressão exercida por Pequim sobre Taiwan - economicamente e com assédio militar no mar e no ar - apenas fortaleceu o desejo da ilha de proteger a sua independência de fato e ir além da sombra gigante da China.

“A abordagem mais dura não funcionou”, disse Susan Shirk, professora pesquisadora da Universidade da Califórnia, em San Diego, e autora de “Overreach: How China Derailed Its Peaceful Rise”. “Essa é a realidade da política taiwanesa.”

Essa evolução, cultural e política, traz riscos. A vitória de Lai força Xi a enfrentar a falta de progresso. E embora a resposta completa da China se prolongue ao longo de meses ou anos, o gabinete chinês para os assuntos de Taiwan afirmou no sábado à noite que as eleições não podem mudar a direção das relações através do Estreito, garantindo efetivamente que a dinâmica de temeridade e estresse continuará e muito provavelmente se intensificará.

Lai Ching-te, que venceu as eleições em Taiwan neste sábado. (Foto: Sam Yeh / AFP) Foto: Sam Yeh/AFP

A China e os Estados Unidos fizeram de Taiwan um teste de sensibilidades e visões concorrentes. Para Pequim, a ilha é um resquício da sua guerra civil, na qual os Estados Unidos não devem interferir. Para Washington, é a primeira linha de defesa para a estabilidade global, uma democracia de 23 milhões de pessoas e a fábrica de microprocessadores para o mundo.

Os riscos gigantescos acrescentam gravidade a cada palavra ou política que Lai ou o seu partido possam apresentar agora e após a sua tomada de posse em maio.

Publicidade

Com o sentimento de identidade de Taiwan e as expectativas da China em conflito, não se espera que Xi fique sentado de braços cruzados. Antes das eleições, em editoriais e comentários oficiais, as autoridades chinesas pintaram Lai como um vilão, chamando-o de um teimoso “trabalhador da independência de Taiwan”, um “destruidor da paz através do Estreito” e potencialmente o “criador de uma guerra perigosa”.

Durante a campanha, Lai, 64 anos, um político veterano respeitado pelos seus apoiadores pela sua determinação silenciosa, disse que Taiwan não precisava de independência formal. Numa conferência de imprensa após a sua vitória, ele disse que procuraria uma abordagem equilibrada para as relações através do Estreito, incluindo a “cooperação com a China”, seguindo o caminho do seu antecessor, Tsai Ing-wen.

Mas há poucas hipóteses de a China mudar de opinião.

“Lai Ching-te é uma figura impulsiva e politicamente tendenciosa, por isso não podemos descartar a possibilidade de desenvolvimentos imprevisíveis e desconhecidos poderem ocorrer durante o seu mandato”, disse Zhu Songling, professor de estudos de Taiwan na Beijing Union University. “Receio que seja muito perigoso”, acrescentou, observando que as opiniões de Xi sobre Taiwan eram claras. Isso inclui a sua insistência de que a força pode ser usada se necessário.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Os estudiosos ocidentais da política chinesa não são muito mais otimistas. “Os próximos quatro anos serão tudo menos estáveis nas relações EUA-China e através do Estreito”, disse Evan S. Medeiros, professor de estudos asiáticos na Universidade de Georgetown. Como outros analistas, ele disse esperar um conjunto familiar de táticas de pressão.

No mínimo, a China continuará a tentar manipular a política de Taiwan com desinformação, ameaças e incentivos econômicos. As autoridades chinesas também sugeriram que poderiam visar o comércio, eliminando mais concessões tarifárias. Exercícios militares expandidos são outra possibilidade. Jatos de combate, drones e navios chineses já invadem Taiwan quase diariamente.

Pequim também mostrou que continuará a incitar Washington a pressionar Taiwan e a cortar o apoio militar. Mensagens de alarme estão a tornar-se uma característica comum da diplomacia EUA-China. Em Washington, na véspera das eleições de Taiwan, Liu Jianchao, chefe do departamento internacional do Partido Comunista Chinês, reuniu-se com o secretário de Estado Antony J. Blinken. Os Estados Unidos disseram que Blinken “reiterou a importância de manter a paz e a estabilidade através do Estreito de Taiwan”.

Publicidade

Os mesários contam os votos na cidade de Nova Taipei, Taiwan, sábado, 13 de janeiro de 2024.(Foto: AP Photo/Ng Han Guan) 

Liu, com base em outras declarações oficiais, muito provavelmente alertou os Estados Unidos para não intervirem “na região de Taiwan” – uma queixa desencadeada pelo anúncio de que uma delegação de antigos funcionários se dirigiria a Taipei após as eleições. Essas visitas são comuns há décadas. O Ministério dos Negócios Estrangeiros da China condenou “a tagarelice descarada do lado americano”.

Contudo, não há planos em Washington para ficar em silêncio ou restringir a cooperação. Muito pelo contrário. No ano passado, o governo Biden anunciou US$ 345 milhões em ajuda militar para Taiwan, com armas retiradas dos arsenais americanos. Os projetos de lei no Congresso também estreitariam os laços econômicos com Taiwan, flexibilizando a política fiscal e estabelecendo as bases para sanções econômicas contra a China, caso esta atacasse.

Tendo trabalhado com os americanos como vice-presidente, Lai pode avançar mais rapidamente, dizem os analistas, possivelmente para áreas mais sensíveis. Os Estados Unidos poderiam aumentar a colaboração em matéria de cibersegurança, fortalecendo as redes de comunicação a um ponto que confundisse (ou preparasse) a partilha de informações. Poderia procurar colocar equipamento logístico militar na ilha – uma estratégia que o Pentágono está a introduzir em toda a região.

Também é um segredo aberto que os conselheiros militares americanos, na sua maioria oficiais reformados, têm uma presença crescente em Taiwan. Algumas autoridades taiwanesas os chamam de “professores de inglês”. Sob o comando de Lai, muitos mais poderiam estar a caminho.

“Pequim tem feito vista grossa, então a questão é: qual o tamanho dessa presença que cruzará o Rubicão?” disse Wen-ti Sung, cientista político do Programa de Estudos de Taiwan da Universidade Nacional Australiana. Ele acrescentou: “Esperamos que cada passo adicional não seja visto como abertamente provocativo para provocar ou justificar uma reação enorme chinesa”.

A guerra, é claro, não é inevitável. Poderá ser menos provável neste momento, quando a China está ocupada com uma economia sombria e os Estados Unidos com guerras na Europa e no Médio Oriente.

Alguns analistas também esperam que Xi encontre uma maneira de reivindicar a vitória nas eleições e se afastar do antagonismo. Com um candidato de um terceiro partido, Ko Wen-je, a obter 26% dos votos, com um foco vago num caminho intermediário nas relações com a China, Lai venceu com apenas 40%.

“É do interesse nacional da China expandir o caminho da integração pacífica para que não tenham de lutar”, disse o professor Shirk. “Há muitas pessoas observando essa interação e a reação de Pequim – todos os investidores também estão observando.”

Em Taiwan, contudo, poderá haver pouco que Xi possa fazer para melhorar a imagem da China. Em pesquisas recentes, menos de 10% dos inquiridos de Taiwan consideraram a China confiável. “Vimos muitos exemplos do que Xi fez a Hong Kong e como tratou o seu povo”, disse Cheng Ting-bin, 56 anos, um professor em Taipei que votou em Lai.

A maioria dos taiwaneses vê o seu futuro em outro lugar. No sábado, muitos disseram esperar que o governo pudesse alavancar a poderosa indústria de semicondutores para construir conexões com o Sudeste Asiático e a Europa.

Nesta foto divulgada pela Agência de Notícias Xinhua, um caça a jato chinês J-15 se prepara para decolar do porta-aviões de Shandong durante a patrulha de prontidão para combate e exercícios militares ao redor da Ilha de Taiwan (Foto: An Ni/Xinhua via AP, File) 

Durante a campanha, qualquer identificação com a China parecia ter sido apagada. Embora o nome oficial de Taiwan seja República da China, um resquício de quando os nacionalistas chineses fugiram para lá, essas referências eram difíceis de encontrar. Nos comícios de Lai, os apoiadores usavam jaquetas verdes brilhantes com “Time Taiwan” escrito em inglês nas costas.

Até o Partido Nacionalista, conhecido por favorecer laços mais estreitos com Pequim, enfatizou a dissuasão, o status quo e a identidade taiwanesa. Seu candidato, Hou Yu-ih, falava com um sotaque taiwanês tão forte que os falantes de mandarim não familiarizados com as inflexões locais tiveram dificuldade em entendê-lo.

Em muitos aspectos, as eleições foram menos um referendo sobre a política da China do que o habitual. As questões do custo de vida tornaram-se mais dominantes, em parte porque as plataformas dos candidatos em matéria de relações exteriores estavam todas alinhadas com o que a maioria das pessoas dizia querer: forças armadas mais fortes, laços mais estreitos com o mundo democrático e um compromisso com o status quo que evita provocar Pequim, mas também procura sair da sua órbita na ponta dos pés.

Publicidade

“O que queremos é apenas preservar o nosso modo de vida”, disse Alen Hsu, 65 anos, um reformado que disse que o seu pai veio da China e o seu filho serve na Força Aérea de Taiwan.

“A China”, acrescentou ele, “simplesmente não é confiável”.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.