Boicote de eleitores por crise econômica e protestos enfraquecem eleições parlamentares no Irã

Descontentamento geral no país torna incerta a taxa de participação no pleito; governo insta população a comparecer

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

DUBAI (ASSOCIATED PRESS) – O Irã realiza eleições parlamentares nesta sexta-feira, 1º, em meio a um descontentamento geral no país que torna incerto o número de eleitores que irão votar. Autoridades instam a população a comparecer, mas o contexto de economia em crise, protestos em massa contra a repressão e tensões com o Ocidente fez com que muitas pessoas escolhessem se abster e apelar ao boicote.

PUBLICIDADE

Ao contrário das eleições anteriores, nenhuma informação sobre a participação esperada foi divulgada este ano pelo centro de votação estatal ISPA. Dos 21 iranianos entrevistados recentemente pela Associated Press, apenas cinco disseram que votariam. Treze disseram que não e três disseram que estavam indecisos.

“Se eu protestar contra alguma falha, muitos policiais e agentes de segurança tentarão me impedir”, disse Amin, um estudante universitário de 21 anos que forneceu apenas o primeiro nome por medo de represálias. “Mas se eu morrer de fome na esquina de uma das ruas principais, eles não reagirão”.

Imagem mostra mulher em evento de campanha eleitoral em estádio de Teerã nesta quarta-feira, 28. Iranianos vão às urnas para eleições do Parlamento na sexta, 1º Foto: Atta Kenare/AFP

A eleição conta com mais de 15 mil candidatos para um parlamento de 290 membros, conhecido como Assembleia Consultiva Islâmica. O mandato dura quatro anos, e cinco assentos são reservados para as minorias religiosas do Irã.

O parlamento tem o dever de supervisionar o poder executivo, votar tratados e outras questões. Na prática, no entanto, o aiatolá Ali Khamenei exerce poder supremo no Irã. Nas últimas duas décadas, os membros mais próximos de Khamenei controlaram o parlamento.

A última legislatura foi presidida por Mohammad Bagher Qalibaf, antigo general da Guarda Revolucionária que apoiou a repressão violenta contra estudantes universitários em 1999. A gestão ficou caracterizada pela aprovação de um projeto de lei em 2020 que restringiu a cooperação de Teerã com a Agência Internacional de Energia Atômica, o órgão de vigilância nuclear da ONU.

A restrição se seguiu à retirada unilateral dos Estados Unidos do acordo nuclear do Irã com as potências em 2018, na presidência de Donald Trump. O ato desencadeou aumento de tensões no Oriente Médio, com o Irã voltando a enriquecer urânio com alto grau de pureza para ter combustível suficiente para armas nucleares.

Publicidade

No último ano, o parlamento iraniano se concentrou em questões morais, relacionadas ao uso obrigatório do hijab, o véu que cobre a cabeça nas vestes islâmicas, para mulheres. O debate ganhou força após a morte da jovem Mahsa Amini na prisão em 2022, após ter sido acusada de não usar o hijab da maneira correta.

A morte da iraniana de origem curda deu início a protestos nacionais, que logo ganharam adesão do público e se transformaram em uma manifestação de descontentamento geral, incluindo pedidos de derrubada dos governantes. As autoridades do Irã reprimiram os protestos, que acabaram em mais de 22 mil pessoas presas e 500, mortas.

Apelos ao boicote

Os apelos a um boicote eleitoral se espalharam nas últimas semanas no país, incluindo a participação da vencedora do prêmio Nobel da Paz pela defesa dos direitos das mulheres, Narges Mohammadi. Da prisão, Narges chamou a eleição de farsa e denunciou a repressão do governo iraniano.

“A República Islâmica, com a sua repressão implacável e brutal, assassinato de jovens nas ruas, execuções, prisão e tortura de homens e mulheres, merece sanções nacionais e desgraça global”, disse em comunicado.

A possibilidade do boicote pressionam o governo do país, que desde a Revolução Islâmica de 1979 reforça a legitimidade com base na participação eleitoral. Nesta quarta-feira, Ali Khamenei pediu em um comunicado que as pessoas votem nas eleições para cumprir um “dever nacional”. “Não há razão para não votar (...) Isso não resolve nenhum problema do país”, declarou.

Imagem de 2007 mostra ativista dos direitos humanos, Narges Mohammadi, durante encontro em Teerã sobre direito das mulheres. Mohammadi venceu o Prêmio Nobel da Paz pela atuação em defesa das mulheres Foto: Vahid Salemi / AP

“Aqueles que expressam falta de interesse nas eleições e incentivam outros a não participar deveriam pensar um pouco mais”, acrescentou. “Se a eleição for fraca, todos enfrentarão danos”.

Políticos e jornais do país estimam uma participação de apenas 30%. Embora o ISPA, o centro eleitoral do país, tenha realizado pesquisas eleitorais em outubro, os resultados não foram tornado públicos.

Publicidade

Nas eleições presidenciais de 2021, que levaram Ebrahim Raisi ao poder, a participação foi de 49%. O percentual foi o mais baixo em uma eleição presidencial, e milhões de votos foram declarados nulos. Em 2019, na última eleição parlamentar, a participação foi de 42% dos eleitores.

Além do parlamento, os iranianos também escolherão os membros da Assembleia de Especialistas, de 88 assentos, para um mandato de oito anos que tem o dever de nomear o próximo líder supremo do Irã após Khamenei, de 84 anos.

O ex-presidente Hassan Rouhani, considerado moderado pelo Ocidente e cujo mandato foi marcado pela assinatura do acordo nuclear com as potências mundiais em 2015, está fora dessa disputa.

Razões para não votar

Segundo pessoas ouvidas pela Associated Press, os problemas econômicos do Irã são a razão pela qual escolheram se abster. A inflação do país está em torno de 50%, e a taxa de desemprego entre jovens, 20%. “Não votarei”, disse Hashem Amani, de 55 anos, um comerciante de frutas no sul de Teerã. “Em 2021, votei em Raisi para se tornar presidente na esperança de que pessoas semelhantes no governo possam trabalhar juntas e construir uma vida melhor para mim. O que recebi em troca foi o aumento grande dos preços de tudo.”

Morteza, um taxista de 53 anos que informou apenas o primeiro nome por medo de represálias, também expressou descontentamento. “Por que devo votar?”, perguntou. “Votei muitas vezes no passado, mas estou pagando a educação de minhas três filhas. (...) Ainda moro de aluguel e me mudo constantemente para bairros mais pobres.”

Outros, como a iraniana Marzieh Moqaddam, de 42 anos, afirmam que irão votar. Ela comparou o voto a um dever religioso e insistiu que o país precisa “melhorar a cultura islâmica, como o hijab”.

Abbas Kazemi, um bancário de 32 anos, também disse que vai comparecer às urnas, mas com um objetivo diferente de Marzieh: proteger o parlamento do Irã da influência dos mais conservadores, que o controlam durante décadas. “Temos que manter as eleições vivas, caso contrário a linha dura irá encerrá-las para sempre”, disse ele.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.