PUBLICIDADE

Qual o lado do Brasil na guerra? Neutralidade na Ucrânia vira aposta arriscada para o governo

Apesar da troca de governo, Brasil tenta manter neutralidade histórica do Itamaraty para evitar atritos com Moscou, mas postura será insustentável caso guerra escale

PUBLICIDADE

Foto do author Carolina Marins
Por Carolina Marins

Um ano após o início da guerra na Ucrânia, o Brasil tenta equilibrar sua posição de neutralidade no conflito e lançar-se diplomaticamente como intermediador de um plano de paz, o que desperta descontentamentos entre americanos, europeus e ucranianos. Embora o Itamaraty de Lula esteja revertendo as políticas do governo de Jair Bolsonaro, a posição frente à invasão russa se manteve ambígua, uma estratégia que especialistas e embaixadores questionam se será viável manter caso a guerra escale.

PUBLICIDADE

“Aquela ideia de que o Brasil é sempre distante e quer ficar em cima do muro, por um lado nos deu uma certa tranquilidade, mas por outro poderá colocar o Brasil numa situação difícil daqui para frente”, aponta o professor de Relações Internacionais da FGV, Guilherme Casarões. “Porque, dependendo do agravamento da guerra, o Brasil vai ser instado a se posicionar, e a gente não sabe exatamente como que o Brasil vai conseguir atuar.”

A posição do Ministério das Relações Exteriores frente ao conflito na Europa é o grande “elefante na sala” da diplomacia brasileira, apontam analistas, em referência à expressão inglesa para problemas desconfortáveis que são deixados de lado para evitar conflitos. Assim como demais nações emergentes, o Brasil, sob o comando do chanceler Mauro Vieira, optou por não isolar a Rússia e adotar uma postura de diálogo com ambas as partes do conflito.

Isso ocorre porque, ao mesmo tempo, o País possui laços políticos e comerciais importantes com americanos e a União Europeia e tem, do outro lado do conflito, um parceiro brasileiro de longa data que sustenta o consumo de fertilizantes e integra o Brics.

Esta reportagem faz parte da série especial do Estadão sobre o primeiro ano da guerra. Ao longo dos próximos dias, a cobertura do jornal abordará o papel do Brasil na guerra, as perspectivas do conflito para o futuro, os arsenais dos dois países envolvidos nos combates e o drama dos refugiados.

Conflito na Ucrânia completa um ano na madrugada desta quinta-feira, 24 Foto: Alex Babenko/Reuters

“A diplomacia brasileira até agora, e já no governo Bolsonaro, adotou uma linha ambígua”, aponta o ex-embaixador do Brasil em Washington, Rubens Ricupero. “O Brasil votou para condenar a invasão nas Nações Unidas, mas nas outras vezes se absteve. Quando condenou fez uma declaração dizendo que não aprovava o fornecimento de armas à Ucrânia.”

Ainda sob o comando de Bolsonaro, o Brasil votou no Conselho de Segurança da ONU por condenar a invasão russa, mas se absteve de condenar a anexação ilegal de territórios, responsabilizar Moscou e até de deixar Volodmir Zelenski discursar na Assembleia-Geral.

Publicidade

Sob Lula, o País decidiu rejeitar o envio de munições à Ucrânia, apesar dos apelos do chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, em visita a Brasília em janeiro. No início deste mês, no entanto, o presidente aumentou as críticas à Rússia durante a visita a Joe Biden nos EUA. Na ocasião, o presidente brasileiro lamentou “a violação da integridade territorial da Ucrânia pela Rússia” e ainda citou “violações flagrantes do direito internacional” por Moscou.

Neutralidade ou conivência?

A decisão de Lula de não ajudar os ucranianos, no entanto, pode ser vista como um apoio tácito à Rússia, na avaliação de diplomatas e ex-embaixadores. “O Ocidente não fornecer armas à Ucrânia para se defender seria condená-la à anexação total pela Rússia”, lamenta o ex-embaixador do Brasil nos EUA e na China, Roberto Abdenur.

Uma afirmação semelhante foi feita por Rubens Ricupero. “Ser neutro diante da barbaridade que está acontecendo é ser, na prática, leniente ou quase conivente com a Rússia”, completa Abdenur.

Declarações recentes da chancelaria russa corroboram essa visão. Na quinta-feira, 23, o vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia, Mikhail Galuzin elogiou a posição do Brasil na guerra e prometeu analisar uma proposta de paz sugerida por Lula, desde que as condições na linha de frente permitam uma negociação.

Comércio com a Rússia

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Outro importante motivo é não prejudicar as relações comerciais com Moscou, responsável por grande parte das importações de fertilizantes do Brasil, especialmente em um cenário de rusgas entre o novo governo e o agronegócio.

Apesar das sanções ocidentais à Rússia, o comércio entre Brasil e Moscou aumentou em 2022, seguindo uma tendência crescente que se desenha desde 2020, segundo dados do Ministério da Economia. As importações de produtos russos em 2022 foram 37% maiores que em 2021, enquanto as exportações cresceram 23%. O país foi o 6º maior vendedor de produtos para o Brasil, sendo que 71% desse comércio foi de adubos e fertilizantes químicos.

“A Rússia acaba sendo uma economia muito central na produção de insumos e seria difícil substituí-la tão rapidamente”, pontua Christopher Mendonça, professor de Relações Internacionais do Ibmec-BH. “Mas evidentemente há alternativas no médio e longo prazo. Inclusive o próprio Brasil já tem produzido fertilizantes nacionais.”

Publicidade

Ainda assim, o comércio do Brasil com a Rússia representa menos de 3% de todo comércio brasileiro, nada em comparação com China e Estados Unidos, alerta Abdenur. “Mesmo que o Brasil condenasse a Rússia, a Rússia está precisando de dinheiro e ela não deixaria de vender fertilizante para o Brasil, porque ela precisa de dinheiro. Tanto que ela está vendendo muito petróleo e gás para China e Índia”, exemplifica o diplomata.

Russos e chineses

Em abril, está programada a visita do chanceler russo Serguei Lavrov ao Brasil. Abdenur pontua que fechar às portas ao russo não seria uma opção, mas é preciso tomar cuidado com manifestações calorosas à Rússia neste momento.

Em entrevista ao UOL logo após a visita de Lula a Biden, o chanceler brasileiro afirmou que a mensagem a ser dada a Lavrov na visita será de condenação à guerra, ao mesmo tempo que abrirá espaço para o diálogo.

Antes, o presidente brasileiro viaja à China, onde pretende levar seu plano de um grupo emergente para negociar a paz na Ucrânia a Xi Jinping.

Nesta quinta-feira, 23, a Assembleia-Geral da ONU aprovou por 141 votos uma nova resolução que busca “uma paz abrangente, justa e duradoura na Ucrânia” e pede a retirada imediata das tropas russas, em que há trechos com elaboração da diplomacia brasileira. As resoluções da assembleia não são vinculantes, mas carregam peso simbólico e não podem ser vetadas pela Rússia como ocorre no Conselho de Segurança.

Em paralelo, a Ucrânia trabalha para quebrar a neutralidade da América Latina como um todo. Em entrevista coletiva no dia 15 de fevereiro, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmitro Kuleba, afirmou que Kiev prepara uma política externa específica para a região e espera aprofundar relações com o Brasil.