PUBLICIDADE

Como os avanços da Rússia em armas nucleares espaciais preocupam os EUA

Declarações de um congressista americano sobre novas informações de inteligência relacionadas à Rússia deixaram Washington em alerta e enfureceram as autoridades da Casa Branca

Por Julian E. Barnes , Karoun Demirjian , Eric Schmitt e David E. Sanger
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Os Estados Unidos informaram o Congresso e seus aliados na Europa sobre os avanços russos em uma nova arma nuclear baseada no espaço, projetada para ameaçar a extensa rede de satélites americanos, segundo autoridades atuais e anteriores informadas sobre o assunto.

PUBLICIDADE

Tal arma, capaz de destruir satélites, se implantada, poderia destruir comunicações civis, vigilância do espaço e operações de comando e controle militar pelos Estados Unidos e seus aliados. No momento, os EUA não têm capacidade para contra-atacar tal arma e defender seus satélites, disse um ex-funcionário.

As autoridades disseram que as novas informações, das quais não deram detalhes, levantaram sérias questões sobre se a Rússia estava se preparando para abandonar o Tratado do Espaço Sideral de 1967, que proíbe todas as armas nucleares orbitais. Mas, como a Rússia não parece próxima de implantar a arma, disseram eles, não é considerada uma ameaça urgente.

O presidente russo, Vladimir Putin, discursa em uma sessão plenária do Fórum de Tecnologias do Futuro no World Trade Center em Moscou, Rússia, quarta-feira, 14 de fevereiro de 2024. Foto: Alexei Maishev / AP

As informações foram tornadas públicas, em parte, em um anúncio criptografado na quarta-feira pelo Representante Michael R. Turner, republicano de Ohio e presidente do Comitê de Inteligência da Câmara. Ele pediu à administração Biden que desclassificasse as informações sem especificar exatamente do que se tratava.

A ABC News relatou anteriormente que a inteligência tinha a ver com armas nucleares antissatélite baseadas no espaço da Rússia. Autoridades atuais e antigas disseram que o lançamento do antissatélite não parecia iminente, mas que havia uma janela de tempo limitada, que não definiram, para impedir sua implantação.

Preocupações sobre colocar armas nucleares no espaço remontam a 50 anos; era até mesmo um subtema dos episódios de “Star Trek” no final dos anos 1960, quando o tratado estava entrando em vigor. Os Estados Unidos experimentaram versões da tecnologia, mas nunca as implantaram. A Rússia vem desenvolvendo suas capacidades baseadas no espaço há décadas.

Autoridades militares dos EUA alertaram que tanto a Rússia quanto a China estão se movendo em direção à maior militarização do espaço, à medida que todos os três superpoderes trabalham em formas de cegar os outros.

Publicidade

Um relatório divulgado no ano passado destacou o desenvolvimento pela Rússia de armas para cegar outros satélites, mas observou que a Rússia havia se abstido de usar toda a gama de capacidades antissatélite que desenvolvera.

Implantar uma arma nuclear no espaço seria um avanço significativo na tecnologia russa e uma escalada potencialmente dramática. O Tratado do Espaço Sideral proíbe armas nucleares no espaço, mas a Rússia vem saindo de muitos tratados de controle de armas da Guerra Fria, vendo-os como um freio em sua fonte mais importante de poder militar.

A declaração de Turner e sua decisão de compartilhar a informação com outros no Congresso causaram alvoroço em Washington na quarta-feira sobre qual era a inteligência.

Mas a declaração enfureceu os funcionários da Casa Branca, que temiam a perda de fontes importantes de informação sobre a Rússia. Embora Turner tenha sido um aliado da Casa Branca na ajuda à Ucrânia, seus comentários na quarta-feira se tornaram o mais recente ponto de atrito nas tensas relações entre a administração Biden e os republicanos do Congresso.

O representante dos EUA Michael Turner (R-OH) em 21 de novembro de 2019.  Foto: Andrew Harrer / REUTERS

PUBLICIDADE

A inteligência foi desenvolvida nos últimos dias e, embora seja importante, disseram as autoridades, não é um tipo de aviso de emergência sobre qualquer ameaça iminente. Mas Turner instou sua liberação.

“Estou solicitando que o presidente Biden desclassifique todas as informações relacionadas a essa ameaça para que o Congresso, a administração e nossos aliados possam discutir abertamente as ações necessárias para responder a essa ameaça”, disse Turner.

Seu comitê tomou a medida pouco ortodoxa de votar na segunda-feira para disponibilizar as informações a todos os membros do Congresso — um passo que alarmou algumas autoridades porque não está claro em que contexto, se houver, a inteligência em posse do painel foi apresentada. Em uma nota aos legisladores, o Comitê de Inteligência da Câmara disse que a inteligência tratava de uma “capacidade militar estrangeira desestabilizadora”.

Publicidade

O Capitólio está atolado em um amargo impasse político sobre se os Estados Unidos deveriam mobilizar recursos para conter as ameaças russas à Ucrânia, uma causa que a maioria dos democratas e alguns republicanos — incluindo Turner — têm mantido como essencial para proteger os interesses de segurança nacional dos EUA. Mas a maioria dos membros republicanos da Câmara, incluindo o presidente Mike Johnson, rejeita os pedidos de levar ao plenário da Câmara o pacote de ajuda externa de US$ 60,1 bilhões para a Ucrânia aprovado pelo Senado.

O ex-presidente Donald J. Trump instigou a oposição republicana, dizendo no fim de semana que encorajaria a Rússia a “fazer o que quiser” a qualquer país da OTAN que não tivesse gasto dinheiro suficiente em sua própria defesa.

Outras autoridades disseram que o Turner estava fazendo mais da nova inteligência do que o esperado, talvez para criar pressão para instar a Câmara a votar o pedido de financiamento suplementar para a Ucrânia que o Senado aprovou esta semana.

Essa medida, fornecendo ajuda militar para Ucrânia, Israel e Taiwan, enfrenta uma perspectiva incerta na Câmara. Embora muitos republicanos se oponham a financiamentos adicionais, o Turner é um defensor fervoroso de mais assistência à Ucrânia e visitou recentemente Kiev, a capital.

Pouco depois do anúncio de Turner, Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional, entrou na sala de imprensa da Casa Branca para discutir a importância do financiamento contínuo para o exército da Ucrânia.

Mas Sullivan se recusou a responder a uma pergunta de um repórter sobre o teor do anúncio de Turner, dizendo apenas que estava marcado para se encontrar com o presidente na quinta-feira.

Jake Sullivan, o assessor de segurança nacional dos EUA, recusou-se a responder a uma pergunta de um repórter sobre o conteúdo do anúncio de Turner. Foto: Tom Brenner / The New York Times

“Agendamos uma sessão informativa para os membros da Câmara do Grupo dos Oito amanhã”, disse Sullivan, referindo-se a um grupo de líderes congressistas de ambos os partidos. “Isso já está marcado. Então, estou um pouco surpreso que o deputado Turner tenha saído publicamente hoje antes de uma reunião marcada para eu ir sentar com ele ao lado de nossos profissionais de inteligência e defesa.”

Publicidade

O representante Jim Himes, democrata de Connecticut e membro de maior hierarquia do Comitê de Inteligência da Câmara, disse que o problema era “grave” e que o Turner estava certo em focar nele. Mas ele acrescentou que a ameaça “não vai arruinar sua quinta-feira”.

Os senadores Mark Warner, democrata da Virgínia, e Marco Rubio, republicano da Flórida, disseram em comunicado conjunto que o Comitê de Inteligência do Senado vinha acompanhando o problema desde o início e discutiu uma resposta com a administração Biden. Mas os legisladores disseram que liberar informações sobre a inteligência poderia expor os métodos de coleta.

Na Casa Branca, quando Sullivan foi perguntado se poderia dizer aos americanos que não havia com que se preocupar, ele respondeu que era “impossível responder com um simples ‘sim’”.

“Os americanos entendem que há uma variedade de ameaças e desafios no mundo com os quais lidamos todos os dias, e essas ameaças e desafios vão desde o terrorismo até atores estatais”, disse Sullivan. “E temos que lidar com eles, e temos que lidar com eles de uma maneira que garanta a segurança máxima do povo americano. Estou confiante de que o presidente Biden, nas decisões que está tomando, vai garantir a segurança do povo americano no futuro.”

Turner se recusou a responder a perguntas na quarta-feira. Jason Crow, democrata do Colorado, disse que a nova inteligência era uma das várias “ameaças voláteis” enfrentadas pelos Estados Unidos.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, visitando a Rocket and Space Corporation (RSC) em Korolyov, nos arredores de Moscou, em 26 de outubro de 2023. Foto: GAVRIIL GRIGOROV / AFP

“Isso é algo que requer nossa atenção”, disse o Crow. “Não há dúvida. Não é uma crise imediata, mas certamente algo com o qual devemos levar muito a sério.”

Johnson, aparentemente tentando espalhar calma após o anúncio de Turner, disse que “não há necessidade de alarme público”.

Publicidade

“Vamos trabalhar juntos para resolver esse assunto”, disse ele.

O Tratado do Espaço Sideral foi um dos primeiros tratados importantes de controle de armas negociados entre os Estados Unidos e a União Soviética, e um dos últimos que permanece em vigor.

Se a Rússia sair do tratado espacial e deixar o Tratado

de Redução de Armas Estratégicas (New START), que limita armas nucleares estratégicas, expirar em fevereiro de 2026 — como parece provável —, isso poderia desencadear uma nova corrida armamentista, do tipo não vista desde os dias mais sombrios da Guerra Fria.

“O fim do Tratado do Espaço Sideral pode abrir as comportas para que outros países também coloquem armas nucleares no espaço”, disse Steven Andreasen, especialista nuclear da Escola de Assuntos Públicos Humphrey em Minneapolis. “Uma vez que você tenha armas nucleares orbitais, pode usá-las para mais do que apenas derrubar satélites.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.