Como os temidos serviços de segurança de Israel falharam em impedir o ataque do Hamas

Os serviços militares e de espionagem de Israel estão entre os melhores do mundo. Mas, no sábado, falhas operacionais e de inteligência levaram à pior violação das defesas israelenses em meio século

PUBLICIDADE

Por Ronen Bergman e Patrick Kingsley

NEW YORK TIMES -Pouco antes de os terroristas do Hamas invadirem Israel na madrugada de sábado, 7, a inteligência israelense detectou um aumento na atividade de algumas das redes de militantes de Gaza que ela monitora. Percebendo algo incomum acontecendo, enviaram um alerta para os soldados israelenses que guardavam a fronteira de Gaza, segundo dois oficiais de segurança israelenses de alto escalão.

PUBLICIDADE

Mas o alerta não foi seguido, seja porque os soldados não o receberam ou porque não o leram. Pouco depois, o Hamas, o grupo terrorista que controla Gaza, enviou drones para desativar algumas das estações de comunicação celular e torres de vigilância do exército israelense ao longo da fronteira, impedindo que os oficiais de plantão monitorassem a área remotamente com câmeras de vídeo. Os drones destruíram metralhadoras controladas remotamente que Israel havia instalado em suas fortificações de fronteira, removendo um meio importante de combater um ataque terrestre.

Isso tornou mais fácil para os terroristas do Hamas se aproximarem e explodirem partes da cerca da fronteira e destruí-la em vários lugares com uma facilidade surpreendente, permitindo que milhares de palestinos passassem pelas brechas.

Um tanque israelense abre fogo contra posições na Faixa de Gaza  Foto: Jack Guez/AFP

Essas falhas e fraquezas operacionais estão entre uma ampla gama de lapsos logísticos e de inteligência dos serviços de segurança israelenses que prepararam o caminho para a incursão de Gaza no sul de Israel, segundo quatro altos funcionários de segurança israelenses que falaram sob condição de anonimato.

A invasão de mais de 20 cidades israelenses e bases do exército nesse ataque foi a pior violação das defesas de Israel em 50 anos e abalou a sensação de segurança da nação. Durante horas, o exército mais forte do Oriente Médio ficou impotente para reagir contra um inimigo muito mais fraco, deixando as pequenas vilas e kibbutzim durante a maior parte do dia contra esquadrões de terroristas que mataram mais de 1.200 israelenses, entre eles soldados em trajes íntimos; sequestraram pelo menos 150 pessoas; invadiram quatro campos militares; e se espalharam por mais de 50 quilômetros quadrados do território israelense.

Falhas

As quatro autoridades disseram que o sucesso do ataque, com base em sua avaliação inicial, estava enraizado em uma série de falhas de segurança da comunidade de inteligência e dos militares de Israel, entre elas

  • Falha dos oficiais de inteligência em monitorar os principais canais de comunicação usados pelos terroristas palestinos;
  • Confiança excessiva em equipamentos de vigilância de fronteiras que eram facilmente desligados pelos agressores, permitindo que eles invadissem bases militares e matassem soldados em suas camas;
  • Agrupamento de comandantes em uma única base de fronteira que foi invadida na fase inicial da incursão, impedindo a comunicação com o restante das Forças Armadas;
  • E a disposição de aceitar como verdadeiras as afirmações dos líderes militares de Gaza, feitas em canais privados que os palestinos sabiam que estavam sendo monitorados por Israel, de que não estavam se preparando para a batalha.

Publicidade

Soldados israelenses ficam ao lado de corpos de israelenses assassinados por terroristas do Hamas no Kibutz Kfar Azza, próximo da fronteira com o enclave palestino  Foto: Ohad Zwigenberg / AP

“Gastamos bilhões e bilhões na coleta de informações sobre o Hamas”, disse Yoel Guzansky, ex-funcionário sênior do Conselho de Segurança Nacional de Israel. “Então, em um segundo, tudo desmoronou como um dominó”.

A primeira falha ocorreu meses antes do ataque, quando os chefes de segurança israelenses fizeram suposições incorretas sobre a extensão da ameaça que o Hamas representava para Israel a partir de Gaza.

O Hamas ficou de fora de combates com Israel no ano passado, permitindo que a Jihad Islâmica Palestina, um grupo armado menor em Gaza, enfrentasse os israelenses sozinho. No mês passado, a liderança do Hamas também encerrou um período de tumultos ao longo da fronteira, em um acordo mediado pelo Qatar, dando a impressão de que não estava buscando uma escalada.

“O Hamas está muito, muito contido e entende as implicações de um desafio maior”, disse na ocasião Tzachi Hanegbi, conselheiro de Segurança Nacional de Israel, em uma entrevista de rádio seis dias antes do ataque.

Uma unidade de artilharia israelense dispara contra a Faixa de Gaza ao longo da fronteira no sul de Israel, 11 de outubro de 2023. Mais de 1.200 israelenses foram mortos e mais de 2.800 ficaram feridos, de acordo com as Forças de Defesa de Israel (IDF), depois que o movimento terrorista Hamas lançou um ataque contra Israel da Faixa de Gaza em 7 de outubro Foto: Atef Safadi / EFE

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Quando os funcionários da inteligência israelense informaram os chefes de segurança sênior na semana passada sobre as ameaças mais urgentes às defesas do país, eles se concentraram nos perigos representados pelos militantes libaneses ao longo da fronteira norte de Israel. O desafio representado pelo Hamas quase não foi mencionado.

O Hamas está sendo dissuadido, disseram eles, de acordo com uma das autoridades de segurança. Nas ligações, os agentes do Hamas, que conversaram entre si quando foram grampeados por agentes da inteligência israelense, também deram a impressão de que queriam evitar outra guerra com Israel tão cedo após um conflito prejudicial de duas semanas em maio de 2021, segundo duas autoridades israelenses. A inteligência de Israel, segundo eles, está agora investigando se essas ligações foram reais ou encenadas.

A próxima falha foi operacional. Duas das autoridades disseram que o sistema de vigilância da fronteira israelense dependia quase que totalmente de câmeras, sensores e metralhadoras operados remotamente.

Publicidade

Confiança

Os comandantes israelenses confiaram demais na capacidade do sistema não sofrer invasões. Eles achavam que a combinação de vigilância e armas remotas, barreiras acima do solo e um muro subterrâneo para impedir que o Hamas cavasse túneis para Israel tornava quase impossível a infiltração em massa, reduzindo a necessidade de um número significativo de soldados fisicamente posicionados ao longo da própria linha de fronteira.

Com o sistema implementado, os militares começaram a reduzir o número de tropas no local, transferindo-as para outras áreas de interesse, inclusive a Cisjordânia, segundo Israel Ziv, um major-general aposentado que comandou as forças terrestres no sul por muitos anos, serviu como chefe da Divisão de Operações das Forças de Defesa de Israel de 2003 a 2005 e foi recentemente recrutado para a reserva novamente por causa da guerra.

“A redução das forças parecia razoável por causa da construção da cerca e da aura que criaram em torno dela, como se fosse invencível, como se nada pudesse passar por ela”, disse ele. Mas o sistema de controle remoto tinha uma vulnerabilidade: ele também podia ser destruído remotamente.

Terroristas do Hamas agitam a bandeira da Palestina e comemoram perto de um tanque israelense destruído na cerca da Faixa de Gaza, a leste de Khan Younis, no sul, sábado, 7 de outubro de 2023 Foto: Yousef Masoud/ AP

O Hamas aproveitou-se dessa fraqueza enviando drones aéreos para atacar as torres de celular que transmitiam sinais de e para o sistema de vigilância, de acordo com as autoridades e também com as imagens de drones divulgadas pelo Hamas no sábado e analisadas pelo The New York Times.

Sem sinais de celular, o sistema era inútil. Os soldados posicionados em salas de controle atrás das linhas de frente não receberam alarmes de que a cerca separando Gaza de Israel havia sido rompida e não puderam assistir aos vídeos que mostravam onde os terroristas do Hamas estavam derrubando as barricadas. Além disso, a barreira acabou sendo mais fácil de romper do que as autoridades israelenses esperavam.

Isso permitiu que mais de 1.500 combatentes de Gaza passassem por quase 30 pontos ao longo da fronteira, alguns deles em asas-delta que sobrevoavam o topo das barricadas, e chegassem a pelo menos quatro bases militares israelenses sem serem interceptados.

Fotos compartilhadas por um dos oficiais mostraram que muitos soldados israelenses foram baleados enquanto dormiam em seus dormitórios. Alguns ainda estavam usando roupas de baixo.

Publicidade

Soldados israelenses patrulham a cidade de Sderot, no sul de Israel, próximo da fronteira com a Faixa de Gaza  Foto: Martin Divisek/EFE

A segunda falha operacional foi o agrupamento de líderes da divisão de Gaza do exército em um único local ao longo da fronteira. Quando a base foi invadida, a maioria dos oficiais superiores foi morta, ferida ou feita refém, de acordo com dois dos oficiais israelenses.

Resposta

Essa situação, combinada com os problemas de comunicação causados pelos ataques de drones, impediu uma resposta coordenada. Isso impediu que qualquer pessoa ao longo da fronteira compreendesse toda a amplitude do atentafdo, inclusive os comandantes que correram de outros lugares em Israel para lançar um contra-ataque.

“Foi muito difícil entender o panorama dos diferentes ataques terroristas”, disse o general de brigada Dan Goldfuss, um comandante israelense que ajudou a liderar o contra-ataque.

Em um determinado ponto do terreno, o general encontrou - por acaso - um comandante de outra brigada. Naquele momento, os dois homens decidiram quais vilarejos suas respectivas unidades tentariam retomar.

“Decidimos apenas entre nós”, disse o general. “E foi assim que passamos, de um vilarejo para outro”.

Tudo isso significava que era difícil, especialmente nos estágios iniciais, comunicar a gravidade da situação ao alto comando militar em Tel Aviv.

Como resultado, ninguém ali percebeu a necessidade imediata de uma cobertura aérea rápida e em massa, mesmo quando as mídias sociais surgiram com relatos de ataques em muitas comunidades.

Publicidade

A Força Aérea levou horas para chegar a grande parte da área, embora tenha bases a apenas alguns minutos de distância em tempo de voo, de acordo com duas das autoridades israelenses e sobreviventes dos ataques.

As consequências foram catastróficas para a segurança de Israel, além de potencialmente prejudicar sua reputação na região como um parceiro militar confiável.

Antes de sábado, “Israel era um trunfo para muitos países da região em questões de segurança”, disse Guzansky. “A imagem agora é que Israel não é um ativo”.

Os serviços de segurança israelenses não contestam a escala de seu fracasso inicial. Mas eles dizem que isso só poderá ser investigado após o término da guerra.

“Nós vamos terminar isso”, disse o tenente-coronel Richard Hecht, porta-voz militar, enquanto o exército tentava recuperar o controle das comunidades no sábado. Mas, disse ele, “vocês sabem que isso será investigado”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.