Xi diz a Biden que ‘o planeta Terra é suficientemente grande’ para os EUA e a China

Líderes das maiores potências globais se encontraram nesta quarta em São Francisco após ano conturbado que prejudicou as relações entre Washington e Pequim

PUBLICIDADE

Por David E. Sanger e Katie Rogers
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - O presidente da China, Xi Jinping, disse ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, nesta quarta-feira, 15, que era “irrealista” para qualquer uma das duas maiores superpotências econômicas e militares esperar “remodelar a outra”, enquanto ambos os países travam uma disputa pela soberania global.

PUBLICIDADE

Reunidos em uma propriedade centenária a cerca de meia hora ao sul de São Francisco, nos EUA, os dois presidentes e os seus principais conselheiros tiveram a sua primeira conversa em um ano. Em declarações um tanto rígidas e cuidadosamente coreografadas, eles ofereceram as garantias habituais de que conseguem muitos resultados quando trabalham em conjunto, mas aludiram ao receio de que as relações podem piorar caso se agravem as disputas sobre Taiwan, tecnologia, o Mar do Sul da China ou a ajuda da China à Rússia.

“O planeta Terra é grande o suficiente” para ambas as superpotências, disse Xi. O presidente chinês disse a Biden que os dois países são muito diferentes, mas que devem ser “totalmente capazes de ultrapassar as diferenças”.

Presidente dos EUA, Joe Biden, recebe o presidente da China, Xi Jinping, nesta quarta-feira, 15 de novembro Foto: Doug Mills/The New York Times

Os acordos de ontem incluem a redução da produção ilícita de fentanil, um diálogo intergovernamental sobre inteligência artificial e um pacto para enfrentar conjuntamente o aquecimento global. Mas a retomada das comunicações entre os Exércitos era uma das negociações mais aguardadas.

Pequim cortou a comunicação militar direta com os EUA em agosto de 2022, quando a então presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, fez uma visita oficial a Taiwan em uma demonstração de apoio a Taipei.

De igual para igual

“Para dois grandes países como a China e os Estados Unidos, virar as costas um ao outro não é uma opção”, disse Xi, cujos próprios discursos privados para os fiéis do seu partido e seus generais ofereceram uma visão muito mais sombria de dois países que podem muito bem estar caminhando para uma colisão. Ele acrescentou que “o conflito e o confronto têm consequências insuportáveis para ambos os lados”.

O presidente chinês afirmou ao seu homologo americano que Pequim não tinha planos de ultrapassar ou substituir os Estados Unidos, mas apelou que Washington não tentasse conter a China, segundo um comunicado divulgado pela mídia estatal chinesa. A principal mensagem de Xi Jinping foi que os dois países precisavam se dar bem, mas que os EUA tinham que diminuir a pressão sobre o país asiático.

Publicidade

O Ministério das Relações Exteriores chinês, por sua vez, afirmou que Xi concordou com o restabelecimento da comunicação direta entre seus Exércitos, mas alertou Biden que os EUA precisavam dar garantias de que mantém a sua política declarada de não apoiar a independência de Taiwan, segundo a mídia estatal da China. Pequim também pediu que Washington não vendesse armas a Taiwan.

Relação longeva

Biden foi um anfitrião cortês, observando que seu relacionamento com Xi Jinping remonta vários anos, mas resistiu à tentação de descrevê-los como velhos amigos. “Valorizo nossa conversa porque acho fundamental que você e eu nos entendamos claramente”, disse ele, “de líder para líder, sem equívocos ou falhas de comunicação”. “Temos que garantir que a concorrência não se transforme em conflito”, disse ele.

Em entrevista coletiva após o encontro, o líder americano disse que as conversações com Xi trouxeram “progressos importantes” na estabilização da relação e prometeu que os dois tentariam resolver divergências futuras “pegando no telefone” em vez de pressionarem suas nações à beira do conflito.

PUBLICIDADE

Nos dias que antecederam a reunião, os dois lados correram para apresentar uma lista de acordos modestos, o que não é fácil para dois líderes que concordaram em muito pouco, uma vez que os seus países entraram na pior relação em quatro décadas.

Os líderes reuniram-se em privado após a sua aparição pública conjunta, e os detalhes da conversa não foram conhecidos na tarde de quarta-feira. Mas houve indícios de como eles tentariam chegar à aparência de acordo. Um alto funcionário do governo disse que se espera que cheguem ao esboço de um acordo que comprometa Pequim a regulamentar os componentes do fentanil, a droga que desencadeou uma epidemia devastadora de opioides nos Estados Unidos. Mas a China já assumiu compromissos semelhantes antes.

Eles provavelmente anunciaram um novo fórum para uma discussão sobre como manter sob controle o desenvolvimento de inteligência artificial (IA) e de armas nucleares – os Estados Unidos estão negando à China os chips avançados de que necessita para desenvolver e treinar a IA. Eles também provavelmente discutiram a retomada das comunicações entre militares, que a China cortou depois de Nancy Pelosi ter visitado Taiwan no ano passado, quando era presidente da Câmara. Mas existiram períodos de contato entre militares desde a administração de George W. Bush.

Presidente dos EUA, Joe Biden, recebe o presidente da China, Xi Jinping, nesta quarta-feira, 15 de novembro. (Photo by Brendan Smialowski / AFP) Foto: Brendan Smialowski / AFP

As interações entre os dois líderes que se encontraram na exuberante propriedade Filoli, uma casa e jardim históricos a noroeste do campus da Universidade Stanford, foram cuidadosamente planejadas por meses. Altos funcionários chineses discutiram-nas em reuniões com os assessores de maior confiança de Biden, incluindo Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional, e Antony J. Blinken, o secretário de Estado. Ambos estavam sentados à mesa de reuniões no salão de baile da propriedade, com Biden ladeado por Blinken e Janet Yellen, a secretária do Tesouro.

Publicidade

Sullivan e Kurt Campbell, os principais arquitetos da estratégia dos EUA à China, também estavam à mesa. Campbell foi nomeado para ser o próximo Secretário de Estado Adjunto e Yellen tornou-se um ator fundamental, tanto nas sanções impostas a entidades chinesas por violações dos direitos humanos e venda de armas e tecnologia, como nas discussões sobre os investimentos americanos na China.

Xi chegou num raro momento de aparente fraqueza. Após décadas de crescimento vertiginoso, a economia chinesa abrandou. No final da quarta-feira, era esperado que Xi se encontrasse com os principais executivos americanos para defender o aumento do investimento na China, que começou a diminuir. Isto deve-se, em parte, às perspectivas econômicas menos favoráveis da China, mas também ao fato de o país ter começado a processar as empresas que revelam dados econômicos chineses ou que realizam “due diligence” sobre o desempenho das empresas chinesas antes de os estrangeiros investirem.

Outras questões difíceis continuaram a complicar as discussões, incluindo algumas que os assessores de Biden disseram que ele pretendia levantar. Estas incluíam as guerras na Ucrânia e em Gaza e as próximas eleições em Taiwan, uma ilha autônoma que a China reivindica como sua.

Os funcionários do governo Biden tentaram diminuir as expectativas sobre o tipo de compromissos concretos que costumavam envolver tais cúpulas. Afirmaram que o simples fato de os líderes das duas principais economias do mundo, e as forças armadas mais poderosas, estarem novamente a se comunicar é, em si, um sinal de progresso.

Graham Allison, professor da Universidade de Harvard e autor de um livro que pergunta se os dois países estão destinados à guerra, escreveu no The National Interest que a reunião iria resumir o que chamou de “dois fatos contraditórios, mas mesmo assim inevitáveis”. “Primeiro, os EUA e a China serão os rivais mais ferozes que a história já viu”, escreveu ele. “Em segundo lugar, a própria sobrevivência de cada nação requer um certo grau de cooperação da outra.”

Presidente dos EUA, Joe Biden, recebe o presidente da China, Xi Jinping, nesta quarta-feira, 15 de novembro Foto: Brendan SMIALOWSKI / AFP

Biden chegou a São Francisco na tarde de terça-feira, 14, com a cidade fechada para a cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, conhecida como APEC, um grupo de 21 países que circundam o Oceano Pacífico. Ele enviou Yellen para se encontrar com Xi quando ele pousou em São Francisco na noite de terça-feira.

O único evento público de Biden na terça-feira foi uma arrecadação de fundos ao lado da vice-presidente Kamala Harris, durante a qual ele sugeriu que os ventos contrários econômicos na China, junto com o trabalho do governo Biden para construir uma rede de parceiros no Indo-Pacífico para conter a ambição chinesa, trouxeram Xi para a mesa de negociações.

Publicidade

“O Presidente Xi é mais um exemplo de como o restabelecimento da liderança americana no mundo está a ganhar força”, disse Biden à multidão. “Eles têm problemas reais, pessoal.”

Não foi a primeira vez que Biden se referiu ao abrandamento econômico da China, e foi apenas há cinco meses que se referiu a Xi como um “ditador”, um comentário que os seus conselheiros rapidamente tentaram apoiar. Ontem, após responder a perguntas dos jornalistas e quando já estava de saída, Biden reiterou a declaração. Quando uma jornalista perguntou se ele ainda considerava o líder chinês um ditador, o americano respondeu: “Bem, veja, ele é”

Na quarta-feira, não foi feita nenhuma declaração conjunta para tentar suavizar esta conversa dura. As autoridades americanas disseram que cada governo forneceria seu próprio relato das discussões.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.