Para desgosto de Mark Zuckerberg, Instagram virou fonte de informações políticas nos EUA

Na eleição presidencial deste ano, mais pessoas estão recorrendo ao app de fotos para obter notícias apesar da plataforma fugir de ‘conteúdo político’

PUBLICIDADE

Por Sapna Maheshwari e Mike Isaac

THE NEW YORK TIMES - Em uma quarta-feira recente, no Brooklyn, EUA, Mosheh Oinounou, ex-produtor da CBS, Bloomberg News e Fox News, navegou pelo Instagram. Ele havia começado sua manhã lendo os principais jornais e mais de uma dúzia de boletins informativos. Depois, passou a maior parte do dia transformando muitos dos artigos em publicações em sua conta do Instagram, sob o nome de Mo News.

PUBLICIDADE

Oinounou faz parte de uma safra de personalidades que descobriram como empacotar informações e entregá-las no Instagram, transformando cada vez mais a plataforma social em uma força noticiosa. Muitos millennials e pessoas da geração X estão se sentindo mais confortáveis lendo notícias no Instagram e republicando publicações e vídeos para amigos nos Stories, que desaparecem após 24 horas.

As organizações tradicionais de notícias, incluindo o The New York Times, têm grandes feeds no Instagram onde compartilham reportagens, mas esses perfis de notícias têm um apelo diferente e se tornaram mais visíveis nos últimos anos.

Mosheh Oinounou, da Mo News, e sua co-apresentadora, Jill Wagner, gravam um podcast diário de notícias Foto: DeSean McClinton-Holland/The New York Times

Elas fazem a curadoria de conteúdo como os blogs da velha guarda e falam com a câmera como os influenciadores do TikTok e do YouTube. Eles capturam manchetes de muitos veículos importantes e acrescentam suas próprias análises. Eles conversam com os seguidores nos comentários e por meio de mensagens diretas, usando o feedback e as perguntas para moldar postagens adicionais. Muitos prometem ser apartidários.

“Para muitas pessoas, elas confiam nos chefes de cozinha, nos médicos e há uma categoria de notícias e informações em que confiam”, diz Jessica Yellin, ex-correspondente-chefe da CNN na Casa Branca. Yellin, que tem mais de 650 mil seguidores em sua conta de notícias no Instagram e uma marca de mídia chamada News Not Noise, se autodenomina uma “influenciadora de informações”.

Tudo isso faz do Instagram, que é propriedade da Meta, um veículo de notícias cada vez mais importante na eleição presidencial deste ano nos EUA. No ano passado, 16% dos adultos dos EUA recebiam notícias regularmente no Instagram, superando o TikTok, o X e o Reddit, e acima dos 8% em 2018, de acordo com a Pew Research. Mais da metade desse grupo era composto por mulheres.

Meta foge das notícias

Os influenciadores de notícias se tornaram populares no Instagram, mesmo com a tentativa da plataforma de reduzir a ênfase no conteúdo político. O Instagram e sua plataforma irmã, o Facebook, têm sido atormentados por acusações de espalhar desinformação e inflamar debates políticos. Espelhando Mark Zuckerberg, Adam Mosseri, diretor do Instagram, tem sido avesso à parceria do aplicativo com contas de notícias ou à promoção das mesmas.

Publicidade

Neste mês, Mosseri disse que o Instagram não recomendaria “conteúdo político” em diferentes partes do aplicativo, a menos que os usuários optassem por vê-lo. A plataforma disse que o conteúdo político incluía postagens “potencialmente relacionadas a coisas como leis, eleições ou tópicos sociais”.

Na sequência, as contas de notícias sofreram um declínio em compartilhamentos, comentários, curtidas, alcance e visualizações de vídeo, de acordo com uma análise da Dash Hudson, uma empresa de gerenciamento de mídia social. Os compartilhamentos de postagens de 70 grandes contas de notícias no Instagram, incluindo o The Times e a NPR, caíram 26% em média semana após semana, segundo a empresa.

Em protesto, Yellin fez um vídeo denunciando as mudanças do Instagram e escreveu em seu boletim informativo que as mudanças “inevitavelmente afetariam a forma como o eleitorado é informado e poderiam ter repercussões de longo alcance para o futuro da mídia e até mesmo da democracia”.

Uma porta-voz do Instagram se recusou a comentar além das declarações de Mosseri. Mosseri já havia elogiado alguns influenciadores de notícias por seu trabalho. Ele segue uma conta paga somente para assinantes do Mo News no Instagram.

Influenciadores

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Outros influenciadores de notícias de destaque no Instagram incluem Sharon McMahon, 46, que atraiu mais de um milhão de seguidores ao explicar os fundamentos do governo. Há influenciadores mais abertamente políticos, como Emily Amick, 39, uma advogada com mais de 134 mil seguidores. Outras contas de notícias incluem a Roca News, fundada por jovens de 20 e poucos anos que veem o Instagram como uma forma importante de alcançar colegas que se sentem alienados pelos meios de comunicação tradicionais.

“Não me vejo realmente como jornalista, mas mais como professora”, disse McMahon. “Estou explicando o que está acontecendo, em vez de obter um furo de reportagem, descobrir a história e criar fontes.”

O Instagram é um ponto de partida para estender-se a boletins informativos e podcasts, onde as contas podem ganhar dinheiro com anúncios ou assinaturas. Muitos influenciadores de notícias também aceitam acordos de patrocínio pagos que incorporam nas publicações do Instagram. McMahon dirige um clube do livro particular para assinantes - que tem uma lista de espera para participar - e oferece workshops pagos em vídeo para aprender mais sobre o governo e questões políticas atuais.

Publicidade

Instagram vem chamando a atenção e sendo usado como site de informações e notícias mesmo sendo uma rede social Foto: Dado Ruvic/Reuters

Quando a Casa Branca organizou uma festa inaugural de fim de ano para influenciadores da internet no ano passado, Oinounou, Yellin e Amick foram convidados. Christian Tom, diretor do escritório de estratégia digital da Casa Branca, que ajudou a criar a ideia da festa, disse que a administração trabalhava regularmente com contas de notícias do Instagram.

“Há tantas contas que compartilham notícias e informações que têm um público de milhões de pessoas que talvez não recebam notícias da Casa Branca ou talvez nem sigam a Casa Branca”, disse ele.

Tom apontou para marcas de notícias que priorizam o Instagram, como @Impact e @Betches_News, contas de memes e entretenimento, como @Pubity, e publicações de mídia progressiva, como MeidasTouch e A More Perfect Union.

“Cada geração cria essas ferramentas e as utiliza à sua maneira”, disse ele.

Mesmo com as mudanças no conteúdo de notícias do Instagram, os usuários continuarão a ver notícias das contas que já seguem e por meio das Histórias de seus amigos.

“Todo mundo se tornou uma espécie de transmissor ou fonte de informações para seus amigos e familiares”, disse Oinounou.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.