Análise|Aliança entre Kim Jong-un e Putin faz Rússia proteger Coreia do Norte na ONU e preocupa EUA

Na quinta-feira, Rússia usou seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONU para acabar com um painel de especialistas que tem monitorado os esforços do Norte para escapar de sanções sobre o seu programa nuclear

PUBLICIDADE

MOSCOU - Durante os encontros mais tenso dos Estados Unidos com a Rússia de Vladimir Putin ao longo da última década, houve um projeto no qual Washington e Moscou reivindicaram um interesse comum: impedir a Coreia do Norte de expandir o seu arsenal de armas nucleares. Agora, até isso veio abaixo.

PUBLICIDADE

Na quinta-feira, 28, a Rússia usou seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONU para acabar com um painel de especialistas da ONU que tem monitorado os esforços da Coreia do Norte para escapar das sanções sobre o seu programa nuclear nos últimos 15 anos.

O desconforto da Rússia com a questão norte-coreana é uma novidade. No passado, Moscou já aprovou os relatórios detalhados do painel sobre violações de sanções e considerou o programa nuclear de Pyongyang uma ameaça à segurança global.

Mas mais recentemente, o painel providenciou evidências vívidas de como a Rússia está fornecendo combustível e outros bens à Coreia do Norte, presumivelmente em troca dos projéteis de artilharia e mísseis que o líder norte-coreano, Kim Jong-un, está enviando para a Rússia usar contra a Ucrânia. O grupo produziu imagens de satélite de transferências de petróleo entre navios, mostrando como a guerra na Ucrânia se provou uma mina de ouro para Pyongyang.

O aparente desmantelamento do painel, que não tinha poderes práticos, é mais uma prova de como o que antes era um esforço global para conter a proliferação nuclear se desgastou rapidamente ao longo dos últimos dois anos.

Uma nova aliança

“É uma mudança notável”, disse Robert Einhorn, funcionário do Departamento de Estado durante o governo Obama e que é atualmente membro sênior da Brookings Institution. “Na maior parte do período pós-Guerra Fria, os Estados Unidos, a Rússia e a China foram parceiros na abordagem dos desafios da proliferação, especialmente com a Coreia do Norte e o Irã. Eles estiveram totalmente do lado americano e europeu durante as negociações com o Irã e ajudaram a Coreia do Norte durante o período de ‘fogo e fúria’ de 2016 a 2017″, disse, referindo-se às ameaças do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump contra o Norte.

Naquela época, a Rússia regularmente votava por sanções contra a Coreia do Norte, mesmo quando os dois países realizavam uma quantidade considerável de negócios, e mais do que um pouco de contrabando, por meio de sua estreita passagem fronteiriça, especialmente uma ponte ferroviária onde China, Coreia do Norte e Rússia se encontram.

Publicidade

Mas como Einhorn observou, essa unidade se quebrou com o ressurgimento da competição entre grandes potências. A parceria em conter as ameaças nucleares, mesmo da Coreia do Norte, cujas instalações nucleares representam um desafio de segurança tanto para a China como para a Rússia, desapareceu.

A Rússia está agora ajudando o Norte a fugir das sanções, e nem a Rússia ou a China estão trabalhando ativamente para pressionar o Irã a desacelerar sua acumulação de urânio enriquecido, o passo crítico necessário se o país algum dia decidir construir armas nucleares.

Quando as resoluções vieram à tona para condenar a Coreia do Norte por sua constante onda de testes de mísseis, Rússia e China as rejeitaram. Mas eliminar o “comitê de especialistas”, que começou seu trabalho em 2009, abre novos horizontes para aliviar a pressão sobre o país.

A nova Guerra Fria

“É óbvio para nós que o Conselho de Segurança da ONU não pode mais usar modelos antigos em relação aos problemas da Península Coreana”, disse uma porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, citada pela Reuters. “Os Estados Unidos e os seus aliados demonstraram claramente que o seu interesse não vai além da tarefa de ‘estrangular’ a RPDC por todos os meios disponíveis”, acrescentou ela, usando a abreviatura de República Popular Democrática da Coreia.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

O comitê não possuia poderes de investigação significativos, mas era minucioso — e as suas descobertas muitas vezes geravam manchetes. O painel companhou os carregamentos de petróleo e explicou o que acontecia quando os navios desligavam os seus transponders para não serem rastreados no mar. O grupo analisou as relações bancárias e os bens de luxo que chegaram à Coreia do Norte, apesar das sanções aprovadas há 18 anos. Também inspirou grupos privados a se aprofundarem, explicando mistérios como a forma como Kim conseguiu seus carros de luxo.

Os especialistas eram alheios e as suas conclusões muitas vezes não eram adotadas. “Tudo o que consta do relatório tem de ser aprovado pelos membros do Conselho de Segurança”, observou Jenny Town, especialista em Coreia do Norte e membro sênior do Stimson Center. “Portanto, embora seja um órgão de investigação, as suas conclusões existem num processo político.”

Mesmo assim, a existência do comitê deu um selo internacional e neutro às acusações de evasão de sanções. “Eles têm sido muito úteis na produção de alguma seriedade na implementação de sanções”, disse Town, que também é diretora do 38 North, que publica análises das capacidades e pronunciamentos da Coreia do Norte.

Publicidade

O Departamento de Estado denunciou a decisão da Rússia, dizendo que o país havia “cinicamente minado a paz e a segurança internacionais” e declarando que “só a Rússia será proprietária do resultado deste veto: uma RPDC mais encorajada a comportamentos imprudentes e provocações desestabilizadoras”.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, em reunião no Osmódromo de Vostochny, na Rússia, em setembro. Foto: KCNA via REUTERS

Ninguém sabe exatamente quantas armas nucleares os norte-coreanos produziram desde a primeira crise nuclear com o país, em 1994, ou desde que o território testou pela primeira vez uma arma nuclear em outubro de 2006, durante o governo de George Bush.

Experts outside the government believe the arsenal is around 50 or 60 weapons now, though the estimates range from as low as 40 to as high as 100 — a reflection of how little is understood in the absence of inspections by another arm of the United Nations, the International Atomic Energy Agency.

Especialistas de fora do governo acreditam que o arsenal gira em torno de 50 ou 60 armas atualmente, embora as estimativas variem de 40 a 100 — um reflexo de quão pouco se sabe, na ausência de inspeções por outro braço da ONU, a Agência Internacional de Energia Atômica.

Mas a maior preocupação sobre o Norte não é o tamanho do arsenal, mas suas intenções. Dois importantes especialistas em Coreia do Norte, Robert Carlin, um ex-alto funcionário da inteligência americana que esteve frequentemente envolvido nas negociações com a Coreia do Norte, e Siegfried Hecker, ex-diretor do Laboratório Nacional de Los Alamos, argumentaram no final do ano passado que “a situação em a Península Coreana é mais perigosa do que nunca desde o início de Junho de 1950″, quando eclodiu a Guerra da Coreia.

Eles argumentaram que novas declarações da Coreia do Norte deixam claro que o país desistiu da ideia de reunificação e pode estar se preparando para uma solução militar para a divisão da península.

“Tal como o seu avô em 1950, Kim Jong-un tomou uma decisão estratégica de ir para a guerra”, argumentaram, uma posição que muitos dos seus antigos colegas no mundo da inteligência consideraram excessivamente forjada. “Não sabemos quando ou como Kim planeja puxar o gatilho, mas o perigo já está muito além dos avisos de rotina em Washington, Seul e Tóquio sobre as provocações de Pyongyang.”

Na verdade, a linguagem do Norte mudou, e agora fala mais abertamente — tal como fazem as autoridades russas — sobre usar armas nucleares se for provocado por questões grandes ou pequenas.

Análise por David E. Sanger
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.