PUBLICIDADE

Dois navios dos EUA com carga do Departamento de Defesa são atacados por Houthis do Iêmen

Segundo o Comando Central Militar dos EUA, os Houthi teriam dispararado “três mísseis balísticos antinavios”

Foto do author Redação
Por Redação

Dois navios dos Estados Unidos com carga para o Departamento de Defesa do país foram atacados pelos rebeldes Houthi do Iêmen, afirmaram autoridades. A Marinha dos EUA interceptou parte dos disparos. Os ataques às embarcações Maersk Detroit e Maersk Chesapeake elevam ainda mais a tensão nos contínuos ataques do grupo no vital Estreito de Bab el-Mandeb. Os EUA e o Reino Unido lançaram múltiplos ataques aéreos para tentar deter esses ataques.

Uma pessoa observa obras de arte em exibição em uma cerca como parte de uma exposição de arte ao ar livre em solidariedade ao povo palestino, em Sana'a, Iêmen, em 23 de janeiro de 2024  Foto: EFE/EPA/YAHYA ARHAB

PUBLICIDADE

A empresa dinamarquesa Maersk, em comunicado à Associated Press, identificou dois de seus navios afetados pelos ataques como os navios porta-contêineres dos EUA. Ambos os navios estavam acompanhados pela Marinha dos EUA no momento do ataque. As embarcações transportavam carga pertencente aos Departamentos de Defesa e Estado dos EUA, além de outras agências governamentais, o que significa que estavam “protegidas pela Marinha dos EUA para passar pelo estreito”. Os navios eram operados pela Maersk Line, uma subsidiária dos EUA da Maersk, que anunciou a “suspensão de trânsitos na região até novo aviso”.

O Comando Central Militar dos EUA, em comunicado online, culpou os Houthi pelo ataque, afirmando que dispararam “três mísseis balísticos antinavios”. “Um míssil atingiu o mar”, afirmou o comunicado. “Os outros dois mísseis foram interceptados e derrubados pelo USS Gravely”, um destróier de mísseis guiados da classe Arleigh Burke. O Comando Central não respondeu a mais perguntas da AP. Os Houthi, que têm atacado navios desde novembro devido à guerra de Israel contra o Hamas na Faixa de Gaza, não reconheceram imediatamente o incidente.

Desde novembro, os rebeldes têm mirado repetidamente em navios no Mar Vermelho, alegando vingar a ofensiva de Israel em Gaza contra o Hamas. No entanto, frequentemente visam embarcações com ligações tênues ou nenhuma ligação clara com Israel, ameaçando o transporte em uma rota chave para o comércio global. Os EUA e o Reino Unido lançaram ataques aéreos visando locais suspeitos de armazenamento e lançamento de mísseis usados pelos Houthi em seus ataques. Os rebeldes agora afirmam que também visarão navios americanos e britânicos.

Enquanto isso, o Catar, um dos maiores exportadores mundiais de gás natural liquefeito, alertou que suas entregas foram afetadas pelos contínuos ataques dos Houthi. Remessas anteriores já haviam sido atrasadas antes de passarem pelo Golfo de Aden e pelo Mar Vermelho. O Catar, que atuou como mediador entre o Hamas e Israel, ainda não teve nenhum de seus navios atacados.

Uma declaração de sua produtora estatal QatarEnergy afirmou que sua “produção continua ininterrupta, e nosso compromisso em garantir o fornecimento confiável de GNL aos nossos clientes permanece inabalável”. “Enquanto os desenvolvimentos em andamento na área do Mar Vermelho podem impactar o agendamento de algumas entregas, pois seguem rotas alternativas, os embarques de GNL do Catar estão sendo gerenciados com nossos valiosos compradores”, dizia a declaração. A declaração sugere que as cargas da QatarEnergy estão agora contornando o Cabo da Boa Esperança./AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.