PUBLICIDADE

Apple deve ser próxima gigante de tecnologia investigada por monopólio nos EUA

Autoridades do Departamento de Justiça se concentram em como a Apple usou seus outros produtos e serviços para se defender contra ameaças ao seu negócio principal

Por David McCabe e Tripp Mickle
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - O Departamento de Justiça dos Estados Unidos está nos estágios finais de uma investigação sobre a Apple e pode entrar com um processo antitruste bastante amplo, visando as estratégias da empresa para proteger o domínio do iPhone, disseram três pessoas com conhecimento do assunto. O processo pode começar já no primeiro semestre deste ano.

PUBLICIDADE

A agência está focada em como a Apple usou o controle sobre seu hardware e software para tornar mais difícil para os consumidores abandonarem os dispositivos da empresa, bem como para os rivais competirem, disseram as fontes, que falaram sob anonimato porque a investigação estava ativa.

Especificamente, os investigadores examinaram como o Apple Watch funciona melhor com o iPhone do que com outras marcas, além da forma como a Apple bloqueia os concorrentes em seu serviço iMessage, de mensagens instantâneas. Eles também examinaram o sistema de pagamentos da Apple para o iPhone, que impede que outras empresas financeiras ofereçam serviços semelhantes, disseram as fontes.

Os líderes seniores da divisão antitruste do Departamento de Justiça estão analisando os resultados da investigação até o momento, disseram duas das pessoas próximas ao assunto. As autoridades da agência se reuniram com a Apple várias vezes, inclusive em dezembro, para discutir a investigação. Nenhuma decisão final foi tomada sobre se uma ação judicial deve ser movida ou o que ela deve incluir e a Apple não teve uma reunião final com o Departamento de Justiça na qual possa apresentar seu caso ao governo antes que uma ação seja movida.

Se instaurado, esse seria o processo federal antitruste mais importante a desafiar a Apple, que é a empresa de tecnologia mais valiosa do mundo. Se o processo for aberto, os órgãos reguladores americanos terão processado quatro das maiores empresas de tecnologia por práticas comerciais monopolistas em menos de cinco anos. Atualmente, o Departamento de Justiça está enfrentando o Google em dois casos antitruste, com foco em seus negócios de pesquisa e tecnologia de anúncios, enquanto a Comissão Federal de Comércio processou a Amazon e a Meta por sufocar a concorrência.

O processo da Apple provavelmente seria ainda mais abrangente do que os desafios anteriores à empresa, atacando seu poderoso modelo de negócios que reúne o iPhone com dispositivos como o Apple Watch e serviços como o Apple Pay para atrair e manter os consumidores fiéis aos seus produtos. Os concorrentes afirmaram que lhes foi negado o acesso aos principais recursos da Apple, como a assistente virtual Siri, o que os levou a argumentar que as práticas são anticompetitivas.

Um porta-voz do Departamento de Justiça não quis comentar o assunto. A Apple também não se pronunciou.

Publicidade

A empresa já havia dito anteriormente que suas práticas não violam a lei antitruste. Ao defender suas práticas comerciais contra os críticos no passado, a Apple disse que sua “abordagem sempre foi aumentar o bolo” e “criar mais oportunidades não apenas para nossos negócios, mas para artistas, criadores, empreendedores e todos os ‘loucos’ com uma grande ideia”.

Apple pode ser a próxima na mira do Departamento de Justiça dos EUA a enfrentar um processo antitruste Foto: Karsten Moran/The New York Times

A empresa se orgulha da maneira como o iPhone integra hardware e software para criar uma experiência perfeita para o cliente. Em 2020, Tim Cook, CEO da Apple, disse durante depoimento perante um comitê antitruste do Congresso que a empresa redefiniu os telefones celulares com “sua experiência de usuário sem esforço, sua simplicidade de design e um ecossistema de alta qualidade”. Ele acrescentou que a Apple competiu com a Samsung, LG, Google e outros fabricantes de smartphones, que oferecem uma abordagem diferente.

“A Apple não tem uma participação dominante em nenhum mercado em que fazemos negócios”, disse Cook na ocasião. “Isso não é verdade apenas para o iPhone. É verdade para qualquer categoria de produto.”

O caso se somaria à crescente pressão regulatória, tanto no país quanto no exterior, sobre os negócios da Apple, atualmente avaliados em US$ 2,83 trilhões.

PUBLICIDADE

Este ano, espera-se que os reguladores europeus forcem a Apple a acomodar lojas de aplicativos além das suas próprias, de acordo com a Lei de Mercados Digitais, uma lei aprovada em 2022 para controlar os gigantes da tecnologia. Ações semelhantes contra a App Store foram tomadas ou estão sendo consideradas na Coreia do Sul e no Japão.

Além disso, a Comissão Europeia afirmou em 2021 que a Apple havia violado suas leis antitruste ao impor taxas de loja de aplicativos aos concorrentes de seu produto Apple Music. A investigação da comissão sobre o assunto continua.

A resolução da investigação do Departamento de Justiça pode ser afetada pelos detalhes de como a Apple cumpre as regulamentações europeias, disseram duas pessoas com conhecimento do assunto, que falaram sob anonimato porque a investigação estava em andamento.

Publicidade

A Apple está enfrentando o aumento da pressão regulatória à medida que seus negócios diminuem. No ano passado, a empresa informou que sua receita anual caiu 2,8%, para US$ 383 bilhões, seu primeiro declínio em um ano fiscal desde 2019, com a desaceleração das vendas de iPhones, iPads e Macs. Ainda assim, a empresa vendeu mais de 200 milhões de iPhones e foi responsável por quase três quartos dos smartphones vendidos em todo o mundo com preços acima de US$ 600, segundo estimativa dos analistas.

Quando o Departamento de Justiça iniciou suas investigações tecnológicas em 2019, ele priorizou sua análise antitruste do Google em detrimento da Apple porque não tinha recursos financeiros e pessoal para avaliar completamente as duas empresas, de acordo com duas pessoas com conhecimento do assunto. Isso mudou em 2022, depois que o orçamento do departamento aumentou.

A investigação abrangeu uma gama mais ampla de interesses comerciais da Apple do que o relatado anteriormente, disseram seis pessoas com conhecimento das reuniões. Isso inclui como a Apple impediu que aplicativos de jogos em nuvem, que permitem aos usuários transmitir uma infinidade de títulos para seus telefones, fossem oferecidos em sua App Store.

Os investigadores conversaram com executivos da Tile, o serviço de rastreamento por Bluetooth, sobre o produto concorrente da Apple, o AirTag, e sobre as restrições da empresa a terceiros no acesso aos serviços de localização do iPhone. Executivos da Beeper, uma startup que disponibilizou o iMessage em telefones Android, conversaram com os investigadores sobre como a Apple a impediu de oferecer serviços de mensagens em sistemas operacionais de smartphones concorrentes. Os investigadores também conversaram com bancos e aplicativos de pagamento sobre como a Apple os impede de acessar a função “tap-to-pay” nos iPhones.

A Tile e a Beeper não quiseram comentar o assunto.

Eles também analisaram como o Apple Watch funciona melhor com o iPhone do que outros smartwatches concorrentes. Os usuários de dispositivos Garmin reclamaram nos fóruns de suporte da Apple sobre a impossibilidade de usar seus relógios para responder a determinadas mensagens de texto de seus iPhones ou ajustar as notificações que recebem do celular conectado ao relógio.

A nova ferramenta de privacidade da Apple, a App Tracking Transparency, que permite que os usuários do iPhone escolham explicitamente se um aplicativo pode rastreá-los, foi alvo de escrutínio devido à redução da coleta de dados do usuário pelos anunciantes. As empresas de publicidade afirmaram que a ferramenta é anticompetitiva.

Publicidade

A Meta, proprietária do Facebook e do Instagram, incentivou o Departamento de Justiça a analisar a questão em suas conversas com a agência, disseram duas das pessoas. A empresa - que ganha a maior parte de seu dinheiro com publicidade - disse em 2022 que poderia perder cerca de US$ 10 bilhões em receita naquele ano por causa das mudanças. A Meta se recusou a comentar. Os investigadores também examinaram a política da Apple de aplicar taxas às compras feitas dentro dos aplicativos do iPhone, que empresas como Spotify e o aplicativo de namoro Tinder dizem ser anticompetitiva.

Em 2020, a Epic Games, criadora do popular jogo Fortnite, processou a Apple por causa da exigência da App Store de que os desenvolvedores usassem o sistema de pagamento da gigante da tecnologia. Um juiz federal concluiu que a Apple não tinha o monopólio dos jogos para celular, desferindo um duro golpe na alegação da Epic.

Quando a Epic Games processou o Google por alegações semelhantes, obteve um resultado diferente. Em dezembro, um júri decidiu que as políticas da loja de aplicativos do Google violaram as leis antitruste. O Google planeja recorrer do veredicto.

O Departamento de Justiça processou a Apple pela última vez em 2012, acusando-a de conspirar com editoras de livros para aumentar o preço dos títulos digitais. A Apple perdeu o caso e pagou um acordo de US$ 450 milhões.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.