EUA alertam aliados que a Rússia pode colocar uma arma nuclear em órbita este ano

Putin nega intenção de enviar armas nucleares para o espaço e agências de inteligência dos EUA estão divididas em sua opinião sobreo os planos da Rússia. Contudo, ameaça preocupa governo americano e aliados

PUBLICIDADE

Por David E. Sanger
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Os serviços de inteligência americanos comunicaram aos seus aliados europeus mais próximos que se a Rússia for lançar uma arma nuclear em órbita, provavelmente o fará este ano — mas que também poderia lançar um artefato inofensivo em órbita para deixar o Ocidente especulando sobre suas capacidades.

PUBLICIDADE

A avaliação foi feita enquanto os oficiais de inteligência americanos realizavam uma série de briefings classificados e apressados para seus aliados da Otan e da Ásia, à medida que os detalhes da avaliação americana das intenções da Rússia começaram a vazar.

As agências de inteligência americanas estão profundamente divididas em sua opinião sobre o que o presidente Vladimir V. Putin está planejando. Na terça-feira, Putin rejeitou a acusação de que pretendia colocar uma arma nuclear em órbita, e seu ministro da Defesa disse que o aviso de inteligência foi fabricado em um esforço para que o Congresso autorizasse mais ajuda para a Ucrânia.

O presidente russo Vladimir Putin (C), o ministro da Defesa Sergei Shoigu (R) e o Estado-Maior das Forças Armadas russas Valery Gerasimov (L) em Moscou, Rússia, em 19 de dezembro de 2023.  Foto: MIKHAIL KLIMENTYEV / EFE

Durante uma reunião com o ministro da Defesa, Sergei K. Shoigu, Putin disse que a Rússia sempre foi “categoricamente contra” a colocação de armas nucleares no espaço, e respeitou o Tratado do Espaço Sideral de 1967, que proíbe a militarização do espaço, incluindo a colocação de armas nucleares em órbita.

“Não apenas pedimos a observância dos acordos existentes que temos nessa área”, ele foi citado pela mídia estatal russa, “mas também propusemos muitas vezes fortalecer esses esforços conjuntos”.

Na quarta-feira, Putin reforçou o papel central que ele acredita que o arsenal nuclear da Rússia desempenha na defesa do país: visitando uma fábrica de aviação, ele entrou no compartimento de bombas de um bombardeiro estratégico Tu-160M, o mais moderno da frota russa.

Putin não fez segredo de seu interesse em modernizar os sistemas de entrega da Rússia da era da Guerra Fria, como o bombardeiro, que pode alcançar os Estados Unidos e é projetado para transportar duas dúzias de armas nucleares. E ele anunciou uma frota de novas armas — algumas ainda em desenvolvimento — incluindo o torpedo nuclear não tripulado Poseidon, que foi projetado para atravessar o Pacífico, sem controle humano, para explodir na Costa Oeste dos Estados Unidos. (A Rússia foi menos transparente sobre os acidentes que acompanharam os testes dessas novas armas.)

Publicidade

Mas uma arma espacial seria diferente. Ao contrário do restante dos arsenais russo ou americano, ela não seria projetada para atingir cidades ou instalações militares, ou qualquer lugar na Terra. Em vez disso, ela estaria alojada dentro de um satélite, capaz de destruir grupos de satélites comerciais e militares que circulam ao lado dele em órbita baixa da Terra, incluindo aqueles como o Starlink que estão remodelando as capacidades de comunicação global. Foi a capacidade da Ucrânia de conectar seu governo, seu exército e sua liderança via Starlink que desempenhou um papel crítico na sobrevivência do país nos primeiros meses após a invasão russa, há dois anos nesta semana.

O presidente russo Vladimir Putin discursa durante uma recepção para homenagear os formandos das academias militares no Kremlin em Moscou, Rússia, em 28 de junho de 2016. Foto: Alexei Druzhinin / REUTERS

De acordo com dois altos funcionários informados sobre a avaliação de inteligência que os Estados Unidos forneceram aos aliados, os funcionários americanos disseram que Putin pode acreditar que a mera ameaça de uma grande interrupção — mesmo que isso signifique explodir os próprios satélites da Rússia — poderia infundir seu arsenal nuclear com um novo tipo de dissuasão.

Se o bombardeiro Tu-160 no qual Putin embarcou na quarta-feira alguma vez lançasse suas bombas nos Estados Unidos ou em uma nação da OTAN, a retaliação provavelmente seria rápida. Mas, os analistas americanos disseram a seus colegas, Putin pode acreditar que a antiga doutrina da Guerra Fria da “destruição mútua garantida” não se aplicaria no espaço: Ninguém arriscaria uma guerra sobre a explosão de satélites, especialmente se não houvesse vítimas humanas.

Mas os funcionários americanos admitem que têm baixa confiança em sua própria análise sobre se Putin está realmente preparado para lançar uma arma nuclear em órbita. Eles concluíram que a Rússia testou um sistema desses no início de 2022, por volta do momento em que Putin ordenou a invasão da Ucrânia. Mas levou algum tempo para que as agências de inteligência americanas determinassem que o teste era um ensaio para colocar uma arma nuclear em órbita.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Agora, essas agências estão divididas em sua avaliação sobre o que pode acontecer em seguida. Alguns acreditam que Putin pode lançar uma arma “falsa”, mas deixar incerto se era falsa ou real — tornando uma resposta ainda mais difícil.

Mas a preocupação em Washington é alta o suficiente para que o secretário de Estado Antony J. Blinken tenha alertado seus colegas chineses e indianos no último fim de semana que, se uma arma nuclear fosse detonada em órbita baixa da Terra, também destruiria seus satélites. Ele os instou a usar sua influência com Putin para evitar que a arma fosse implantada.

Shoigu, o chefe da defesa, disse na terça-feira que a Rússia não estava violando o tratado de 1967, mas evitou falar sobre planos. “Não temos armas nucleares implantadas no espaço, nem elementos de armas nucleares sendo usados em satélites, nem campos criados para impedir que os satélites funcionem efetivamente”, disse ele, de acordo com relatos da mídia russa.

Publicidade

Um modelo de uma bomba aérea termonuclear soviética AN-602, também conhecida como Bomba Tsar, a arma nuclear mais poderosa já criada e testada, fica no pavilhão Atom, no Centro de Exposições de Toda a Rússia (VDNH), em Moscou, em 6 de dezembro de 2023.  Foto: NATALIA KOLESNIKOVA / AFP

“Não temos nada disso, e eles sabem que não temos, mas ainda estão fazendo barulho”, continuou ele, na reunião com o Putin. “O motivo pelo qual o Ocidente está fazendo esse barulho consiste em duas coisas: primeiro, para assustar senadores e congressistas, para extrair fundos supostamente não apenas para a Ucrânia, mas também para contrariar a Rússia e sujeitá-la a uma derrota estratégica.”

“E em segundo lugar, na nossa opinião, eles gostariam de nos empurrar de forma tão desajeitada para reiniciar um diálogo sobre estabilidade estratégica”, disse ele, uma referência a conversas que estavam brevemente em andamento antes da invasão da Ucrânia sobre a elaboração de um sucessor do tratado New START, que limita o número total de armas que os EUA e a Rússia podem implantar. O tratado expira em dois anos.

Essas discussões também exploraram novos tipos de armas e novas tecnologias, incluindo inteligência artificial, que poderiam representar novas ameaças nucleares. Mas as conversas terminaram com a invasão da Ucrânia e nunca foram retomadas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.