Antes de ataque do Irã contra Israel, Biden interrompeu folga para se reunir com equipe

Presidente dos EUA estava na praia e voltou à Casa Branca; movimento do Irã pode resultar em uma guerra ampliada no Oriente Médio

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Antes do ataque do Irã contra Israel, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, interrompeu uma estadia neste fim de semana em sua casa de praia, em Delaware, e retornou à Casa Branca neste sábado,13, para se reunir com sua equipe. A razão foi justamente monitorar a situação no Oriente Médio, após a inteligência americana identificar um o iminente ataque.

PUBLICIDADE

A escalada nas tensões entre os dois países chegou no ponto mais alto depois de um ataque aéreo comandado por Israel, no dia 1º de abril, contra um prédio do consulado iraniano na capital síria, Damasco, que matou 12 pessoas, incluindo dois generais iranianos da Guarda Revolucionária Islâmica. O Irã prometeu retaliação contra Israel, e as autoridades americanas e israelenses estavam se preparando para o ataque já neste fim de semana, levantando preocupações sobre a escalada do conflito para uma guerra regional mais ampla.

O Pentágono informou que o secretário da Defesa, Lloyd Austin, tinha conversado com o seu homólogo israelense “para discutir ameaças regionais urgentes e deixou claro que Israel poderia contar com o apoio total dos EUA para defender Israel contra quaisquer ataques do Irã e dos seus representantes regionais”.

O conselheiro de segurança nacional, Jake Sullivan, também conversou com autoridades de Israel para reforçar o “compromisso férreo de Washington com a segurança de Israel”.

Na última sexta, Biden afirmou que os Estados Unidos estavam dedicados à defesa de Israel e que “o Irã não terá sucesso”. Questionado pelos repórteres sobre qual era a sua mensagem para o Irã, a única resposta do presidente foi: “Não faça isso”.

Os EUA, juntamente com os seus aliados, enviaram mensagens diretas a Teerã para alertar contra uma nova escalada do conflito.

O presidente Joe Biden. Foto: Pablo Martinez Monsivais

Desde o início da guerra de Israel contra o grupo terrorista Hamas, o exército israelense e a milícia radical xiita Hezbollah, apoiada pelo Irã, têm medido forças ao longo da fronteira de Israel com o Líbano. Autoridades dos EUA registaram mais de 150 ataques de milícias apoiadas pelo Irã no Iraque e na Síria contra forças americanas em bases nesses países desde o início da guerra, em 7 de outubro.

Publicidade

Um ataque no final de janeiro matou três militares americanos na Jordânia. Em retaliação, os Estados Unidos lançaram um ataque aéreo em massa, atingindo mais de 85 alvos em sete locais no Iraque e na Síria.

Neste sábado, soldados da Guarda Revolucionária paramilitar do Irã saltaram de um helicóptero para um navio ligado a Israel, perto do Estreito de Ormuz, e apreenderam a embarcação.

A porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Adrienne Watson, disse que os EUA condenaram veementemente a apreensão e instaram o Irã a libertar o navio e a tripulação imediatamente. “Trabalharemos com os nossos parceiros para responsabilizar o Irão pelas suas ações”, disse ela.

Também no sábado, a Cisjordânia ocupada por Israel viu a escalada da violência na região após um adolescente israelense ser encontrado morto próximo a uma aldeia palestina. /COM AP

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.