PUBLICIDADE

Como um erro de cálculo levou à escalada no conflito entre Israel e Irã

Segundo fontes do governo americano, israelenses calcularam mal ataquer à embaixada iraniana na Síria, pensando que o Irã não reagiria com força

Por Ronen Bergman (The New York Times), Farnaz Fassihi (The New York Times), Eric Schmitt (The New York Times), Adam Entous (The New York Times) e Richard Pérez-Peña (The New York Times)
Atualização:

TEL AVIV - Israel estava a poucos momentos de um ataque aéreo no dia 1° de abril que matou vários comandantes iranianos do alto escalão no complexo da embaixada do Irã na Síria quando contou aos Estados Unidos o que estava prestes a acontecer. O aliado mais próximo de Israel acabara de ser apanhado de surpresa.

PUBLICIDADE

Assessores alertaram rapidamente Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional do presidente Biden; Jon Finer, vice-conselheiro de segurança nacional; Brett McGurk, coordenador de Biden para o Oriente Médio; e outros, que perceberam que o ataque poderia ter consequências graves, de acordo com um funcionário do governo dos EUA. Publicamente, as autoridades americanas manifestaram apoio a Israel, mas, em privado, expressaram raiva pelo fato de o país tomar medidas tão agressivas contra o Irã sem ter consultado Washington.

Os israelenses calcularam mal, pensando que o Irã não reagiria com força, de acordo com vários funcionários americanos envolvidos em discussões de alto escalão após o ataque, opinião partilhada por um alto funcionário israelense. No sábado, o Irã lançou em retaliação uma barragem de mais de 300 drones e mísseis contra Israel, resposta em escala inesperadamente grande, embora tenha causado danos mínimos.

Os acontecimentos deixaram claro que as regras não escritas do antigo conflito entre Israel e Irã mudaram drasticamente nos meses mais recentes, tornando mais difícil do que nunca para cada lado avaliar as intenções e reações do outro.

Um jornalista observa o míssil iraniano que caiu no Mar Morto, em Israel  Foto: Ohad Zwigenberg/AP

Desde o ataque de 7 de outubro a Israel por parte do Hamas, um aliado iraniano, e o subsequente bombardeamento de Israel contra a Faixa de Gaza, tem havido escalada após escalada e sucessivos erros de cálculo, aumentando o receio de um ciclo de retaliação que poderia potencialmente evoluir para uma guerra total.

Mesmo depois de se ter tornado claro que o Irã iria retaliar, as autoridades americanas e israelenses pensaram inicialmente que a escala da resposta seria bastante limitada, antes de se correrem para rever repetidamente a sua avaliação. Agora o foco está no que Israel fará a seguir – e em qual pode ser a resposta do Irã.

“Estamos em uma situação em que basicamente todos podem se dizer vitoriosos”, disse Ali Vaez, diretor para o Irã do Grupo de Crise Internacional. “O Irã pode dizer que se vingou, Israel pode dizer que derrotou o ataque iraniano e os Estados Unidos podem dizer que dissuadiram o Irã e defenderam Israel com sucesso.”

Publicidade

Mas Vaez disse: “Se entrarmos em outra rodada de retaliação, a coisa pode facilmente sair do controle, não apenas para o Irã e Israel, mas para o resto da região e para o mundo inteiro”.

Gabinete de guerra israelense, que conta com o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, o ministro da Defesa, Yoav Gallant e o ministro do gabinete de guerra, Benny Gantz, se reúne em uma base militar em Tel-Aviv, Israel  Foto: Escritório do primeiro-ministro de Israel/AFP

Tensão

O seguinte relato dessas semanas tensas foi obtido a partir de entrevistas com funcionários do governo dos EUA, bem como com funcionários do governo de Israel, do Irã e de outros estados do Oriente Médio. Todos eles falaram sob condição de anonimato para discutir assuntos delicados que não estavam autorizados a revelar publicamente.

O planejamento do ataque israelense na Síria começou dois meses antes, de acordo com duas autoridades israelenses. O alvo era Mohammad Reza Zahedi, comandante para a Síria e o Líbano da força de elite Quds do Irã, um ramo da Guarda Revolucionária Islâmica.

Cerca de uma semana antes, em 22 de março, o gabinete de guerra israelense aprovou a operação, de acordo com registros internos da defesa israelense que resumiam os preparativos para o ataque e foram vistos pelo New York Times. Os militares israelenses não comentaram a avaliação interna.

Esses registros também delinearam a gama de respostas do Irã esperadas pelo governo israelense, entre elas ataques em pequena escala por parte de seus representantes e um ataque em pequena escala partindo do próprio Irã. Nenhuma das avaliações previu a ferocidade da resposta iraniana que se viu.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, participa de uma reunião com oficiais militares do país persa  Foto: Escritório do líder supremo do Irã/EFE

Desde o dia do ataque, o Irã prometeu retaliar, tanto publicamente como por meio dos canais diplomáticos. Mas também enviou mensagens privadas indicando que não buscava uma guerra aberta com Israel – e muito menos com os Estados Unidos –, e esperou 12 dias para atacar.

As autoridades americanas encontraram-se em uma posição estranha e desconfortável: foram mantidas no escuro a respeito de uma ação importante de um aliado próximo, Israel, mesmo quando o Irã, um adversário de longa data, telegrafou as suas intenções com bastante antecedência. Os EUA e seus aliados passaram semanas envolvidos em intensos esforços diplomáticos, tentando conter primeiro o esperado contra-ataque iraniano e agora a tentação de Israel de responder na mesma moeda.

Publicidade

Quando aconteceu, na noite de sábado passado, a demonstração de força do Irã foi significativa, mas Israel, os EUA e outros aliados interceptaram quase todos os mísseis e drones iranianos. Os poucos que atingiram seus alvos surtiram pouco efeito. Autoridades iranianas dizem que o ataque foi planejado para infligir danos limitados.

As autoridades norte-americanas têm dito aos líderes israelenses que o sucesso de sua defesa deve ser encarado como uma vitória, sugerindo que pouca ou nenhuma resposta adicional seja necessária. Mas, apesar dos apelos internacionais por um recuo nas hostilidades, as autoridades israelenses argumentam que o ataque do Irã requer ainda outra resposta, que o Irã diz que responderia com ainda mais força, tornando a situação mais volátil.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, conversa com o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, em uma reunião em Tel-Aviv, Israel  Foto: Kenny Holston/NYT

“A questão agora é como Israel pode responder de forma a evitar que o Irã reescreva as regras do jogo sem provocar um novo ciclo de violência entre Estados”, disse Dana Stroul, antiga autoridade em políticas para o Oriente Médio no Pentágono. que está agora no Washington Institute for Near East Policy.

Na verdade, os líderes israelenses estiveram perto de ordenar ataques generalizados contra o Irã na noite do ataque iraniano, de acordo com funcionários do governo israelense.

Regras do conflito

Autoridades israelenses dizem que o ataque do Hamas de 7 de outubro, que os pegou de surpresa, mudou as regras básicas do conflito regional. Para os seus inimigos, foram o bombardeio e a invasão de Gaza por Israel que fizeram isso, e levaram a um aumento no lançamento de foguetes pelo Hezbollah, o representante do Irã no Líbano. Isso, por sua vez, atraiu fogo pesado de Israel.

O ataque aéreo israelense em Damasco matou sete oficiais iranianos, três deles generais, incluindo Zahedi. No passado, Israel matou repetidamente combatentes, comandantes e cientistas nucleares iranianos, mas nenhum ataque isolado aniquilou tantos integrantes do alto escalão militar do Irã quanto este.

Em março, a relação entre o governo Biden e Israel tinha se tornado cada vez mais tensa, conforme Washington criticava o ataque israelense a Gaza como desnecessariamente mortífero e destrutivo – “além da conta”, como disse o presidente Biden.

Publicidade

Depois veio o ataque israelense em Damasco. Além de esperarem até o último minuto para avisar os EUA, quando os israelenses o fizeram, foi uma notificação de nível relativamente baixo, de acordo com autoridades americanas. Nem havia qualquer indicação do quão sensível o alvo seria.

Mais tarde, os israelenses reconheceram que avaliaram mal as consequências do ataque, de acordo com autoridades dos EUA e uma autoridade israelense.

Uma menina palestina observa os escombros de um prédio destruído por um bombardeio israelense no campo de refugiados de Al Nusairat, em Gaza  Foto: Mohammed Saber/EFE

O secretário da defesa, Lloyd J. Austin III, queixou-se diretamente ao ministro da defesa de Israel, Yoav Gallant, em uma chamada em 3 de abril, disseram autoridades dos EUA, confirmando uma reportagem anterior do Washington Post. Austin disse que o ataque colocou em risco as forças dos EUA na região e que a falta de aviso não deixou tempo para reforçar suas defesas. Gallant não quis comentar o ocorrido.

A vulnerabilidade de milhares de soldados dos EUA mobilizados no Oriente Médio tornou-se muito clara no início da guerra entre Israel e Hamas, quando milícias apoiadas pelo Irã dispararam contra eles repetidamente, matando três e ferindo mais de 100. Esses ataques só cessaram no início de fevereiro depois de uma retaliação dos EUA e advertências ameaçadoras ao Irã.

Na noite do ataque a Damasco, o ministério dos assuntos estrangeiros do Irã convocou o embaixador suíço em Teerã para transmitir a indignação do Irã a Washington, juntamente com a mensagem de que considerava os EUA, o principal defensor de Israel, como responsável pelo ataque.

Utilizando Omã, Turquia e Suíça como intermediários – Irã e EUA não têm relações diplomáticas formais – os americanos deixaram claro ao Irã que o país não estava envolvido e que não queria uma guerra.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, cumprimenta o secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, David Cameron, em uma reunião de ministros do G-7 em Capri, Itália  Foto: Gregorio Borgia/AP

O governo iraniano iniciou uma campanha diplomática surpreendentemente aberta e ampla, espalhando a notícia de que via o ataque como uma violação da sua soberania que exigia uma retaliação.

Publicidade

O governo divulgou que estava trocando mensagens com os EUA e que o ministro dos assuntos estrangeiros, Hossein Amir Abdollahian, falava com representantes de países da região, altos funcionários europeus e lideranças das Nações Unidas.

Em 7 de abril, Abdollahian reuniu-se em Mascate, Omã, com o seu correspondente omanense, Badr Albusaidi. Omã é um dos principais intermediários entre Teerã e o Ocidente. A mensagem iraniana nessa reunião, de acordo com um diplomata informado sobre o assunto, foi que o Irã tinha de contra-atacar, mas que manteria o seu ataque contido e que não buscava uma guerra regional.

Antes e depois dessa reunião, houve um vendaval de telefonemas entre o general Charles Q. Brown Jr., presidente do estado-maior conjunto; o secretário de Estado Antony Blinken; Biden; Austin; Sullivan; os seus correspondentes em Israel, China, Índia e Iraque; aliados da Otan; e outros, de acordo com as fontes.

O governo Biden não considerou que pudesse dissuadir o Irã de atacar, disse uma autoridade dos EUA, mas esperava limitar a escala desse ataque.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, participa de uma reunião na sede da ONU, em Nova York, Estados Unidos  Foto: Yuki Iwamura/AP

Contenção

Blinken conversou com membros do alto escalão do gabinete israelense, garantindo-lhes que os EUA ajudariam na defesa contra um ataque iraniano e instando-os a não montar um contra-ataque precipitado sem levar em consideração todos os fatores.

As agências de inteligência americanas e israelenses trabalharam em estreita colaboração, com a ajuda da Jordânia e de outros países do Oriente Médio, para aprender o que pudessem sobre as intenções do Irã.

Intermediários e aliados disseram aos EUA e a Israel que o Irã planejava atingir instalações militares e não alvos civis, disseram autoridades dos EUA e de Israel.

Publicidade

A mensagem do Irã foi que iria moderar o seu ataque para não provocar um contra-ataque israelense, disseram autoridades israelenses e iranianas. Mas, na realidade, disseram os israelenses, o Irã estava expandindo seus planos de ataque e queria que pelo menos algumas das suas armas penetrassem nas defesas de Israel.

Inicialmente, os serviços militares e de inteligência de Israel esperavam que o Irã não lançasse mais do que 10 mísseis superfície-superfície contra Israel, um ataque que apelidaram de “Folhagem de outono”. Em meados da semana passada, perceberam que o Irã tinha algo muito maior em mente, e os israelenses aumentaram sua estimativa para 60 a 70 mísseis superfície-superfície. Mesmo isso acabou sendo muito otimista.

Na quarta feira, Biden reforçou publicamente o que ele e seus assessores tinham dito repetidamente: apesar dos atritos com o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu, o compromisso americano de defender Israel de ataques é “de ferro”.

Ainda assim, o governo Biden também redobrou seus esforços diplomáticos para evitar um confronto, e as autoridades iranianas disseram que seu governo recebeu apelos na semana passada pedindo contenção por parte de países da Ásia, Europa e África – um esforço que descreveram como frenético.

A Turquia, transmitindo uma mensagem iraniana, disse aos EUA que o ataque do Irã seria proporcional ao ataque a Damasco, segundo uma fonte diplomática turca. Abdollahian, ministro dos assuntos estrangeiros do Irã, disse à televisão estatal, no dia seguinte ao ataque iraniano, que o Irã tinha avisado seus vizinhos com 72 horas de antecedência a respeito do ataque, embora os detalhes desse aviso não sejam claros.

As autoridades israelenses dizem que, graças em parte à cooperação internacional, tinham uma boa ideia antecipada dos alvos e das armas do Irã. As Forças de Defesa de Israel afastaram famílias de algumas bases aéreas e protegeram aeronaves expostas ao perigo.

Os militares dos EUA coordenaram os esforços de defesa aérea com as forças israelenses, britânicas e francesas, bem como – crucialmente – com as da Jordânia, que fica entre o Irã e Israel. EUA e Israel têm trabalhado silenciosamente durante anos com países árabes amigos para desenvolver um sistema regional de defesa aérea com detecção e alertas partilhados. A iniciativa ganhou força após vários ataques de drones contra instalações petrolíferas da Arábia Saudita em 2019.

Publicidade

Um cartaz em uma avenida de Teerã, Irã, mostra os mísseis do país em uma ameaça a Israel  Foto: Arash Khamooshi/NYT

As notícias da primeira leva do ataque iraniano no sábado, composta por 185 drones relativamente lentos, espalharam-se por todo o mundo horas antes de qualquer um deles chegar a Israel. As três dúzias de mísseis de cruzeiro que o Irã lançou mais tarde foram muito mais rápidas, mas o maior desafio foram os mísseis balísticos do Irã, que viajaram várias vezes mais rápido que a velocidade do som. O Irã disparou 110 deles, constituindo o primeiro grande teste para o sistema de defesa antimísseis balísticos de Israel.

Aviões de guerra e sistemas de defesa aérea americanos, britânicos, franceses, israelenses e jordanianos abateram a maioria dos drones e mísseis antes de chegarem a Israel. Apenas 75 entraram no espaço aéreo israelense, onde a maioria deles também foi abatida, disseram autoridades israelenses. O ataque causou apenas danos menores a uma base aérea e apenas um ferimento grave foi relatado.

Durante o ataque, o ministério das relações exteriores do Irã e a Guarda Revolucionária mantiveram aberta uma linha direta com o governo de Omã, para transmitir mensagens aos EUA, disseram autoridades iranianas.

Às 3 da madrugada, o embaixador suíço em Teerã foi novamente convocado – não para o ministério dos assuntos estrangeiros, como é prática habitual, mas para uma base da Guarda Revolucionária, segundo um funcionário do governo iraniano e um funcionário do governo americano. Foi-lhe pedido que transmitisse a mensagem de que os EUA deveriam ficar fora da luta e que, se Israel retaliasse, o Irã atacaria novamente, com mais força e sem aviso prévio.

O Irã lançou a sua barragem contra Israel como um ato comedido e justificado que não deveria conduzir a uma escalada.

Um avião da Força Aérea de Israel é visto perto de uma base militar israelense no dia 15 de abril  Foto: Ohad Zwigenberg/AP

“Realizamos uma operação limitada, no mesmo nível e proporcional às ações malignas do regime sionista”, disse o major-general Hossein Salami, comandante-chefe da Guarda Revolucionária, na televisão estatal. “Essas operações poderiam ter sido muito maiores.”

Biden disse a Netanyahu em uma ligação que o sucesso da defesa de Israel demonstrou sua superioridade técnica, de acordo com John F. Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional.

Publicidade

“O presidente instou o primeiro-ministro a pensar sobre o que esse sucesso significa por si só para o resto da região”, disse Kirby na segunda feira.

Mas, em entrevistas, as autoridades israelenses descreveram o ataque em termos muito mais terríveis, em parte devido à sua escala. Eles enfatizaram que trata-se de uma nação soberana atacando Israel diretamente, a partir do seu próprio solo, e não através de representantes no exterior.

O gabinete de guerra de Israel ordenou aos militares que elaborassem planos para um amplo conjunto de ataques contra alvos no Irã, no caso de um ataque iraniano em grande escala. Depois que chegaram as notícias dos lançamentos iranianos no sábado, alguns líderes argumentaram a portas fechadas que Israel deveria retaliar imediatamente.

Esperar, disseram eles, permitiria o aumento da pressão internacional pela contenção israelense e poderia deixar o Irã pensar que tinha estabelecido novas regras básicas para o conflito, que Israel considera inaceitáveis. Entre os líderes que apresentaram esse argumento, de acordo com três autoridades israelenses, estavam Benny Gantz e Gadi Eisenkot, ex-chefes do Estado-Maior militar que faziam parte da oposição parlamentar ao governo de direita de Netanyahu e são geralmente considerados menos agressivos, mas que se juntaram ao gabinete de guerra no outono passado.

A Força Aérea Israelense estava pronta para cumprir a ordem, mas ela nunca chegou. Na noite de sábado, depois que Netanyahu conversou com Biden, e porque os danos foram limitados, o gabinete de guerra adiou uma decisão, e mais adiamentos se seguiram.

O mundo ainda está esperando para ver o que Israel fará. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.