EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Conselheira do Pacto Global da ONU e lidera a operação de Corporate Venture Builder da Fisher Venture Builder. Escreve mensalmente às terças

Opinião|Presencial ou remoto? Espaços de trabalho passam por transformação silenciosa

A nova geografia do trabalho desafia as cidades a se reinventarem

PUBLICIDADE

Foto do author Amanda Graciano
Atualização:

Numa manhã qualquer, acordamos e nos deparamos com um mundo onde o trabalho não se define mais por um local, mas por uma atividade. As ruas, antes pulsantes com o ritmo frenético dos que corriam contra o tempo, hoje contam uma história diferente. As cidades, palco dessa transformação silenciosa, testemunham a dança entre o antigo e o novo, enquanto negócios digitais e tradicionais ensaiam passos para um futuro que ainda se desenha.

A era do escritório, híbrido ou não, nos convida a refletir: o que realmente mudou? Empresas que respiram inovação, aquelas mesmas que poderíamos jurar que abraçariam o virtual sem olhar para trás, reconhecem agora o valor imensurável do encontro, da troca , da energia que só se manifesta quando compartilhamos o mesmo espaço . E os gigantes de outrora, cujas estruturas pareciam inabaláveis, surpreendem ao flexibilizar, ao permitir que o lar se transforme, também, em cenário de produtividade.

Ambientes de trabalho estão em transformação Foto: Daniel Teixeira/Estadão

PUBLICIDADE

As cidades também passaram por grande transformação. Esses organismos vivos, respirando através de seus habitantes, adaptam-se e moldam-se a esta nova realidade. A volta, ainda que tímida, ao escritório, desperta nossos centros urbanos de um sono forçado, reacendendo o comércio e o caos no trânsito e transporte.

O clima de retomada em todo o mundo se estabeleceu, com empresa comunicando seus executivos a mudarem para perto dos escritórios. Como equilibrar a liberdade do trabalho remoto com o trabalho presencial alguns dias na semana? Como garantir que esta nova geografia do trabalho não crie novas ilhas de isolamento? As respostas, ainda que incertas, estão sendo escritas nas escolhas diárias de empresas, trabalhadores e governantes.

A nova geografia do trabalho desafia as cidades a se reinventarem. Num futuro não tão distante, talvez, contaremos histórias sobre como foi viver essa transição, sobre as incertezas e os aprendizados que ela nos trouxe. Sobre como aprendemos a valorizar o contato humano justamente ao sermos privados dele, e sobre como as cidades, esses palcos imensos, adaptaram-se para acolher um novo tipo de protagonista: o trabalhador híbrido, que não está nem aqui nem lá, mas em todo lugar.

Publicidade

A reflexão vai além da decisão do trabalho presencial ou remoto. É sobre a vida e como escolhemos vivê-la. É um convite à reflexão sobre o que realmente importa, sobre como queremos construir nossos dias, nossas cidades, nosso futuro. A transformação silenciosa dos espaços de trabalho é, na verdade, uma transformação em nós mesmos, na forma como interagimos com o mundo e o que esperamos dele. E assim, passo a passo, vamos desenhando a geografia de um novo amanhã.

Opinião por Amanda Graciano

Membro do Conselho Consultivo do Pacto Global da ONU e Sócia na Fisher Venture Builder

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.