Hotmail, Yahoo e BOL: quem ainda usa esses e-mails e por que isso pode ser um problema

Tem gente que resiste a trocar de provedor de e-mail, mas domínios populares nos anos 2000 podem ser alvo de cibercriminosos

PUBLICIDADE

Foto do author Alice Labate
Foto do author Bruna Arimathea
Por Alice Labate e Bruna Arimathea
Atualização:

Na era das redes sociais e das plataformas digitais, é impossível estar na internet sem um velho conhecido do ambiente online: o e-mail. Mais do que uma forma de contato, ele se tornou o próprio passaporte para entrar em serviços e aplicativos que exigem um login. Mas, ao que tudo indica, agora ele também mede a personalidade e a jovialidade de quem está na web.

Uma publicação no X dividiu a opinião de usuários sobre as preferências de serviços de e-mail. Para alguns, manter em atividade domínios mais antigos, como Yahoo, Hotmail, BOL, UOL e AOL, é algo “cringe” - ou seja, causa vergonha. Mas existe mesmo diferença entre os provedores de email?

PUBLICIDADE

Famosos nos anos 2000, esses nomes clássicos, aos poucos, foram perdendo terreno para rivais mais jovens, como o Gmail, do Google, e o Outlook, que se tornou a nova versão da caixa de mensagens da Microsoft. No entanto, Yahoo e Hotmail e outros ainda mantêm seus encantos.

No time de quem prefere os domínios mais antigos está Simone Parpinelli, professora de inglês de 53 anos. A paulistana tem o mesmo e-mail do provedor Yahoo desde que tinha 23 anos. Ou seja, já são 30 anos com o mesmo endereço.

“É um uso mais pessoal, é o que eu sempre entrego quando pedem e-mail”, explicou. “Para mim, o Yahoo dá um conforto, os outros vão mudando muito. O Yahoo fica sempre o mesmo, eu já me acostumei, acho mais fácil de visualizar o layout dele”.

Simone Parpinelli é professora de inglês e tem seu e-mail Yahoo há 30 anos  Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Simone não é a única que defende com unhas e dentes o uso do email mais “antiguinho”. Beatriz Gabrielly Alves, 25 anos, é estudante e tem uma conta Hotmail criada em 2008, quando ainda era uma criança.

“Ainda é meu e-mail principal. Qualquer coisa que eu tenho que resolver de faculdade, assuntos pessoais, uso esse e-mail”, afirmou Beatriz. “Eu também tenho uma conta Gmail, só para usar o Drive e os outros serviços do Google. Mas de resto uso o Hotmail mesmo. Não aposentei porque é costume, todas as minhas redes sociais estão ligadas a esse e-mail então seria trabalhoso trocar tudo”.

Publicidade

Victor Momesso, biólogo de 23 anos, cita os mesmos motivos. “Tenho a minha conta do Yahoo desde 2010. Uso esse mesmo e-mail para acessar os serviços do Google Drive e minha conta da PlayStore (Playstation) também está vinculada a ele”.

Em uma geração em que o Gmail é a escolha mais comum para muitos, ele admite: “não gosto muito do Gmail. Não tenho um Gmail, mas tenho uma conta Outlook que eu também uso bastante. Gosto da interface dele e uso para enviar e-mails. Usava muito pra trabalhos da faculdade também”, afirmou.

Às vezes, pode ser conveniente manter o mesmo e-mail por anos — principalmente se você não tem um nome de usuário que possa causar constrangimento em ambientes profissionais ou mais formais — afinal, contatos, arquivos e informações de rede sociais permanecem por anos com você. Mas ter um e-mail “antigo” pode significar que você está mais vulnerável a algumas ameaças virtuais.

Quais os perigos de ter um e-mail antigo

De acordo com um levantamento da empresa de cibersegurança Think IT, vulnerabilidades e ações de hackers podem ser mais comuns em e-mails antigos, principalmente pela grande quantidade de dados armazenados ao longo do tempo. Ou seja, não é que as contas estão em risco por si só, mas elas podem oferecer um menu mais apetitoso de dados para cibercriminosos.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

“Os domínios de e-mails mais modernos evoluíram em termos de tecnologia de proteção. Hoje, você tem e-mails que já fazem uma verificação automática em arquivos anexos, para analisar se tem algum tipo de malware, por exemplo”, apontou Marcos Parra, diretor comercial de Segurança da Informação da Think IT. “Nos e-mails mais antigos, não tem como habilitar essa funcionalidade”.

Além disso, há mais chances de e-mails antigos terem sido alvos de vazamentos - e o perigo se multiplica caso o dono da conta não tenha o costume de mudar as senhas com frequência.

Segundo a Think IT, em 2021, o Yahoo foi hackeado e 3 bilhões de contas foram comprometidas. Em 2013, o AOL foi hackeado e 120 milhões de contas também ficaram expostas. Ainda, segundo a empresa, uma vulnerabilidade no UOL, em 2022, permitiu com que hackers acessassem contas de e-mail sem senha. Em 2020, uma falha no Yahoo Mail permitia que hackers espionassem e-mails.

Publicidade

A reportagem tentou contato com Yahoo, AOL e UOL, que também administra o domínio BOL, mas não obteve resposta.

Como se proteger

Seja qual for o provedor, é importante garantir que os dados estejam seguros com uma senha forte. Tanto os provedores novos quanto os antigos possuem um certo nível de criptografia, por exemplo - protocolos que garantem que a mensagem não seja interceptada ou lida caso haja um vazamento -, segundo Alexandre Bonatti, vice-presidente de engenharia da Fortinet Brasil.

“O fato de um provedor ser mais antigo ou mais novo do ponto de vista de cibersegurança por si só não quer dizer que ele é mais ou menos seguro. Tem outros fatores que contribuem para a segurança desse provedor. O usuário precisa avaliar se esse provedor está implementando essas tecnologias”, afirmou Bonatti ao Estadão.

Victor não quer trocar de e-mail por ser seu principal acesso às redes sociais e outros serviços na internet  Foto: Felipe Rau/Estadão

Uma das dicas para saber se o seu e-mail está seguro é observar como as mensagens de spam estão sendo evitadas na sua caixa de entrada. Caso muitos e-mails suspeitos estejam indo direto para sua página principal, talvez seja hora de trocar para um provedor com mais capacidade de filtrar e analisar esse tipo de mensagem.

Isso também vale para mensagens de phishing, aqueles e-mails que tentam enganar os usuários, geralmente com uma promoção imperdível ou um golpe bancário. A ideia é fazer com que o usuário clique em um link malicioso e dê acesso a documentos e dispositivos para cibercriminosos. Esse tipo de mensagem também pode ser filtrada e identificada por um bom provedor de e-mail.

“Qual é o mecanismo de anti spam que esse provedor de serviço de e-mail está utilizando? Ele é eficiente? Isso é facilmente avaliado pelo usuário. Então o usuário pode observar se, de fato, essa tecnologia implementada está funcionando”, explica Bonatti. “Se você tem recebido muito spam, quer dizer que esse provedor de serviço não está investindo tanto em tecnologias para prevenir esse tipo de situação”.

Por isso, mesmo que você prefira manter um e-mail com provedor mais antigo, a dica é ficar sempre atento e buscar formas externas de segurança, como senhas elaboradas e aplicativos de segurança - assim, não importa se na hora de passar seu e-mail para alguém você possa parecer “cringe”, o importante é estar com os dados seguros, seja qual for a plataforma.

Publicidade

Ainda é possível criar uma conta no Hotmail?

Mesmo com todos os problemas, ainda é possível criar contas em quase todos os serviços antigos de email - exceto o Hotmail. Embora ainda seja possível criar um e-mail Yahoo, a empresa deixou de operar no Brasil em 2023. O serviço da empresa, porém, continua sendo oferecido de forma gratuita. O caso é o mesmo do AOL, que, junto com o Yahoo, é administrado pela empresa Apollo Global Management, depois de serem vendidos pela Verizon.

Já para criar um e-mail BOL, o usuário pode escolher entre uma versão gratuita de 200 MB de armazenamento, ou aumentar a capacidade do serviço com assinaturas a partir de R$ 18. No caso do e-mail UOL, todas as opções disponíveis para o usuário são pagas e incluem uma conta de armazenamento em nuvem. As opções começam com 25 GB de armazenamento por R$ 17.

No Hotmail, provedor criado pela Microsoft, todas as contas foram migradas para o mesmo sistema utilizado pelo Outlook, segundo a empresa informou ao Estadão. Isso significa que os e-mails mais antigos funcionam com os mesmos protocolos de segurança do provedor atual.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.