Análise|Ataque do Irã contra Israel abre novo e perigoso capítulo para antigos rivais

Especialistas afirmam que Teerã não deseja uma guerra mais ampla, mas não está nada claro se os dois países vão ou não escalar o conflito

PUBLICIDADE

O Irã retaliou diretamente contra Israel pelos assassinatos de seus generais em Damasco, Síria, com um ataque de mais de 300 drones e mísseis visando restaurar sua credibilidade e capacidade de dissuasão.

PUBLICIDADE

Isso representa um momento de grande risco, com perguntas cruciais ainda sem resposta, dizem eles. O ataque do Irã foi suficiente para satisfazer seus apelos por vingança? Ou, dado os resultados relativamente insignificantes - quase todos os drones e mísseis foram interceptados por Israel e pelos EUA - o Irã se sentirá obrigado a atacar novamente? E o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, verá o forte desempenho de suas defesas aéreas como uma resposta suficiente? Ou optará por escalar ainda mais, atacando o próprio território iraniano?

Agora que o Irã atacou Israel como prometeu, ele vai querer evitar uma guerra mais ampla, dizem os oficiais e analistas, observando que os iranianos visaram apenas locais militares numa aparente tentativa de evitar baixas civis e anunciaram seu ataque bem antes.

Explosões iluminam o céu de Jerusalém durante o ataque iraniano a Israel.  Foto: AFPTV/AFP

“O governo do Irã parece ter concluído que o ataque a Damasco foi um ponto de inflexão estratégico, onde falhar em retaliar traria mais desvantagens do que benefícios”, disse Ali Vaez, o diretor para o Irã do centro de estudos International Crisis. “Mas, ao fazê-lo, a guerra que vem travando com Israel há anos nas sombras ameaça se transformar em um conflito muito real e muito prejudicial, que poderia arrastar os EUA”, disse ele.

“Por agora, os iranianos jogaram sua carta”, disse Sanam Vakil, diretora do programa do Oriente Médio e Norte da África na Chatham House. “Eles tomaram a decisão de trucar o blefe de Israel, e sentiam que precisavam fazer isso, porque veem os últimos seis meses como um esforço persistente para atrasá-los em toda a região.”

No domingo, líderes iranianos disseram que a operação militar contra Israel estava concluída, mas advertiram que poderiam lançar uma maior dependendo da resposta de Israel.

O principal oficial militar do Irã, general Mohammad Bagheri, disse que a “operação alcançou seu resultado completo” e o país “não tem intenção de continuar”. Mas, acrescentou, se Israel atacasse o Irã em seu próprio solo, ou em outro lugar, “nossa próxima operação será muito maior do que esta”.

Publicidade

Por anos, o Irã sofreu golpe após golpe de Israel: assassinatos de seus cientistas nucleares e comandantes militares, explosões em suas bases nucleares e militares, ciberataques, infiltrações de inteligência, um roubo embaraçoso de documentos nucleares e ataques recentes contra sua infraestrutura crítica.

Mas desde o ataque liderado pelo Hamas em 7 de outubro, que levou Israel à guerra com o grupo na Faixa de Gaza, Israel intensificou seus ataques aos interesses e comandantes iranianos na Síria. Em uma série de ataques desde dezembro, Israel assassinou pelo menos 18 comandantes iranianos e pessoal militar da Força Quds, a unidade de elite da Guarda Revolucionária que opera fora das fronteiras do Irã, disseram os meios de comunicação iranianos.

O governo do Irã foi criticado por apoiadores linha-dura por sua posição cautelosa durante a guerra em Gaza.

“(Com os ataques do fim de semana) Teerã viu uma necessidade de traçar essa linha vermelha e deixar claro para Israel que o Irã tem seus limites e não continuaria a tolerar a degradação lenta de sua posição”, disse Vakil.

Netanyahu em reunião do Gabinete de Guerra em Kirya, em Tel Aviv após os ataques do Irã contra Israel. Foto: Israeli Prime Minister Office/AFP

PUBLICIDADE

Teerã sentiu que tinha de responder, mesmo que seu ataque tenha provocado forte apoio americano e amplo apoio diplomático ocidental para Israel, diminuindo um pouco a pressão sobre o governo Netanyahu sobre sua guerra em Gaza, pelo menos temporariamente, e isolando novamente o Irã.

Agora, segundo Vakil, os dois lados estão em um impasse no qual ambos estão preparados para a escalada, apesar de saberem que isso causaria enormes danos a si mesmos.

Ao mesmo tempo, a velha equação mudou, com Israel e Irã se atingindo diretamente, no território um do outro, e não por meio de aliados iranianos no exterior.

Publicidade

O ataque israelense ao complexo da Embaixada do Irã em Damasco, seguido por um ataque iraniano direto a Israel, representa um novo capítulo perigoso na longa guerra, às vezes oculta, entre Israel e Irã. O regime iraniano já defendeu que Israel fosse apagado do mapa. Às vezes conhecida como “a guerra na sombra”, o conflito vinha sendo principalmente entre Israel e aliados do Irã — em Gaza, sul do Líbano, Iraque, Iêmen e Síria.

Ambos os lados afirmam que estão agindo em legítima defesa nacional — Israel contra grupos comprometidos com sua destruição, com o Irã como seu principal aliado e controlador, e o Irã contra qualquer potencial guerra israelense contra ele, frequentemente em nome dos palestinos.

O Irã cada vez mais refere-se ao seu programa nuclear em rápida expansão, que enriqueceu urânio a um nível próximo da bomba, como uma dissuasão contra Israel, enquanto ao mesmo tempo nega que tenha qualquer intenção de construir uma arma nuclear. Mas cada vez mais o Irã é considerado por especialistas como um estado limiar nuclear, capaz de criar uma arma nuclear rudimentar dentro de um ano ou pouco mais.

O sistema de defesa aérea israelense Domo de Ferro foi ativado para interceptar mísseis disparados do Irã, no centro de Israel. Foto: Tomer Neuberg/AP

O Irã também está passando por uma transição lenta e complicada à medida que surgem cada vez mais rumores sobre a saúde debilitada do aiatolá Ali Khamenei, o líder supremo e comandante-chefe do país. O país também enfrentou uma revolta doméstica em 2022, liderada por mulheres, que exigiu o fim do governo clerical.

O próprio Khamenei ordenou os ataques a Israel de dentro do Irã para enviar uma mensagem clara de que Teerã estava passando da “paciência estratégica” para uma dissuasão mais ativa, segundo quatro oficiais iranianos, dois deles membros da Guarda Revolucionária. Eles pediram anonimato porque não estavam autorizados a falar publicamente.

“A operação do Irã tem uma mensagem cristalina para Israel e seus aliados de que as regras do jogo mudaram e, de agora em diante, se Israel atacar qualquer alvo iraniano ou matar qualquer iraniano, estamos dispostos a atacar de forma significativa e de nosso próprio solo”, disse Nasser Imani, um analista proeminente baseado em Teerã e próximo ao governo, em uma entrevista por telefone. “Os dias de operações secretas e de paciência acabaram.”

O Irã também quis aproveitar o que viu como uma “oportunidade de ouro” para retaliar nessa escala, porque Israel estava sendo amplamente criticado sobre Gaza, incluindo por seus principais aliados, como os Estados Unidos, disse Imani.

Publicidade

A busca do Irã pela hegemonia regional, ampliada por seus aliados e suas capacidades nucleares, antagonizou os governos árabes sunitas tradicionais da região, incluindo Egito, Arábia Saudita, Jordânia e nações do Golfo.

A Revolução Islâmica que derrubou a monarquia em 1979 teve como objetivo inicial uma revolução regional, derrubando esses governos, a maioria dos quais são monarquias ou ditaduras militares, então os esforços de Israel para limitar o poder do Irã, uma nação xiita não-árabe, tiveram o apoio silencioso dos países árabes, incluindo a guerra de Israel contra o Hamas.

Agora os riscos de escalada regional aumentaram consideravelmente. O Irã foi cuidadoso durante a guerra em Gaza para conter seus aliados ao redor de Israel contra grandes ataques, e evitar grandes retaliações israelenses contra o Hezbollah no sul do Líbano, em particular. O Hezbollah, com seus muitos milhares de foguetes apontados para Israel, é considerado um grande impedimento para Israel atacar diretamente o Irã e, especialmente, seu programa nuclear e de mísseis.

Dado o novo isolamento do Irã após este ataque, Israel não deveria responder, disse Bruno Tertrais, o vice-diretor da Fundação para Pesquisa Estratégica na França. “Mas um limiar foi cruzado”, disse ele. E o limiar para “um ataque israelense maciço em território iraniano”, continuou ele, “sempre uma opção extrema para Israel, independentemente do que os comentaristas digam — agora está mais baixo”.

Netanyahu, que vem alertando sobre a ameaça do Irã por duas décadas e enfrenta pressão severa para responder de dentro de sua coalizão de extrema direita instável, pode optar por responder com mais força, seja diretamente no Irã ou no Hezbollah. Mas Washington, não foi avisado do ataque a Damasco, provavelmente insistirá em uma consulta prévia agora.

“Mas o resultado modesto dos ataques iranianos pode fortalecer uma percepção israelense de que Teerã está recuando, faltando vontade e capacidade para um envolvimento mais profundo, e que agora é o momento para Israel infligir um golpe mais profundo e há muito desejado no Irã e seus aliados regionais”, disse Julien Barnes-Dacey, diretor do Oriente Médio e Norte da África para o Conselho Europeu de Relações Exteriores.

Foto divulgada pelo escritório de mídia do Exército iraniano em 23 de janeiro de 2024 mostra o ministro da Defesa do Irã, brigadeiro-general Mohammad Reza Ashtiani (R), e o comandante-chefe do exército iraniano, general Abdolrahim Mousavi, inspecionando equipamentos militares em um showroom do Ministério da Defesa em Teerã.  Foto: Iranian Army media office/AFP

O desafio de Israel sempre foi “impedir o principal impulso do ataque enquanto ainda deixa uma abertura que permita aos iranianos dizer que alcançaram seu objetivo”, escreveu Nahum Barnea, um comentarista do Yedioth Ahronoth, um jornal diário israelense. O perigo vem dos dois extremos, ele continuou: “Uma operação iraniana excessivamente bem-sucedida é susceptível de evoluir para uma guerra regional; uma operação iraniana excessivamente fracassada convidará outra operação iraniana”.

Publicidade

A missão do Irã nas Nações Unidas sugeriu em uma declaração nas redes sociais no sábado que, se Israel não responder, o Irã recuaria.

“A questão pode ser considerada concluída. No entanto, se o regime israelense cometer outro erro, a resposta do Irã será consideravelmente mais severa”, disse a declaração. Também advertiu que “os EUA deveriam manter distância!”.

Análise por Steven Erlanger

Correspondente diplomático na Europa, baseado em Berlim

Farnaz Fassihi

Chefe do escritório das Nações Unidas do Times

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.