Análise|Na guerra na Ucrânia, queda de Avdiivka pode ser ponto de virada para vitória da Rússia

A queda de Avdiivka para a Rússia pode ser mais significativa do que parecia inicialmente, já que a Ucrânia está lutando contra o moral e o recrutamento.

PUBLICIDADE

THE NEW YORK TIMES - Centenas de soldados ucranianos podem ter sido capturados pelo avanço da Rússia ou estão desaparecido por causa da caótica retirada da Ucrânia da cidade de Avdiivka, no leste do país, segundo autoridades ocidentais. Seria uma perda devastadora, que pode causar um golpe no moral já enfraquecido das tropas de Kiev.

PUBLICIDADE

A captura de Avdiivka pela Rússia é uma perda simbólica significativa para as tropas ucranianas, um sinal do impacto no campo de batalha do fracasso dos EUA em aprovar mais assistência militar ao país. A diminuição dos suprimentos de projéteis de artilharia torna ainda mais difícil manter a linha de frente.

As estimativas de quantos ucranianos foram capturados ou estão desaparecidos variam, e uma contagem precisa pode não ser possível até que a Ucrânia consolide novas linhas defensivas fora da cidade. Mas duas autoridades com conhecimento da retirada da Ucrânia estimaram que 850 a 1.000 soldados parecem ter sido capturados. As autoridades ocidentais confirmaram esse número.

Soldados ucranianos disparam um obuseiro M101A1 de 105 mm contra alvos russos perto de Avdiivka, Ucrânia, 14 de fevereiro de 2024.  Foto: Tyler Hicks / NYT

As autoridades americanas afirmam que a perda de Avdiivka não é um revés estratégico significativo, os ganhos russos no leste da Ucrânia não levarão ao colapso das linhas de defesa ucranianas, e que é improvável que Moscou consiga dar sequência a outra grande ofensiva.

Mas a captura dos soldados pode mudar esse cálculo. Autoridades americanas afirmaram nos últimos dias que o moral das tropas ucranianas já estava desgastado, na esteira de uma contraofensiva fracassada no ano passado e da remoção de um comandante de alto escalão. Devido a esses problemas, as Forças Armadas ucranianas têm enfrentado dificuldades com o recrutamento.

As autoridades militares da Ucrânia disseram que querem mobilizar até 500.000 pessoas a mais, mas o pedido encontrou resistência política e está parado no Parlamento. A captura de centenas de soldados, especialmente aqueles com experiência no campo de batalha, aumentaria a necessidade de mais tropas e complicaria o esforço para recrutar mais.

Como resultado, a queda de Avdiivka pode ser mais importante do que parecia inicialmente. O comando militar ucraniano reconheceu que alguns soldados foram capturados na retirada de Avdiivka, mas tentou minimizar os números e a importância.

Publicidade

No sábado, o general Oleksandr Tarnavski, comandante dos militares ucranianos na área, disse no aplicativo de mensagens Telegram que a retirada havia ocorrido de acordo com o planejado, mas “no estágio final da operação, sob pressão das forças superiores do inimigo, alguns militares ucranianos foram capturados”. Ele não revelou quantos.

Dmitro Likhovii, porta-voz do general Tarnavski, contestou os relatos de que centenas de soldados foram capturados, chamando-os de desinformação. Mas ele reconheceu que a Rússia havia capturado alguns membros do serviço e que um “certo número” de soldados estava desaparecido.

No entanto, alguns soldados e autoridades ocidentais disseram que a falha na execução de uma retirada ordenada e o caos que se desenrolou na sexta-feira e no sábado, quando as defesas entraram em colapso, foram diretamente responsáveis pelo que parece ser um número significativo de soldados capturados.

Autoridades disseram que a retirada ucraniana foi mal planejada e começou tarde demais. Os soldados e as autoridades ocidentais falaram sob condição de anonimato para discutir questões confidenciais de inteligência que estão em desacordo com as declarações do governo ucraniano.

A retirada sob fogo de artilharia, drones e ataques aéreos é uma das manobras militares mais difíceis, desafiando os comandantes a minimizar a perda de vidas e permitir que as unidades recuem sem ceder mais terras do que o pretendido.

Nesta foto divulgada pelo Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Rússia na segunda-feira, 19 de fevereiro de 2024, dois soldados das unidades de engenharia militar russas eliminam o perigo de minas na cidade de Avdiivka, no leste da Ucrânia. Foto: Forças Armadas da Rússia / AP

Com base em entrevistas com soldados, as forças da Ucrânia não estavam preparadas para a rapidez com que o avanço russo em Avdiivka ganhou velocidade na semana passada.

A Ucrânia tentou ganhar tempo para que suas forças de infantaria regulares recuassem para fora da cidade, usando batalhões de operações especiais e a 3ª Brigada de Assalto de elite para cobrir a retirada. Mas as unidades não conseguiram retardar o avanço russo ou retirar todos os soldados ucranianos.

Publicidade

Autoridades ucranianas dizem que as forças russas também sofreram grandes perdas na batalha. A Rússia tomou Avdiivka com um ataque em massa, enviando tropas e veículos blindados até que as defesas ucranianas cedessem. Milhares de soldados russos foram mortos e feridos, disseram as autoridades.

Uma retirada caótica não é inevitável. Retirar as tropas sem sofrer grandes perdas é difícil, mas possível, se for feito em uma operação deliberada e sem pressa, de acordo com os estrategistas americanos.

Em Avdiivka, a Ucrânia pareceu ter esperado muito tempo para começar a sair, e a retirada frenética rapidamente se tornou dispendiosa.

Para os ucranianos, o desafio de sair de Avdiivka foi agravado pelo fato de a Rússia ter cercado a cidade por quase três lados. Uma única estrada pavimentada era o caminho mais viável para entrar e sair da cidade. Essa rota, que as tropas ucranianas apelidaram de estrada da vida, ficou sob ameaça direta no início deste mês, tornando a retirada muito mais perigosa.

Quando as forças ucranianas começaram a recuar, vídeos e fotos mostravam unidades recuando sob fogo de artilharia e corpos espalhados ao longo das estradas e nas linhas de árvores. Há muito tempo, as unidades militares ucranianas têm dificuldades para se comunicar entre si, pois geralmente possuem equipamentos de rádio diferentes. Soldados com conhecimento da retirada disseram que os problemas de comunicação foram um fator na retirada, levando os soldados a serem capturados, mortos e feridos.

Os soldados entrevistados pelo The New York Times sugeriram que algumas unidades recuaram antes que outras soubessem da retirada. Isso colocou as unidades que ficaram para trás em risco de serem cercadas pelos russos.

Desde o início da guerra, há quase dois anos, as forças russas têm tentado cercar e capturar as forças ucranianas. Embora defesas bem preparadas e drones aéreos tenham impedido o sucesso de muitas dessas manobras, em Avdiivka, o cerco russo parece ter funcionado. Autoridades ocidentais sugerem que a manobra foi um dos motivos pelos quais os soldados foram capturados durante a retirada.

Publicidade

Um soldado ucraniano posicionado em Avdiivka, região de Donetsk, Ucrânia, em 18 de agosto de 2023. Foto: AP

Vídeos não verificados postados nas mídias sociais também mostraram as forças russas executando tropas ucranianas em Avdiivka e arredores. No domingo, o escritório do promotor de Donetsk, no leste da Ucrânia, disse no Telegram que estava lançando uma investigação sobre “os disparos de prisioneiros de guerra ucranianos desarmados em Avdiivka e Vesele”.

O próprio Kremlin não parece ter se preparado para a velocidade do colapso ucraniano em Avdiivka. Geralmente, a propaganda do Kremlin veiculada pela mídia de notícias controlada pelo Estado lidera os temas nas mídias sociais russas, disse Jonathan Teubner, executivo-chefe da FilterLabs AI, que estuda as mensagens e a opinião pública russas. Mas quando a defesa ucraniana em Avdiivka entrou em colapso, as discussões nas mídias sociais russas começaram a mudar antes que o Kremlin definisse novas mensagens.

“A Rússia também não estava preparada para isso em termos de uma blitz de propaganda preparada”, disse Teubner. “Eles agora se aproveitaram disso, mas ainda não conseguiram lançar uma campanha de mensagens coordenada e bem-sucedida.”

Os prisioneiros de guerra são um dos maiores desafios para o moral em qualquer guerra. A Ucrânia tem pressionado a Rússia repetidamente para concordar com a troca de prisioneiros. Em novembro, o governo ucraniano disse que a Rússia tinha 3.574 militares ucranianos em cativeiro.

Em janeiro, a Ucrânia usou um míssil Patriot fornecido pelo Ocidente para derrubar um avião de carga russo que, segundo as autoridades, transportava mísseis e munições. As autoridades russas disseram que o avião estava transportando prisioneiros de guerra ucranianos. As autoridades americanas disseram que parecia provável que alguns prisioneiros ucranianos estivessem no avião.

Análise por Julian Barnes

The New York Times

Thomas Gibbons-Neff

The New York Times

Eric Schmitt

The New York Times

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.