PUBLICIDADE

China: terremoto de magnitude 6,2 é o mais mortal no país em 9 anos

Mais de cem pessoas morreram e centenas ficaram feridas nas províncias de Gansu e Qinghai

Foto do author Redação
Por Redação

Um forte terremoto durante a madrugada desta terça-feira, 19, sacudiu uma região montanhosa no noroeste da China, destruindo casas e deixando moradores na rua em uma noite de inverno abaixo de zero. Pelo menos 126 pessoas morreram, sendo o terremoto mais mortal registrado em nove anos no país.

O terremoto de magnitude 6,2 iniciou pouco antes da meia-noite, ferindo mais de 700 pessoas, danificando estradas e cortando energia e linhas de comunicação nas províncias de Gansu e Qinghai, segundo a imprensa estatal chinesa.

PUBLICIDADE

Enquanto serviços de emergência trabalhavam procurando pessoas desaparecidas em meio a prédios colapsados e pelo menos um deslizamento de terra, pessoas que perderam suas casas estavam se preparando para passar uma noite gelada em tendas apressadamente levantadas.

“Eu apenas me sinto ansioso, quais outros sentimentos poderia haver?”, disse Ma Dongdong, que teve três quartos em sua casa destruídas e parte da sua cafeteria, completamente rachada. Com medo de voltar para casa por causa dos tremores secundários, ele passou a noite em um campo com a esposa, seus dois filhos e alguns vizinhos, onde acenderam uma fogueira para se manterem aquecidos. No início da manhã, eles foram para um acampamento que Ma disse abrigar cerca de 700 pessoas. No meio da tarde, eles aguardavam a chegada de cobertores e agasalhos.

O terremoto aconteceu em uma profundidade relativamente rasa de 10 quilômetros no condado de Jishishan, em Gansu, a cerca de 5 quilômetros da fronteira provincial com Qinghai, disse o Centro de Redes Terremotos da China.

A emissora de TV estatal CCTV disse que 113 mortos foram confirmados em Gansu e 536 feridos. Treze outros foram mortos e 182 feridos em Qinghai, na área norte do epicentro, disse o Partido Comunista em uma entrevista coletiva.

Terremoto de magnitude 6,2 iniciou pouco antes da meia noite, ferindo mais de 700 pessoas, danificando estradas e cortando energia e linhas de comunicação nas províncias de Gansu e Qinghai. Foto: Chinatopix via AP

Tremores secundários

Houve nove tremores secundários por volta das 10h — cerca de 10 horas depois do terremoto inicial — e o maior deles registrou magnitude de 4,1. As autoridades de emergência em Gansu lançaram um apelo por 300 trabalhadores adicionais para operações de busca e salvamento, e as autoridades de Qinghai relataram o desaparecimento de 20 pessoas num deslizamento de terra, segundo a mídia estatal chinesa.

Publicidade

O terremoto foi sentido grande parte da área circundante, incluindo Lanzhou, capital da província de Gansu, cerca de 100 quilômetros a nordeste do epicentro. Fotos e vídeos postados por um estudante da Universidade de Lanzhou mostraram estudantes saindo às pressas de um dormitório. “O terremoto foi muito intenso”, disse Wang Xi, o estudante que postou as imagens. “Minhas pernas ficaram fracas, especialmente quando descemos correndo do dormitório.”

Fotos e vídeos postados por um estudante da Universidade de Lanzhou mostraram estudantes saindo às pressas de um dormitório. Foto: Wang Xi via AP

O número de mortos foi o mais alto desde agosto de 2014, quando um terremoto matou 617 pessoas na província de Yunnan, no sudoeste da China. O terremoto mais mortal do país nos últimos anos foi um terremoto de magnitude 7,9 em 2008, que deixou quase 90 mil mortos ou presumivelmente mortos e devastou cidades e escolas na província de Sichuan, levando a um esforço de anos para reconstruir com materiais mais resistentes.

Li Haibing, um especialista na Academia Chinesa de Ciências Geológicas, disse que o número relativamente elevado de vítimas no último terremoto foi em parte porque foi superficial. “Portanto, causou maior abalo e destruição, embora a magnitude não fosse grande”, disse ele.

Outros fatores incluem o movimento principalmente vertical do terremoto, que causa tremores mais violentos; a baixa qualidade dos edifícios em uma área relativamente pobre; e o fato de ter acontecido no meio da noite, quando a maioria das pessoas estava em casa, disse Li.

Barracas, camas dobráveis e colchas

PUBLICIDADE

O epicentro foi a cerca de 1,3 mil quilômetros a sudoeste de Pequim, a capital da China. A área remota e montanhosa é uma região predominante de grupos étnicos muçulmanos e perto de algumas comunidades tibetanas. Geograficamente, fica no centro da China, embora a região seja comumente referida como o noroeste, já que fica no extremo noroeste das planícies mais populosas da China.

Barracas, camas dobráveis e colchas estavam sendo enviadas para a área de desastre, de acordo com a CCTV. A emissora citou o líder chinês Xi Jinping pedindo por esforços totais de busca e resgate para minimizar as vítimas.

Durante a noite, a região registrou temperaturas de -15ºC a -9ºC. O The Beijing Youth Daily, um jornal do Partido Comunista, citou um coordenador de resgate dizendo que havia necessidade de geradores, casacos e combustível para fornos, entre outros itens.

Publicidade

Pelo menos 4 mil bombeiros, soldados e policiais foram acionados nos esforços de resgate. Um vídeo publicado pelo Ministério de Gestão de Emergências mostrou trabalhadores de emergência em uniformes laranja usando varas para tentar mover pedaços pesados do que pareciam ser detritos de concreto à noite. Outros vídeos distribuídos pela mídia estatal mostraram trabalhadores levantando uma vítima e ajudando uma pessoa que tropeçava caminhando em uma área coberta por neve leve.

Tendas foram levantadas para os moradores que ficaram desabrigados após o terremoto.  Foto: Chinatopix via AP

Dois moradores do condado de Jishishan relataram que havia rachaduras em suas paredes, mas seus prédios não desabaram. Eles não tinham certeza se era seguro permanecer em suas casas e estavam tentando descobrir onde passariam a noite.

Terremotos são relativamente comuns na área montanhosa do noroeste da China. Em setembro de 2023, 93 pessoas morreram em um terremoto de magnitude 6,8 que chocou a província de Sichuan, no sudoeste do país, provocando deslizamentos de terra e sacudindo edifícios em a capital da província de Chengdu, onde 21 milhões de residentes estavam sob bloqueio devido à covid-19./Associated Press.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.