Opinião|O sionismo pode sobreviver à guerra de Israel contra o Hamas?

Enquanto Israel marca seu Dia da Independência, a ideologia sionista do país enfrenta questões difíceis.

PUBLICIDADE

Enquanto Israel marcava seu 76º aniversário esta semana, sob a sombra do massacre de 7 de outubro e da guerra entre Israel e Gaza, a ideologia sionista subjacente ao país está sendo questionada. Vários grupos distorcem e transformam o termo “sionismo” em arma, descrevendo-o como uma forma maligna de tribalismo ou mesmo de racismo. Para compreender os acontecimentos recentes em Israel, bem como a história tumultuada do país, é necessário esclarecer o que o sionismo realmente significou ao longo dos seus 150 anos de existência.

PUBLICIDADE

Nascido no final do século XIX, o sionismo moderno é um movimento nacional semelhante aos que surgiram no mesmo período entre gregos, poloneses e muitos outros povos. A ideia central do sionismo é que os judeus constituem uma nação e, como tal, têm não apenas direitos humanos individuais, mas também um direito nacional à autodeterminação. Nada nesta ideia sionista implica que os judeus sejam superiores aos outros, sejam eles gregos ou poloneses – ou palestinos. A ideia de que os judeus constituem uma nação tampouco nega necessariamente a existência de uma nação palestina com direito à autodeterminação, ou os direitos humanos dos palestinos individuais.

A equiparação do sionismo com o racismo — uma alegação que persiste muito depois de uma resolução das Nações Unidas de 1991 ter revogado uma resolução anterior nesse sentido — é, portanto, não só falsa, como também está manchada de racismo. Proibir o sionismo implica que os judeus não podem ter aspirações nacionais legítimas, ao contrário de todos os outros povos. Quando um dos líderes dos recentes protestos na Universidade Columbia afirmou que “os sionistas não merecem viver”, estava, na verdade, a argumentar que os judeus que nutrem aspirações nacionais deveriam ser sistematicamente mortos. Quando outros manifestantes entoaram slogans como “Não queremos sionistas aqui”, talvez pensassem que estavam a expressar hostilidade contra o racismo, mas na verdade apelavam ao assédio e à expulsão de quaisquer judeus que tivessem sentimentos nacionais.

É claro que alguns sionistas – tal como os adeptos de todos os outros movimentos nacionais – podem ser racistas ou intolerantes. As relações entre os países são frequentemente repletas de tensões, ódios e até atrocidades, especialmente quando eles têm exigências territoriais conflitantes. Quase todos os movimentos nacionais na história incluíram linhas-duras que fizeram exigências maximalistas e moderados dispostos a fazer concessões. O sionismo não é exceção.

Israelense coloca uma bandeira de Israel na praia de Tel-Aviv durante o Dia da Independência do país  Foto: Ohad Zwigenberg/AP

Não podemos fazer jus aqui às muitas tensões que existiram dentro do sionismo ao longo dos últimos 150 anos, nem ao impacto que acontecimentos como o Holocausto e as várias guerras árabe-israelenses tiveram no sionismo. O que está claro é que, ao longo das gerações, muitos sionistas negaram o direito à nacionalidade palestina e reivindicaram todo o território entre o Mar Mediterrâneo e o Rio Jordão, bem como territórios adicionais a leste do Jordão, na Península do Sinai e em outros lugares.

Mas outros sionistas tinham opiniões muito mais sensatas e estavam dispostos a se contentar com muito menos. David Ben-Gurion e a maioria dos sionistas abraçaram em 1947 o plano de partição da ONU que determinava o estabelecimento de um Estado palestino ao lado de um Estado judeu. Foi a rejeição palestina a este plano que levou à eclosão da primeira Guerra Árabe-Israelense (1948-1949). Entre 1949 e 1967, a política de Israel consistiu em alcançar a paz e a normalização com o mundo árabe com base nas fronteiras de 1949, renunciando em grande parte às reivindicações de territórios adicionais, como a Cisjordânia e a Faixa de Gaza. Durante o Processo de Paz de Oslo da década de 1990 e nas décadas seguintes, a “solução de dois Estados” – que reconhece a nação palestina e o seu direito à autodeterminação – gozou de amplo apoio entre os israelenses. Este ainda é visto por muitos sionistas como o melhor caminho a seguir, embora ao longo da última década o apoio tenha caído de quase dois terços dos israelenses para um terço, de acordo com uma pesquisa da Gallup.

Nada disto impressionará as pessoas que argumentam que os judeus não têm nenhum direito no território entre o Mar Mediterrâneo e o Rio Jordão. Esta, no entanto, é uma argumentação curiosa, dado que os judeus têm mantido uma presença contínua naquela terra, e uma profunda ligação cultural e espiritual com ela, durante cerca de 3.000 anos. Mesmo que rejeitássemos todas essas afirmações históricas, e mesmo que considerássemos o projeto sionista do início do século XX totalmente injustificado, o fato é que, em 2024, havia mais de 7 milhões de judeus vivendo entre o Mediterrâneo e o Jordão. O que eles deveriam fazer? A maioria deles nasceu em Israel e não é bem-vinda em nenhum outro lugar do mundo. Eles agora constituem claramente uma nação. Negar a existência destes 7 milhões de pessoas ou das suas aspirações nacionais conduzirá a novos conflitos, com potencial nuclear. Uma solução pacífica só pode ser garantida reconhecendo que, tal como as coisas estão em 2024, tanto os judeus como os palestinos merecem viver com dignidade e segurança no seu país de nascimento.

Publicidade

Israelenses observam fumaça vindo da Faixa de Gaza durante uma celebração do Dia da Memória dos Soldados e Vitimas de terrorismo em Israel, em Sderot, Faixa de Gaza  Foto: Leo Correa/AP

O sionismo e a solução de um Estado

Alguns argumentam que a forma ideal de garantir os direitos tanto dos judeus como dos palestinos é estabelecer um Estado democrático entre a Jordânia e o Mediterrâneo. Os defensores do ideal de um Estado único apontam ocasionalmente o sionismo como o principal ou o único obstáculo à sua solução preferida. Esta crítica, no entanto, é injusta.

Embora, em tese, uma solução de Estado único pudesse de fato garantir os direitos de todos, a história é, infelizmente, resistente à meras teorias. Muitos sonhos teóricos se revelaram pesadelos históricos. Uma sociedade comunista parecia boa no papel, mas a tentativa de realizar o sonho na União Soviética e em outros lugares matou milhões. Um único Estado iugoslavo comum aos sérvios, croatas, eslovenos, bósnios e outros grupos étnicos também parecia uma grande ideia, mas a realidade não era tão boa assim. Em 2003, o governo Bush imaginou que poderia transformar o Iraque em uma democracia liberal pela força das armas, mas as coisas não correram conforme o planejado.

Dada a história complexa e violenta das relações entre judeus e palestinos ao longo dos últimos 150 anos, uma tentativa de impor à força uma solução de Estado único a estes grupos étnicos rivais poderia muito bem levar à guerra civil, à limpeza étnica ou ao estabelecimento de uma ditadura islâmica. Os israelenses, cautelosos com a solução de um Estado, salientam que nenhum país árabe próximo conseguiu manter uma ordem democrática durante muito tempo – então quais são as probabilidades de o hipotético Estado árabe-judeu ser a exceção?

Se, apesar de todas as dificuldades, um único Estado democrático que garantisse a liberdade, a igualdade e os direitos coletivos dos judeus e dos palestinos pudesse de alguma forma ser mantido entre a Jordânia e o Mediterrâneo, isso não seria incompatível com o sionismo. Durante os últimos 150 anos, o sionismo esteve disposto a acolher uma vasta gama de ideias a respeito de como garantir os direitos individuais e coletivos dos judeus, e algumas destas ideias eram ainda mais extravagantes do que a solução de um Estado único. Tanto Theodor Herzl como Ben-Gurion apoiaram um plano para a autonomia nacional judaica sob a suserania do Império Otomano, por exemplo.

Israelenses bloqueiam avenida principal de Tel-Aviv para protestarem pela volta dos reféns israelenses que estão em Gaza  Foto: Ariel Schalit/AP

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

É também digno de nota que, nos anos mais recentes, uma importante vertente do sionismo afrouxou a sua ligação com o judaísmo e, em vez disso, ancorou-se na identidade israelense. Este tipo de sionismo é melhor entendido como nacionalismo israelense e não como nacionalismo judaico. Todas as nações são produto do tempo. Antes de 1948, não poderia haver nação israelense, porque os israelenses não existiam. Mas 76 anos de história são suficientes para criar uma nova nação.

Assim, o partido político israelense Meretz define-se como um partido sionista que apoia a transformação de Israel de um estado judeu em um “estado do povo judeu e de todos os seus cidadãos”. O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, acusou os apoiadores do Meretz e outros esquerdistas de terem “esquecido o que significa ser judeu”. É revelador que Netanyahu não os tenha acusado de esquecerem o que significa ser sionista. Os sionistas do tipo do Meretz podem muito bem se sentir mais próximos de um vizinho muçulmano israelense do que de um judeu americano que nunca pôs os pés em Israel. Por outro lado, alguns sionistas podem não ser judeus. Existem, por exemplo, cidadãos drusos de Israel que se definem como sionistas apesar de não serem judeus, e existe até um Movimento Sionista Druso.

A visão de Netanyahu

Nos anos mais recentes, porém, Israel tem sido administrado por governos que viraram as costas às formas moderadas de sionismo. Em particular, o governo de coligação estabelecido por Netanyahu em dezembro de 2022 rejeitou categoricamente a solução de dois Estados e o direito palestino à autodeterminação, e em vez disso abraçou uma visão preconceituosa de um Estado único.

Publicidade

Tal como os manifestantes anti-Israel em todo o mundo, a coligação de Netanyahu acredita no slogan “do rio ao mar”. Nas suas próprias palavras, o princípio fundador da coligação de Netanyahu é que “o povo judeu tem um direito exclusivo e inalienável a todas as partes de Eretz Yisrael” – Eretz Yisrael é um termo hebraico que se refere a todo o território entre a Jordânia e o Mediterrâneo. A coligação de Netanyahu prevê um Estado único entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo, que concederia direitos totais apenas aos cidadãos judeus, direitos parciais a um número limitado de cidadãos palestinos e nem cidadania nem nenhum direito a milhões de súditos palestinos oprimidos. Esta não é apenas uma visão. Em grande medida, esta já é a realidade local.

Nada do que aconteceu desde 7 de outubro indica que a coligação de Netanyahu tenha mudado de opinião. Pelo contrário, a carnificina e a devastação infligidas aos civis palestinos na Faixa de Gaza, o assassinato e a expropriação de palestinos na Cisjordânia e a recusa em se comprometer com qualquer plano de paz futuro indicam que o atual governo israelense tampouco respeita os direitos humanos individuais dos palestinos ou suas aspirações nacionais coletivas.

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, discursa em um evento de homenagem ao Dia da Memória, em Jerusalém, Israel  Foto: Gil Cohen-magen/AP

Algumas pessoas argumentam que o extremismo da coligação de Netanyahu é o fruto inevitável do sionismo. No entanto, isso equivale a argumentar que o patriotismo conduz inevitavelmente ao extremismo, e que qualquer pessoa que começa a exibir a bandeira nacional no seu país deve acabar fomentando o ódio e a violência. Esse determinismo histórico é empiricamente infundado e politicamente perigoso, uma vez que concede aos extremistas o monopólio sobre os sentimentos nacionais das pessoas. Patriotismo não é intolerância. O patriotismo é um sentimento de amor pelos compatriotas, baseado em uma ligação profunda com uma cultura nacional e as suas tradições em evolução – o que leva os cidadãos a cuidarem uns dos outros, por exemplo, pagando impostos e financiando serviços de assistência social. Em contraste, a intolerância é um sentimento de ódio pelos estrangeiros e pelas minorias, baseado na convicção de que somos superiores a eles.

No contexto imediato de Israel, não conseguir separar o patriotismo da intolerância joga a favor de Netanyahu e implica que não há alternativa política à coligação de Netanyahu. Se o patriotismo israelense exige ódio e perseguição contra os não-judeus, então os patriotas israelenses devem continuar a votar em Netanyahu. O próprio Netanyahu tem defendido há anos que os patriotas israelenses devem apoiá-lo, mas os partidos sionistas da oposição ainda têm uma oportunidade de tirá-lo do poder e de conduzir Israel em uma direção mais tolerante e pacífica.

Há muita coisa em jogo aqui, não apenas para Israel, mas para os judeus de todo o mundo. Se Netanyahu e os seus aliados políticos consolidarem o seu domínio sobre Israel, isso significaria o fim do vínculo histórico entre o povo judeu e as ideias de justiça universal, direitos humanos, democracia e humanismo. Em vez disso, o judaísmo faria um pacto com a intolerância, a discriminação e a violência. Os judeus em Londres e Nova York podem querer argumentar que não têm nada a ver com Israel e que o que acontece no Oriente Médio não representa o verdadeiro espírito do judaísmo. Mas estariam em uma situação análoga à dos comunistas britânicos e americanos do século XX, que tentaram em vão argumentar que o que Iossif Stalin estava fazendo na União Soviética não era realmente comunismo.

O principal problema para os judeus não-sionistas é que, ao contrário do budismo ou do protestantismo, o judaísmo é uma religião coletivista e não individualista, e a construção do Estado de Israel tem sido o empreendimento coletivo mais importante do povo judeu moderno. Se Israel for conquistado pela intolerância, esta se tornará a face do judaísmo em todo o mundo.

O ministro da Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben-Gvir, mora na Cisjordânia e já declarou que é a favor de assentamentos israelenses na Faixa de Gaza  Foto: Ahmad Gharabli/AFP

O que Tito já sabia

A vitória da coligação de Netanyahu e da sua visão de mundo preconceituosa teria consequências não apenas no espaço, mas também no tempo. Para começar, alteraria retrospectivamente o significado de toda a história do Estado de Israel. Herzl, o pai fundador do sionismo moderno, identificou a intolerância como um perigo existencial para o sionismo já há mais de um século. No seu livro de 1902, “A Velha Nova Terra”, no qual Herzl imaginou o futuro Estado de Israel, ele profetizou a ascensão de um partido imaginário, liderado pelo rabino Geyer, que afirma que os judeus são superiores aos não-judeus e merecem privilégios especiais. O livro de Herzl alertou os leitores que Geyer é “um blasfemador”, desviando-se dos valores judaicos.

Publicidade

Herzl criticou severamente a ideia de que os judeus são superiores aos outros humanos e merecem privilégios especiais no futuro Estado. O Estado que ele imaginou deveria servir como um lar nacional para o povo judeu, mas dar direitos iguais a todos os seus habitantes. Herzl escreveu: “Não perguntamos a que raça ou religião um homem pertence. Se ele for homem, isso é o suficiente para nós.” Herzl temia que, se os judeus fossem tentados pelas ideias de Geyer, isso destruiria o seu Estado. O dever dos judeus, escreveu Herzl, é apoiar “a liberalidade, a tolerância, o amor pela humanidade. Só então Sião será verdadeiramente Sião!… Mas quem escolher um homem como Geyer não merecerá que o sol de nossa Terra Santa brilhe sobre si”. Esta foi a profecia de Herzl em 1902.

Se a visão preconceituosa de Netanyahu derrotar o ethos sionista de Herzl, isso alteraria o significado não só do moderno Estado de Israel, mas também de milhares de anos de história judaica anterior. Há dois milênios, fanáticos religiosos infligiram uma terrível catástrofe ao povo judeu. Por fanatismo religioso, rebelaram-se contra o Império Romano. As legiões de Vespasiano e de seu filho, Tito, derrotaram os fanáticos judeus, conquistaram uma cidade após a outra e, finalmente, cercaram Jerusalém em um anel de aço. O moderado rabino Yohanan Ben Zakkai decidiu escapar da cidade sitiada. Para escapar dos fanáticos judeus, que o teriam matado na hora, ele se escondeu dentro de um caixão. Segundo a tradição judaica, após sair da cidade, Ben Zakkai profetizou que Vespasiano se tornaria imperador de Roma. O general ficou muito feliz com a previsão e concordou em atender a qualquer pedido feito por Ben Zakkai. O rabino pediu a Vespasiano que poupasse da destruição a pequena cidade de Yavneh e permitisse que Ben Zakkai estabelecesse ali um centro de ensino judaico. O general romano concordou.

Vespasiano de fato se tornou imperador e deixou a Judéia para assumir o poder em Roma. Seu filho Tito foi deixado para trás para sitiar Jerusalém, que ele conquistou e incendiou. Ben Zakkai foi para Yavneh, e ele e todo o povo judeu embarcaram em uma viagem histórica única, uma viagem de aprendizagem. O judaísmo renunciou ao templo queimado, aos rituais sanguinários do templo e aos fanáticos que acenderam a chama da rebelião e, em vez disso, tornou-se uma religião de aprendizagem. Os judeus viviam em Yavneh e aprendiam. Eles se estabeleceram no Cairo e em Bagdá e aprenderam. Eles se estabeleceram em Vilna e no Brooklyn e aprenderam.

Após 2.000 anos, judeus de todo o mundo retornaram a Jerusalém, aparentemente para colocar em prática o que haviam aprendido. Que grande verdade, então, os judeus descobriram em 2.000 anos de estudo? Bem, a julgar pelas palavras e ações de Netanyahu e seus aliados, os judeus descobriram o que Vespasiano, Tito e seus legionários sabiam desde o início: descobriram a sede de poder, a alegria de se sentirem superiores e o prazer sombrio de esmagar os mais fracos sob seus pés. Se foi realmente isso que os judeus descobriram, então, que desperdício desses 2.000 anos! Em vez de pedir por Yavneh, Ben Zakkai deveria ter pedido a Vespasiano e Tito que lhe ensinassem o que os romanos já sabiam.

Se os judeus aprenderam nos últimos 2.000 anos alguma coisa que Tito não sabia, agora é a hora de mostrá-lo. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Opinião por Yuval Noah Harari

The Washington Post-Yuval Noah Harari é autor de “Sapiens,” “Homo Deus” e “Implacáveis”, e professor de história na Universidade Hebraica de Jerusalém.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.