Lula volta a dizer que plano de paz de Kiev é ‘rendição da Rússia’ e propõe cessar-fogo

Mediação também foi discutida com papa Francisco, mas o pontífice deve liderar conversas próprias com Kiev e Moscou, segundo o presidente brasileiro

PUBLICIDADE

Foto do author Felipe Frazão
Por Felipe Frazão
Atualização:

ENVIADO ESPECIAL A ROMA E AO VATICANO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a dizer que a proposta de paz feita pela Ucrânia para tentar pôr fim à invasão da Rússia ao país seria uma “rendição da Rússia”.

PUBLICIDADE

Antes de deixar à Itália, onde se encontrou com o papa Francisco e com a primeira-ministra do país, Giorgia Meloni, Lula foi questionado por jornalistas italianos se estava de acordo com as condições de paz propostas pela Ucrânia – a “fórmula da paz” de Zelenski.

A proposta prevê a retirada total das tropas russas e devolução do território ocupado, entre outros pontos. Assim como fez em outras ocaisões, o presidente brasileiro disse que a proposta equivale a uma rendição russa.

“Um acordo de paz não é uma rendição”, respondeu Lula. “No acordo de paz, os dois envolvidos têm que ceder em alguma coisa, senão não tem acordo. Se tem uma proposta em que alguém tem que ceder 100%, não é acordo, é imposição. E quem sabe o que é necessário para ter acordo são os ucranianos e os russos, não sou eu brasileiro, muito menos qualquer pessoa que não seja russa nem ucraniana.”

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, responde a jornalistas durante coletiva de imprensa na Itália, em meio a visita oficial do presidente ao país europeu e ao Vaticano  Foto: Massimo Percossi / EFE

A recorente fala de Lula sobre a suposta “rendição russa” ecoa o discurso do presidente russo, Vladimir Putin, e já foi criticada por especialistas em relações internacionais.

A Rússia invadiu a Ucrânia e ocupou ilegalmente territórios ucranianos. Dizer que um plano de paz que inclua a retirada das tropas russas e a devolução de território ocupado ilegalmente é “rendição” cria uma falsa equivalência entre agredido e agressor.

Analistas também dizem que esse posicionamento de falsa neutralidade atrapalha a relação do Brasil com países ocidentais que defendem a total retirada russa de território ucraniano.

Publicidade

Cessar-fogo

Lula também propôs nesta quinta-feira, dia 22, que a guerra na Ucrânia seja paralisada com um cessar-fogo como condição para o início das negociações de paz entre Kiev e Moscou. Lula sugeriu que os soldados ucranianos e russos devem “parar de atirar” para dar início a conversas em que cada lado na guerra ceda um pouco de sua posição inicial.

O presidente afirmou que busca a formação de um grupo de países “não alinhados” para sugerir mecanismos de resolução diplomática do conflito. Segundo ele, a abordagem conjunta para o cessar-fogo e posterior mesa de negociação envolveria Brasil, China, Índia, Indonésia, México e Argentina, além de representantes da África.

“É preciso colocar os atores numa mesa de negociação, é preciso parar de atirar e tentar encontrar uma solução pacífica”, afirmou o presidente. “É preciso convencer o Putin e o Zelenski que o melhor negócio é acabar com a guerra e tentar saber em que condições vamos voltar à normalidade.”

Lula discutiu suas ideias com o papa Francisco, no Vaticano, mas indicou que o pontífice não necessariamente vai participar desta tentativa de formar um grupo de países. Lula afirmou que o chefe de Estado da Santa Sé e autoridade máxima da Igreja Católica tem “personalidade própria do ponto de vista jurídico, moral e político” para liderar individualmente conversas de lado a lado.

O papa Francisco se encontrou com o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, em audiência no Vaticano  Foto: Assessoria de imprensa do Vaticano / REUTERS

PUBLICIDADE

Tanto Kiev quanto Moscou mantém interlocução com o Vaticano. “O papa Francisco é hoje a mais importante autoridade política que existe no planeta Terra, não só pelo que representa, mas por sua postura”, afirmou Lula, em entrevista a jornalistas. “O papa tem mandado seus cardeais que estão discutindo com Zelenski e com Putin.”

Lula reiterou que o Brasil votou pela condenação da ocupação da Ucrânia pela Rússia em resoluções nas Nações Unidas. O país vem defendendo o cessar-fogo, que se choca com a proposta das potências ocidentais aliadas da Ucrânia. Os Estados Unidos e a União Europeia exigem, ao lado dos ucranianos, a retirada imediata das tropas russas.

Lula disse que considera um problema o fato de os Estados Unidos e a União Europeia estarem completamente envolvidos na guerra, o que prejudica sua capacidade negociadora.

Publicidade

Guerra fria

Lula disse que “ninguém mais aceita uma nova guerra fria”, como a configuração polarizada entre EUA e China, e disse ter conversado sobre os aspectos da guerra com o presidente da Itália, Sergio Mattarella, e o papa Francisco.

“O jogo já não é mais o mesmo quando a guerra começou, tem outros ingredientes, porque tem muitas mortes e destruição. Na minha cabeça a primeira coisa a fazer é convencê-los a parar a guerra e sentar para conversar e para dizer o seguinte ‘eu não abro mão disso ou daquilo’ até que a gente encontre um denominador comum. Isso leva tempo, mas quando o ser humano está disposto a fazer ele faz”, afirmou Lula, durante entrevista coletiva antes de deixar a Itália rumo à França.

Em visita oficial a Itália, o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, se encontrou com a primeira-ministra do país, Giorgia Meloni, em Roma  Foto: Flippo Attili/ EFE

Amorim na Cúpula da Paz

O presidente também informou que vai enviar seu assessor especial Celso Amorim a uma reunião convocada pela Ucrânia, em Copenhagen, Dinamarca. Ele seguirá para a reunião na sequência da viagem a Roma e Paris.

O governo Volodmir Zelenski convidou o Brasil, África do Sul, Índia e China, além dos países do G-7, para discutir a organização de uma conferência de paz.

Segundo Lula, Amorim conversou com os bispos envolvidos nas tentativas de mediação da paz empreendidas pelo papa Francisco. O cardeal Matteo Zuppi já visitou Kiev e deve ser recebido em Moscou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.